O PAPEL CERTIFICADOR DOS FUNDOS DE PRIVATE EQUITY E VENTURE CAPITAL SOBRE A QUALIDADE DAS EMPRESAS ESTREANTES NA BM&FBOVESPA

Autores

  • Carlos Testa Analista de Private Equity, Caixa Econômica Federal
  • Gerlando Augusto Sampaio Franco de Lima Professor Associado da Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.17524/repec.v8i3.1034

Palavras-chave:

Investimentos, Private equity, Venture capital, Bovespa, Oferta pública inicial.

Resumo

O presente estudo verificou, sob a perspectiva da teoria de sinalização, o papel certificador dos fundos de Private Equity e Venture Capital, sobre a qualidade das empresas estreantes na BM&FBovespa (IPOs). Para isso, propôs-se um estudo de evento visando constatar a existência de retornos anormais acumulados (proxy para qualidade dos IPOs) em carteiras de investimentos compostas por ações provenientes dos IPOs realizados na BM&FBovespa, no período de janeiro de 2004 a dezembro de 2007. As hipóteses do trabalho foram verificadas por meio de três procedimentos distintos: teste de médias, CAPM e regressões CAR. Verificou-se que empresas que receberam aportes de Private Equity e Venture Capital apresentaram médias de retornos anormais acumulados estatisticamente superiores às das empresas não investidas. Os resultados das regressões indicam que quanto maior a participação dos fundos de PE/VC melhor o desempenho de longo prazo dos IPOs. As evidências encontradas sugerem que a presença de fundos de PE/VC nas empresas estreantes na BM&FBovespa possui efeito positivo sobre os retornos anormais acumulados dos IPOs.

Biografia do Autor

Carlos Testa, Analista de Private Equity, Caixa Econômica Federal

Mestre em Ciências Contábeis pela Universidade de São Paulo

Gerlando Augusto Sampaio Franco de Lima, Professor Associado da Universidade de São Paulo

Livre-Docente em Ciências Contábeis pela Universidade de São Paulo

Referências

Almeida, V. S. (2011). Underwriter reputation in brazilian ipos. American Business Review, 12(4), pp. 255-280.

Anderson, D. R., Sweeney, D. J., & Williams, T. A. (2007). Estatística Aplicada à Administração e Economia. (2 ed.) São Paulo: Thomson.

Barry, C. B., Muscarella, C. J., Peavy, J. W., & Vetsuypens, M. R. (1990). The role of venture capital in the creation of public companies: evidence from the going-public process. Journal of Financial Economics, 27(2), pp.447- 471.

Bird, R. B., & Smith, E. A. (2005). Signaling theory, strategic interaction, and symbolic capital. Current Anthropology, 46( 2), pp. 221-248.

Bolsa de Valores de São Paulo. (2013). BM&FBOVESPA divulga balanço de operações de 2012. Recuperado em 26 abril, 2013, de http://www.bmfbovespa.com.br/pt-br/noticias/2013/download/balanco_1212.pdf

Brav, A., & Gompers, P. A. (1997). Myth or reality? The long-run underperformance of initial public offerings: evidence from venture and nonventure capital-backed companies. The Journal of Finance. 52(5), pp. 1791-1821.

Carter, R. B., Dark, F. H., & Singh, A. K. (1998). Underwriter reputation, initial returns, and the long-run performance of IPO stocks. The Journal of Finance, 53(1), pp. 285-311

Centro de Estudos do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais. (2013). Indicadores de custo de capital próprio mensal, março/2013. Recuperado em 26 abril, 2013, de http://www.cemec.ibmec.org.br/download/INDICADORES_CEMEC_CUSTO_CAPITAL_PROPRIO_MENSAL_Metodos%201%20e%202_Mar_2013.pdf

Certo, S. T. (2003). Influencing initial public offering investors with prestige: signaling with board structures. Academy of Management Review, 28(3), pp. 432-446.

Daniel, K., Hirshleifer, D., & Subrahmanyam, A. (1998). Investor psychology and security market under- and overreactions. The Journal of Finance, 53(6), pp. 1839-1885.

