INSERÇÃO DO TEMA SUSTENTABILIDADE NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS À LUZ DA TEORIA INSTITUCIONAL

Autores

  • Karina Rocha Henriques Gehlen Faculdade Positivo
  • Luciano Gomes dos Reis Universidade Estadual de Londrina
  • Kelli Juliane Favato Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.17524/repec.v15i2.2666

Palavras-chave:

Teoria Institucional, Sustentabilidade, Ensino Superior em Ciências Contábeis, Educação Ambiental, Ensino de Sustentabilidade

Resumo

Objetivo: compreender o processo de institucionalização do tema sustentabilidade no curso de Ciências Contábeis da Faculdade de Economia, Administração e Ciências Contábeis da Universidade de São Paulo (FEA/USP).

Método: Estudo de caso exploratório com entrevistas semiestruturadas com 8 docentes que estão envolvidos com o tema e/ou presenciaram a sua inserção no curso. Empregou-se a análise de conteúdo, onde foram estabelecidas 6 categorias. A triangulação dos dados foi estabelecida utilizando o referencial teórico, as respostas dos entrevistados e os Projetos Políticos Pedagógicos (PPP) referentes aos anos 2000, 2006, 2009, 2013 e 2016.

Resultados: demonstram que o tema sustentabilidade está semi-institucionalizado em transição para o institucionalizado. A natureza do conceito de sustentabilidade adotado pelo curso possuí características de manutenção do status quo e reformista. Concluiu-se que a disciplina que aborda sustentabilidade tem atributos mais holísticos e interdisciplinares do que o curso de contabilidade como um todo.

Contribuições: a contribuição prática deste estudo é servir de base para que outras instituições possam inserir o tema sustentabilidade em seus projetos pedagógicos. Quanto a contribuição teórica o estudo mostra a aplicabilidade da Teoria Institucional de modo empírico, além do nível organizacional empresarial, adentrando no ambiente educacional.

Biografia do Autor

Karina Rocha Henriques Gehlen, Faculdade Positivo

Mestra em Administração pelo Programa de Pós-graduação da Universidade Estadual de Londrina. Graduada de Ciências Contábeis (Universidade Estadual de Londrina). Bacharel em Comunicação Social - Jornalismo (Universidade Estadual de Londrina). Pós-graduada em Criação e Produção Audiovisual (Faculdade Pitágoras). Experiência profissional nas áreas comercial, administrativa e contábil. Atualmente trabalha como professora adjunta na Universidade Positivo e no Centro Universitário Filadélfia em Londrina. Criadora do site e canal de educação financeira Saindo da Roda Finanças.

Luciano Gomes dos Reis, Universidade Estadual de Londrina

Possui graduação em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual de Londrina (1997), mestrado em Administração de Empresas pela Universidade Estadual de Maringá (2004), Doutorado em Ciências Contábeis pela Universidade de São Paulo (2008) e Pós-Doutorado em Ciências Contábeis pela FURB (2014). Atualmente é Professor Associado do Departamento de Ciências Contábeis, atuando no curso de Mestrado em Administração de Empresas e no curso de Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Estadual de Londrina. Coordenador do curso de Especialização em Contabilidade Financeira e Tributária. Docente de diversos cursos de pós-graduação. Tem experiência na área contábil, com ênfase em Contabilidade Societária, Gestão de Custos e Tópicos Contemporâneos de Contabilidade. Consultor ad hoc de diversos congressos e periódicos científicos. Pesquisador atuante nas áreas de Contabilidade Societária, Processos de Mudança em Contabilidade Gerencial, Indicadores Contábeis, Relatórios de Sustentabilidadr e áreas afins.

Kelli Juliane Favato, Universidade Federal do Paraná

Doutoranda em Contabilidade pela Universidade Federal do Paraná - UFPR. Mestre em Ciências Contábeis (área de controladoria) pela Universidade Estadual de Maringá - UEM (2019). Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual de Londrina - UEL (2017). Pesquisa na área de contabilidade para usuários externos, Relato Integrado, contabilidade socioambiental. Interesse em sensemaking, teoria institucional e stakeholders. E-mail: kelli.favato@gmail.com

