Autoeficácia, Elementos Priorizados na Prospecção de Carreira e Comportamento Acadêmico: Análise dos Estudantes de Ciências Contábeis das IES Públicas

  • Iago Franca Lopes Universidade Federal do Paraná
  • Alison Martins Meurer Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: Crenças de Autoeficácia, Prospecção de Carreira, Comportamento Acadêmico, Teoria Social Cognitiva.

Resumo

Objetivo: O artigo busca verificar a luz da Teoria Social Cognitiva (TSC) a influência das crenças de autoeficácia nos elementos priorizados na prospecção de carreira mediado pelo comportamento acadêmico dos discentes em Ciências Contábeis.

Método: A amostra consubstanciou-se em 309 participações de discentes de Ciências Contábeis das Instituições de Ensino Superior (IES) Públicas do Brasil e os dados foram tratados a partir de uma Modelagem de Equações Estruturais.

Resultados: Os resultados revelam que as crenças de autoeficácia influenciam o desempenho acadêmico. Constatou-se, também, que o comportamento acadêmico é um antecedente dos elementos priorizados na prospecção de carreira e medeia a relação entre autoeficácia e os elementos priorizados prospecção de carreira na área privada, a partir da dimensão de domínio pessoal.

Contribuição: O papel mediador do desempenho acadêmico é explicado pela TSC, como resultado de experiências passadas no que tange ao alcance de metas e objetivos para o campo profissional na área privada. O fato da TSC ser uma teoria de predição do comportamento humano a partir das crenças de autoeficácia, mostra-se receptiva a contribuições, visto que o comportamento humano, em especial o dos discentes de Contabilidade é redesenhado ao longo do tempo e do espaço.

Biografia do Autor

Iago Franca Lopes, Universidade Federal do Paraná
Doutorando em Contabilidade pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Mestre em Contabilidade na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC - 2017).
Alison Martins Meurer, Universidade Federal do Paraná
Mestrando em Contabilidade no Programa de Pós-Graduação em Contabilidade (PPGCONT) da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Especialista em Avaliação do Ensino e da Aprendizagem pela Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE).

Referências

Ambiel, R. A., & Noronha, A. P. P. (2012). Autoeficácia para escolha profissional: teoria, pesquisas e avaliação. Psicologia em Pesquisa, 6(2), pp. 171-178. doi: http://dx.doi.org/10.5327/Z1982-12472012000200010.

Bandura. A. (1977). Self-efficacy: Toward a unifying theory of behavioral change. Psychological Review, 84(2), pp. 191-215. doi: http://dx.doi.org/10.1037/0033-295X.84.2.191.

Bandura, A. (1982). Self-efficacy mechanism in human agency. American psychologist, 37(2), pp. 122-147. doi: http://dx.doi.org/10.1037/0003-066X.37.2.122.

Bandura, A. (1986). Fearful expectations and avoidant actions as coeffects of perceived self-inefficacy. American Psychologist, 41(12), pp. 1389-1391. doi: http://dx.doi.org/10.1037/0003-066X.41.12.1389

Bandura, A. (1994). Self-efficacy. In V. S. Ramachaudran (Ed.), Encyclopedia of human behavior. New York: Academic Press.

Bandura, A. (1997). Self-efficacy: The exercise of control. New York: Freeman.

Bandura, A. (2004). Health promotion by social cognitive means. Health education & behavior, 31(2), pp. 143-164. doi: https://doi.org/10.1177/1090198104263660.

Bandura, A. (2005). The evolution of social cognitive theory. In: Smith, K.G.; Hitt, M.A. (Org.). Great minds in management. United Kingdom: Oxford University Press, pp. 9-35.

Bandura, A. (2008). A teoria social cognitiva na perspectiva da agência. In A. Bandura, R. G. Azzi & S. Polydoro (Orgs.), Teoria social cognitiva: conceitos básicos (pp. 69-95). Porto Alegre: Artmed

Bandura, A., Azzi, R. G., & Polydoro, S. (2008). Teoria social cognitiva: conceitos básicos. Porto Alegre: Artmed.

Bardagi, M. P., Lassance, M. C. P., & Paradiso, Â. C. (2003). Trajetória acadêmica e satisfação com a escolha profissional de universitários em meio de curso. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 4(1-2), pp.153-166.

Baron, R. M., & Kenny, D. A. (1986). The moderator–mediator variable distinction in social psychological research: Conceptual, strategic, and statistical considerations. Journal of personality and social psychology, 51(6), pp. 1173-1182.

Bastos, A. V. B. (1997). A escolha e o comprometimento com a carreira: um estudo entre profissionais e estudantes de administração. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 32(3), pp. 28-39.

Betz, N. E. & Hackett, G., (1981). A self-efficacy approach to the career development of women. Journal of vocational behavior, 18(3), pp. 326-339. doi: https://doi.org/10.1016/0001-8791(81)90019-1.

Betz, N. E., & Luzzo, D. A. (1996). Career assessment and the career decision-making self-efficacy scale. Journal of Career Assessment, 4(4), pp. 413-428. doi: https://doi.org/10.1177/106907279600400405.

