Redes Interorganizacionais e Criação de Valor Corporativo no Brasil

  • Cavalcante, D. S. Universidade Federal do Ceará
  • Alessandra Carvalho de Vasconcelos Universidade Federal do Ceará - UFC
  • Cardoso, V. I. C. Universidade Federal do Ceará
  • Machado, M. V. V. Universidade Federal do Ceará
Palavras-chave: Redes interorganizacionais. Board interlocking. Teoria da Dependência de Recursos. Alta administração. Criação de valor.

Resumo

Objetivo: Esta pesquisa investiga a relação entre a prática de redes interorganizacionais e a criação de valor corporativo em 218 companhias não financeiras listadas na B3.

Método: Com o apoio de técnicas de estatística descritiva, inferencial e multivariada, foram analisadas informações do ano de 2016 relacionadas aos 2.080 conselheiros e diretores, totalizando 15.611 dados, extraídos dos formulários de referência e da EconomáticaÒ.

Resultados: Verificou-se que as empresas têm maior probabilidade de criar valor se limitarem o compartilhamento de seus conselheiros e diretores com outras empresas em até 8 interlockings e possuírem no mínimo 2 e no máximo 4 conselheiros independentes em suas estruturas administrativas.

Contribuições: Conclui-se, com fundamento na Teoria da Dependência de Recursos, que empresas conectadas em rede, por meio de board interlocking, podem contribuir para melhorar a atividade econômica umas das outras, além de sugerir que a existência de laços corporativos favorece a criação de valor corporativo.