Referências

Adams, C. A. (2018). Debate: Integrated reporting and accounting for sustainable development across generations by universities. Public Money and Management, v. 38, n. 5, p. 332–334.
Adams, C.; Marielle G.; Heijltjes, G.; Marjoribanks, T.; Powell, M. (2011). "The development of leaders able to respond to climate change and sustainability challenges: The role of business schools", Sustainability Accounting, Management and Policy Journal, Vol. 2 Issue: 1, pp.165-171,https://doi-org.ez79.periodicos.capes.gov.br/10.1108/20408021111162191.
Beltrame, I. (2015). A institucionalização do tema sustentabilidade no curso de graduação em administração. 125 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina.
Berger, P. L. & Luckmann, T. (2011). A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. 33 ed. Petrópolis: Vozes.
Brundtland, G. H. & Khalid, M. (1987). Our common future. New York.
Calixto, L. (2006). O ensino da contabilidade ambiental nas universidades brasileiras: um estudo exploratório. Revista Universo Contábil, 2(3), 65-78.
Conselho Nacional De Educação Câmara De Educação Superior (CNE) (2004) “Resolução CNE/CES 10, de 16 de dezembro de 2004”.
Carson, R. (1962). Primavera Silenciosa. São Paulo: Melhoramentos.
Castro, C. J. (2004). Sustainable development: mainstream and critical perspectives. Organization & Environment, 17(2), 195-225.
Chulián, M. F. (2011). Constructing new accountants: The role of sustainability education Revista de Contabilidad, 14, 241-265.
Dallabona, L. F., Cunha, P. R. & Rausch, R. B. (2012). Inserção da área ambiental na matriz curricular do curso de Ciências Contábeis: um estudo das IES da região Sul do Brasil Enfoque: Reflexão Contábil, 31(3), 7-22.
Dimaggio, P. J. & Powell, W. W. (1983). The iron cage revisited: Collective rationality and institutional isomorphism in organizational fields. American Sociological Review, 48(2), 147-160.
Dimaggio, P. J. & Powell, W. W. (2005). A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. RAE-Revista de Administração de Empresas, 45(2), 74-89.
Faculdade De Administração, Economia E Contabilidade Da Universidade De São Paulo (FEA/USP). (2000-2016). Plano Pedagógico do Curso De Graduação Em Ciências Contábeis FEA/USP.
Flick, U. (2009). Uma introdução à pesquisa qualitativa. 3 Ed. Porto Alegre: Bookman.
Foladori, G. (2001). Limites do Desenvolvimento Sustentável. Tradução Marise Manuel. Campinas: Unicamp.
Gonçalves-Dias, S. L. F., Herrera, C. B. & Cruz, M. T. D. S. (2013). Desafios (e dilemas) para inserir ‘Sustentabilidade’ nos currículos de administração: um estudo de caso. Revista de Administração Mackenzie, 14(3), 119-153.
Gray, R. & Collison, D. (2002). Can’t see the wood for the trees, can’t see the trees for the numbers? Accounting education, sustainability and the public interest. Critical Perspectives on Accounting, 13(5-6), 797-836.
Hahn, R. & Reimsbach, D. (2014). Are we on track with sustainability literacy? A viewpoint on the influence of sustainability and accounting education on future managers' processing of sustainability information. Journal of Global Responsibility, 5(1), 55-67.
Hopwood, B., Mellor, M. & O'brien, G. (2005). Sustainable development: mapping different approaches. Sustainable development, 13(1), 38-52.
Jacobi, P. (2003). Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de pesquisa, 118(3), 189-205.
Jacobi, P. R., Raufflet, E. & Arruda, M. P. (2011). Educação para a sustentabilidade nos cursos de administração: reflexão sobre paradigmas e práticas. Revista de Administração Mackenzie, 12(3), 21-50.
Leal Filho, W. (2015). Education for sustainable development in higher education: reviewing needs. In Transformative Approaches to Sustainable Development at Universities. Springer International Publishing, 3-12.
Leff, E. (2010). Discursos sustentáveis. Tradução de Silvana Cobucci Leite. São Paulo: Cortez, 37.
Lei no 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências.
Lenzi, C. L. (2006). Sociologia ambiental: risco e sustentabilidade na modernidade. Bauru: Edusc.
Martendal, A., Vieira, E. M. F., Uhlmann, V. O, Pfitscher, E. D. (2013). Contabilidade Ambiental: nível de conhecimento DOS profissionais contábeis da grande Florianópolis. Enfoque: Reflexão Contábil, 32 (1), p. 29-47.
Meyer, J. W. & Rowan, B. (1977). Institutionalized organizations: Formal structure as myth and ceremony. American journal of sociology, 83(2), 340-363.
Moraes, R. (1999). Análise de conteúdo. Revista Educação, 22 ( 37), p. 7-32, 1999.
Pizzato, M. C. (2013). Gestão ambiental. In: Ambiente conhecimentos e práticas. Org. Schwanke, C. Porto Alegre: Bookman.
Rasche, A., Gilbert, D. U. & Schedel, I. (2013). Cross-disciplinary ethics education in MBA programs: Rhetoric or reality? Academy of Management Learning & Education, 12(1), 71-85.
Saravanamuthu, K. (2015). Instilling a sustainability ethos in accounting education through the Transformative Learning pedagogy: A case-study. Critical Perspectives on Accounting, 32, 1-36.
Tolbert, P. S. & Zucker, L. G. (1999). A institucionalização da teoria institucional. In Caldas, M. et al. (eds) Handbook de Estudos Organizacionais. São Paulo: Atlas, 194-217.
Venzke, C. S. & Nascimento, L. F. M. 2013. Caminhos e desafios para a inserção da sustentabilidade socioambiental na formação do administrador brasileiro. Revista de Administração Mackenzie, 14(3), 26-54.
Wright, T. (2004). The evolution of sustainability declarations in higher education. In Higher education and the challenge of sustainability. Springer Netherlands, p. 7-19.
Yin, R. (2010). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.
Zucker, L. G. (1977). The role of institutionalization in cultural persistence. American sociological review, 726-743.

Publicado

2021-07-01

Como Citar

Gehlen, K. R. H. ., Reis, L. G. dos, & Favato, K. J. (2021). INSERÇÃO DO TEMA SUSTENTABILIDADE NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS À LUZ DA TEORIA INSTITUCIONAL. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 15(2). https://doi.org/10.17524/repec.v15i2.2666

Edição

Seção

Artigos