Betz, N. E., & Voyten, K. K. (1997). Efficacy and outcome expectations influence career exploration and decidedness. The Career Development Quarterly, 46(2), pp. 179-189. doi: https://doi.org/10.1002/j.2161-0045.1997.tb01004.x.

Bong, M., & Skaalvik, E. M. (2003). Academic self-concept and self-efficacy: How different are they really?. Educational psychology review, 15(1), pp. 1-40.

Chin, W. W. (1998). The partial least squares approach to structural equation modeling. Modern methods for business research, 295(2), pp. 295-336.

Chung, Y.B. (2002). Career decision-making self-efficacy and career commitment: Gender and ethnic differences among college students. Journal of Career Development, 28(4), pp. 277–284

Coimbra, S. (2010). Uma questão de confiança: o que (des) motiva a geração actual. In: Salgado, L. (Org.). A Educação de Adultos. Uma Dupla Oportunidade na Família. (pp. 59-76), Lisboa: Agência Nacional para as Qualificações.

Cretu, R. Z., & Burcas, S. (2014). Self Efficacy: A moderator of the relation between emotional dissonance and counterproductive work behavior. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 127(sn), pp. 892-896. doi: https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2014.03.375.

Dias, E. T. D. S. (2009). Resenha - Teoria social cognitiva: conceitos básicos. Estudos de Psicologia, 26(4), pp. 1-2.

Duffy, R. D., Douglass, R. P., & Autin, K. L. (2015). Career adaptability and academic satisfaction: Examining work volition and self efficacy as mediators. Journal of Vocational Behavior, 90(sn), pp. 46-54. doi: https://doi.org/10.1016/j.jvb.2015.07.007.

Fontes, A. P., & Azzi, R. G. (2012). Crenças de autoeficácia e resiliência: Apontamentos da literatura sociocognitiva. Estudos de psicologia, 29(1), pp. 105-114.

Fornell, C., & Larcker, D. F. (1981). Structural equation models with unobservable variables and measurement error: Algebra and statistics. Journal of marketing research, 18(3), pp. 382-388. doi: 10.2307/3150980.

Gabris, G. T., & Simo, G. (1995). Public sector motivation as an independent variable affecting career decisions. Public Personnel Management, 24(1), pp. 33-51. doi: https://doi.org/10.1177/009102609502400103.

Glaser, S. L., & Bardagi, M. P. (2011). Habilidades sociais, auto-eficácia e decisão de carreira em universitários em no final de curso. Boletim Academia Paulista de Psicologia, 80(1), pp. 148-165.

Hair Jr, J. F., Gabriel, M. L. D. D. S., & Patel, V. K. (2014). Modelagem de Equações Estruturais Baseada em Covariância (CB-SEM) com o AMOS: Orientações sobre a sua aplicação como uma Ferramenta de Pesquisa de Marketing. REMark, 13(2), pp. 43-55. doi: 10.5585/remark.v13i2.2718

Hair Jr, J. F.,; Hult, G. T. M.,; Ringle, C. M., &; Sarstedt, M. (2014). A primer on partial least squares structural equation modeling (PLS-SEM). Thousand Oaks: SAGE.

Hakstian, A. R., Farrell, S., & Tweed, R. G. (2002). The assessment of counterproductive tendencies by means of the California Psychological Inventory. International Journal of Selection and Assessment, 10(1‐2), pp. 58-86. doi: https://doi.org/10.1111/1468-2389.00194.

Hogan, J., & Hogan, R. (1989). How to measure employee reliability. Journal of Applied Psychology, 74(2), pp. 273-279. doi: http://dx.doi.org/10.1037/0021-9010.74.2.273

Isac, M. M., Maslowski, R., Creemers, B., & van der Werf, G. (2014). The contribution of schooling to secondary-school students' citizenship outcomes across countries. School Effectiveness and School Improvement, 25(1), pp. 29-63. Doi : https://doi.org/10.1080/09243453.2012.751035.

Lamas, K. C. A. (2017). Conceito e relevância dos interesses profissionais no desenvolvimento de carreira: estudo teórico. Temas em Psicologia, 25(2), pp. 703-717. doi: http://dx.doi.org/10.9788/TP2017.2-16Pt.

Lent, R. W., & Brown, S. D. (2013). Social cognitive model of career self-management: Toward a unifying view of adaptive career behavior across the life span. Journal of counseling psychology, 60(4), pp. 557-568. doi: 10.1037/a0033446

Lent, R. W., Ireland, G. W., Penn, L. T., Morris, T. R., & Sappington, R. (2017). Sources of self-efficacy and outcome expectations for career exploration and decision-making: A test of the social cognitive model of career self-management. Journal of Vocational Behavior, 99(sn), pp. 107-117. doi: https://doi.org/10.1016/j.jvb.2017.01.002

Martinelli, C. S. & Sassi, A. G. (2010). Relações entre autoeficácia e motivação acadêmica. Psicologia ciência e profissão, 30(4), pp. 780-791.