Fortes, P. C. B., Silveira, R. L. F., & Bacic, M. J. (2012). Desempenho das empresas após IPO: análise da importância dos fundos de private equity. Anais do SEMEAD, 15. São Paulo.

Gioielli, S. P. O. (2008). Os gestores de private equity e venture capital influenciam a governança corporativa das investidas? Evidências das empresas estreantes na Bovespa. São Paulo. Dissertação Mestrado em Administração de Empresas – Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, SP, Brasil.

Gompers, P. A., & Lerner, J. (2003). The really long-run performance of initial public offerings: the pre-nasdaq evidence. The Journal of Finance, 58(4), p. 1355-1392.

Kothari, S. P., & Warner, J. B. (1997). Measuring long-horizon security price performance. Journal of Financial Economics, 43, p. 301-339.

Lerner, J., Hardymon, F., & Leamon, A. (2009). Venture capital and private equity: a casebook. 4th. ed., New Jersey: John Wiley & Sons.

Lintner, J. (1965). The valuation of risk assets and the selection of risky investments in stock portfolios and capital budgets. The Review of Economics and Statistics, 47(1), pp.13-37.

Mackinlay, A. C. (1997). Event studies in economics and finance. Journal of Economic Literature, 35(1), pp.13-39.

Megginson, W. L., & Weiss, K. A. (1991). Venture capitalist certification in initial public offerings. Journal of Finance, 46(3), pp. 879-903.

Minardi, A. M. A. F., Ferrari, G. L., & Tavares, P. C. A. (2013). Performances of Brazilian IPOs backed by private equity. Journal of Business Research. 66(3), pp. 448-455.

National Institute of Standards and Technology/Semiconductor Manufacturing Technology. (2013). e-Handbook of Statistical Methods. Recuperado em 26 abril, 2013, de http://www.itl.nist.gov/div898/handbook

Neus, W., & Walz, U. (2005). Exit timing of venture capitalists in the course of an initial public offering. Journal of Financial Intermediation, 14, pp. 253-277.

Ritter, J. R. (2003). Investment banking and securities issuance. In: Constantinides, G. M., Harris, M., & Stulz, R. M. Handbook of the economics of finance. Elsevier.

Ritter, J. R., & Welch, I. (2002). A review of IPO activity, pricing, and allocations. The Journal of Finance, 57(4), pp. 1795-1828.

Sasso, R. C. (2012). Qualidade de lucros e estrutura de propriedade: a indústria de private equity no Brasil. São Paulo. Dissertação Mestrado em Ciências Contábeis – Faculdade de Economia, Administração e contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Sharpe, W. F. (1964). Capital asset prices: a theory of market equilibrium under conditions of risk. The Journal of Finance, 19(3), pp. 425-442.

Silva, J. M. A., & Famá, R. (2011). Evidências de retornos anormais nos processos de IPO na Bovespa no período de 2004 a 2007: um estudo de evento. Revista de Administração, São Paulo, 46(2), pp. 178-190.

Sonoda, Fabio (2008). Análise da influência do private equity e venture capital no underpricing dos IPOS das empresas brasileiras no período de 2004 a 2007. São Paulo. Dissertação Mestrado em Administração de Empresas - Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, SP, Brasil.

Spence, A. M. (1973). Job market signaling. The Quarterly Journal of Economics, 83(3), pp. 355-374.

Teoh, S. H., Welch, I., & Wong, T. J. (1998). Earnings management and the long-run market performance of initial public offerings. Journal of Financial, 53(6), pp. 1935-1974.

Publicado

29-09-2014

Como Citar

Testa, C., & Lima, G. A. S. F. de. (2014). O PAPEL CERTIFICADOR DOS FUNDOS DE PRIVATE EQUITY E VENTURE CAPITAL SOBRE A QUALIDADE DAS EMPRESAS ESTREANTES NA BM&FBOVESPA. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 8(3). https://doi.org/10.17524/repec.v8i3.1034

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)