Biografia do Autor

Cavalcante, D. S., Universidade Federal do Ceará

Mestre em Administração e Controladoria pela Universidade Federal do Ceará

Alessandra Carvalho de Vasconcelos, Universidade Federal do Ceará - UFC

Dra em Engenharia da Produção

Cardoso, V. I. C., Universidade Federal do Ceará

Mestre em Administração e Controladoria pela Universidade Federal do Ceará

Machado, M. V. V., Universidade Federal do Ceará

Doutorado em Higher Education pela University of Arizona, Estados Unidos

Referências

Almeida, L. F., & Machado, C. A. P., Filho. (2013). Competências compartilhadas em alianças estratégicas: um estudo da aliança Cosan e Shell no mercado de biocombustíveis. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 48(2), 359-374.
Aranha, C., Rossoni, L., & Mendes-da-Silva, W. (2016). Capital social do conselho de administração e desempenho de empresas de capital aberto brasileiras. Revista de Administração Mackenzie, 17(1), 15-39.
Balestrin, A., Verschoore, J. R., & Reyes, E., Júnior. (2010). O campo de estudo sobre redes de cooperação interorganizacional no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, 14(3), 458-477.
Bloodgood, J. M., Hornsby, J. S., Rutherford, M., & McFarland, R. G. (2017). The role of network density and betweenness centrality in diffusing new venture legitimacy: an epidemiological approach. International Entrepreneurship and Management Journal, 13(2), 525-552.
Bonacich, P. (1987). Power and centrality: a family of measures. American Journal of Sociology, 92(5), 1170-1182.
Camargos, M. A., & Barbosa, F. V. (2009). Fusões e aquisições de empresas brasileiras: criação de valor e sinergias operacionais. Revista de Administração de Empresas, 49(2), 206-220.
Carvalho, F. P. de, Maia, V. M., Louzada, L. C., & Gonçalves, M. A. (2017). Desempenho setorial de empresas brasileiras: um estudo sob a ótica do ROE, Q de Tobin e Market to Book. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 7(1), 149-163.
Cunha, P. R. da, & Piccoli, M. R. (2017). Influência do board interlocking no gerenciamento de resultados. Revista Contabilidade & Finanças, 28(74), 179-196.
Deboçã, L. P., & Martins, R. S. (2015). Vantagens Competitivas Originadas dos Relacionamentos Horizontais em Aglomerações Produtivas: percepções de atores locais. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 17(56), 1025-1043.
Fauver, L., Hung, M., Li, X. M. H., & Taboada, A. G. (2017). Boards reform and firm value: worldwide evidence. Journal of Financial Economics, 155(1), 120-142.
Fich, E. M., & White, L. J. (2005). Why do CEOs reciprocally sit on each other’s boards? Journal of Corporate Finance, 11(1-2), 175-195.
Freeman, L. C. (1979). Centrality in social networks: conceptual clarification. Social Networks, 1(2), 215-239.
Freitas Neto, R. M. D., & Mol, A. L. R. (2017). Determinants of the roles boards of directors have in Brazilian companies. Revista de Administração Contemporânea, 21(Ed. Esp.), 63-83.
Gobibi, B. C., Cunha, E. P., Brito, M. J. D., & Senger, I. (2005). Politizando o conceito de redes organizacionais: uma reflexão teórica da governança como jogo de poder. Cadernos Ebape.BR, 3(1), 1-16.
Hillman, A., Cannella, A., & Paetzold, R. (2000). The resource dependence role of corporate directors: strategic adaptation of board composition in response to environmental change. Journal of Management Studies, 37(2), 235-256.
Homans, G. C. (1950). The human group. New York: Harcourt, Brace and World.
Lamb, N. H. (2017). Does the number of interlocking directors influence a firm’s financial performance? An exploratory meta-analysis. American Journal of Management, 17(2), 47-57.
Larentis, F., Antonello, C. S., Milan, G. S., & De Toni, D. (2014). Aprendizagem organizacional e relacionamentos interorganizacionais: um estudo de casos múltiplos. BASE – Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 11(4), 347-366.
Marchi, J. J., Cassanego, P., Júnior, & Wittmann, M. L. (2012). Troca e criação de valor: possibilidades competitivas advindas da estratégia de redes. Revista de Administração, 47(2), 180-196.
Medeiros, A. W, & Mol, A. L. R. (2016). Tangibilidade e Intangibilidade na Identificação do Desempenho Persistente: Evidências no Mercado Brasileiro. Revista de Administração Contemporânea, 21(2), 184-202.
Mendes-da-Silva, W. (2011). Small Worlds and Board Interlocking in Brazil: A Longitudinal Study of Corporate Networks, 1997-2007. Revista Brasileira de Finanças, 9(4), 521-548.
Mendes-da-Silva, W., Rossoni, L., Martin, D. L., & Martelanc, R. (2008). A influência das redes de relações corporativas no desempenho das empresas do novo mercado da Bovespa. Revista Brasileira de Finanças, 6(3), 337-358.
Obstfeld, D. (2005). Social networks, the tertius lungens orientation, and involvement in innovation. Administrative Science Quarterly, 50(1),100-130.
Pfeffer, J., & Salancik, G. R. (1978). The external control of organizations: a resource dependence perspective. New York: Harper & Row.
Provan, K. G., Fish, A., & Sydow, J. (2007). Interorganizational networks at the network level: a review of the empirical literature on whole networks. Journal of Management, 33(3), 479-516.
Pye, A.; Kaczmarek, S.; Kimino, S. (2014). Interlocking directorships and firm performance in the highly regulated sectors: the moderating impact of board diversity. Journal of Management & Governance, 18(2), 347-372.
Ribeiro, F., & Colauto, R. D. (2016). A relação entre board interlocking e as práticas de suavização de resultados. Revista Contabilidade & Finanças, 27(70), 55-66.
Ribeiro, F., Colauto, R. D., & Clemente, A. (2016). Determinantes da formação de board interlocking no mercado de capitais brasileiro. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 10(4), 398-415.
Santos, R. L., & Silveira, A. D. M. da. (2007). Board interlocking no Brasil: a participação de conselheiros em múltiplas companhias e seu efeito sobre o valor das empresas. Revista Brasileira de Finanças, 5(2), 125-163.
Silveira, A. D. M. D., Barros, L. A. B. D. C., & Famá, R. (2003). Estrutura de governança e valor das companhias abertas brasileiras. Revista de Administração de Empresas, 43(3), 50-64.
Vedel, M. (2016). The triad value function – theorizing the value potential of connected relationships. Journal of Business & Industrial Marketing, 31(7) 1-31.
Wasserman, S., & Faust, K. (1994). Social network analysis: methods and applications (8a ed.). Cambridge, MA: Cambridge University Press.
Watts, D. J., & Strogatz, S. H. (1998). Collective dynamics of “small-world” networks. Letters to Nature, 393(6684), 440-442.
Zald, M. (1969). The power and functions of boards of directors: a theoretical synthesis. American Journal of Sociology, 75(1), 97-111.
Publicado
02-10-2019
Como Citar
Sousa Cavalcante, D., Vasconcelos, A. C. de, Ingrid da Costa Cardoso, V., & Vinícius Veras Machado, M. (2019). Redes Interorganizacionais e Criação de Valor Corporativo no Brasil. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 13(3). https://doi.org/10.17524/repec.v13i3.2421
Seção
Artigos

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##