Meriac, J. P. (2012). Work ethic and academic performance: Predicting citizenship and counterproductive behavior. Learning and Individual Differences, 22(4), pp. 549-553. doi: https://doi.org/10.1016/j.lindif.2012.03.015

Moreira, T. D. C., Ambiel, R. A. M., & Nunes, M. F. O. (2018). Career Choice Self-Efficacy Source Scale: Development and Initial Psychometric Studies. Trends in Psychology, 26(1), pp. 47-60. doi: http://dx.doi.org/10.9788/tp2018.1-03pt.

Morphew, C. C., & Hartley, M. (2006). Mission statements: A thematic analysis of rhetoric across institutional type. The Journal of Higher Education, 77(3), pp. 456-471.

Multon, K. D., Brown, S. D., & Lent, R. W. (1991). Relation of self-efficacy beliefs to academic outcomes: A meta-analytic investigation. Journal of Counseling Psychology, 38(1), pp. 30-38. doi: http://dx.doi.org/10.1037/0022-0167.38.1.30.

Okafor, G. O. (2011). The ethical behaviour of Nigerian business students (A study of undergraduate students’ in business schools. Arabian Journal of Business and Management Review, 1(3), pp. 33-44.

Oliveira, K. L. de, Trassi, A. P., Inácio, A. L. M., Santos, A. A. A. dos. (2016). Estilos de Aprendizagem e Condições de Estudo de Alunos de Psicologia. Psicologia Ensino & Formação, 7(1), pp. 31-39. doi: 10.21826/2179-58002016713139.

Oliveira, M. B., & Soares, A. B. (2011). Auto-eficácia, raciocínio verbal e desempenho escolar em estudantes. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 27(1), pp. 33-39.

Organ, D. W. (1988). Organizational citizenship behavior: The good soldier syndrome. Lexington, MA: Lexington Books

Pajares, F. (2018) Overview of Social cognitive theory and of self-efficacy. Recuperado em 10 janeiro, 2017, de https://www.uky.edu/~eushe2/Pajares/eff.html

Ringle, C. M., Da Silva, D., & Bido, D. D. S. (2014). Modelagem de equações estruturais com utilização do SmartPLS. REMark, 13(2), pp. 54-73. doi: 10.5585/remark.v13i2.2717.

Sales, M. L. de, Xavier Filho, J. L. J., & Damascena, E. O. (2017). Serviço Público como expectativa profissional dos graduandos em administração. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 11(1), 1-16.

Sanchez, G. (2013). PLS path modeling with R. Berkeley: Trowchez Editions.

Santos, E. A., & Almeida, L. B. de. (2018). Seguir ou não carreira na área de contabilidade: um estudo sob o enfoque da Teoria do Comportamento Planejado. Revista Contabilidade & Finanças, 29(76), pp. 114-128. doi: https://doi.org/10.1590/1808-057x201804890.

Santos, M. J. C. (2017). Fatores Determinantes do Sucesso Escolar no Ensino Superior: Escola Superior de Gestão – IPCA. Dissertação de Mestrado, Instituto Politécnico do Cávado e do Ave, Barcelos, Portugal.

Santos, M. S. C., Brandão, L. E. T., & Maia, V. M. (2015). Decisão de escolha de carreira no Brasil: uma abordagem por opções reais. Revista de Administração, 50(2), pp. 141-152. doi: http://dx.doi.org/10.5700/rausp1190.

Santos, V., & Beuren, I. M. (2017). Influência da Percepção de Justiça Organizacional no Comprometimento e Satisfação no Trabalho de Professores Universitários. Anais do USP International Conference in Accounting, São Paulo, SP, Brasil, 17.

Schmitt, N., Oswald, F. L., Friede, A., Imus, A., & Merritt, S. (2008). Perceived fit with an academic environment: Attitudinal and behavioral outcomes. Journal of Vocational Behavior, 72(3), pp. 317-335. doi: https://doi.org/10.1016/j.jvb.2007.10.007

Tonin, S. (2014). A escolha, o comprometimento e o entrincheiramento com a carreira e a área de atuação: um estudo entre administradores. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.

University of California, Berkeley (2014). Graduate Student Happiness & Well-Being Report. Recuperado em 10 janeiro, 2018, de http://ga.berkeley.edu/wp-content/uploads/2015/04/wellbeingreport_2014.pdf.

Zimmerman, B. J. (2000). Self-efficacy: An essential motive to learn. Contemporary educational psychology, 25(1), pp. 82-91. doi: https://doi.org/10.1006/ceps.1999.1016.

Publicado
29-03-2019
Como Citar
Lopes, I. F., & Meurer, A. M. (2019). Autoeficácia, Elementos Priorizados na Prospecção de Carreira e Comportamento Acadêmico: Análise dos Estudantes de Ciências Contábeis das IES Públicas. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 13(1). https://doi.org/10.17524/repec.v13i1.1937
Seção
Artigos