Desenvolvimento Cognitivo e Afetivo dos estudantes de Contabilidade – influência do Método de Caso à luz da Taxonomia de Bloom

  • Michele Urrutia Heinz Universidade Federal do Rio Grande - FURG
  • Alexandre Costa Quintana Universidade Federal do Rio Grande - FURG
  • Ana Paula Capuano da Cruz Universidade Federal do Rio Grande - FURG
Palavras-chave: Método de caso, Desenvolvimento cognitivo e afetivo, Taxonomia de Bloom

Resumo

Objetivo: avaliar o desenvolvimento cognitivo e afetivo alcançado com a técnica de ensino de método de caso, com base na Taxonomia de Bloom em estudantes do curso de Ciências Contábeis de uma Instituição Federal de Ensino Superior.

Método: quase-experimento em grupo de alunos (intacto sem seleção), na disciplina de Estrutura das Demonstrações Contábeis do 4ª semestre, durante o primeiro semestre de 2018.

Resultados: revelam que a utilização de uma técnica de ensino ativa, como um instrumento complementar, possui a capacidade de influenciar no nível de desenvolvimento cognitivo e afetivo alcançado pelos estudantes, estimulando também, a tomada de decisão, comunicação e a resolução de problemas, além de propiciar um ambiente de aprendizagem mais interativo, dinâmico, reflexivo e motivador, tornando os estudantes responsáveis pela própria aprendizagem, proporcionando assim, ação e interação do sujeito com o seu objeto de estudo, elementos essenciais e pertinentes para a construção de conhecimento.

Contribuições: os dados levantados nesta pesquisa permitem inferir que o uso do método de caso, como técnica complementar de ensino, contribuiu com o desenvolvimento da aprendizagem superficial, pois ampliou o nível de desenvolvimento mais básico, além de auxiliar na ampliação de todos os níveis cognitivos de forma parcial e proporcionar a motivação nos estudantes.

Biografia do Autor

Michele Urrutia Heinz, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Mestre em Contabilidade pela Universidade Federal do Rio Grande - FURG, na linha de Educação e Pesquisa em Contabilidade. Desenvolvendo ações na Pró Reitoria Administração e Planejamento, na Diretoria de Administração Financeira e Contábil, como Servidora da Universidade Federal do Rio Grande.

Ana Paula Capuano da Cruz, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Doutora em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo (FEA/USP), Mestre em Contabilidade pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), Especialista e Graduada em Ciências Contábeis pela FURG. É professora Adjunta do Instituto de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis da Universidade Federal do Rio Grande (FURG) e leciona nos cursos de Graduação e Especialização (Lato Sensu) em Ciências Contábeis e nos Programas de Pós Graduação em Contabilidade (PPGCONT-FURG - mestrado acadêmico) e Administração (PPGA-FURG - mestrado acadêmico). Atua, principalmente, nas linhas de pesquisa de Controle Gerencial e Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade.

Referências

Ames, C. (1990). Motivation: What teachers need to know. Teachers college record, 91(3), 409-421.
Anderson, L. W., & Krathwohl, D. R. (2001). A taxonomy for learning, teaching, and assessing: a revision of Bloom’s taxonomy of educational objectives. New York: Longman.
Barbosa, J. R. A. (2008). A avaliação da aprendizagem como processo interativo: um desafio para o educador. Democratizar, II(1).
Becker, F. (1992). O que é construtivismo. Revista de educação AEC, 21(83), 7-15.
Bertolin, J. C. G. (2007). Indicadores em nível de sistema para avaliar o desenvolvimento e a qualidade da educação superior brasileira. Avaliação, Campinas, 12(2), 309-331.
Bloom, B. S., Engelhart, M. D., Furst, E. J., Hill, W. H., & Krathwohl, D. R. (1977). Taxonomía de los objetivos de la educación. Buenos Aires: El Ateneo.
Bloom, B. S., Hastings, J. T., & Madaus, G. F. (1971). Handbook on formative and sommative evaluation of student learning. New York: McGraw-Hill.
Bordane, J. D., & Pereira, A. M. (2015). Estratégias de ensino-aprendizagem. 33º ed. Petrópolis: Vozes.
Butzke, M. A., & Alberton, A. (2017). Estilos de aprendizagem e jogos de empresa: a percepção discente sobre estratégia de ensino e ambiente de aprendizagem. REGE-Revista de Gestão, 24(1), 72-84.
Campbell, D. T., & Stanley, J. C. (1963). Experimental and Quasi-Experimental Designs for Research on Teaching. Palo Alto London: Rand McNally & Company.
Carneiro, I. M. S. P., Portes, L. F., & Cavalcante, M. M. D. (2014). O ensinar e o aprender de professores no contexto da educação profissional e tecnológica. Práxis Educacional, 10(17), 289-313.
Guimarães, J. C. F., Severo, E. A., Nobrega, K. C., & Leone, N. M. C. P. G. (2019). A influência da inovação no ensino, qualidade e comprometimento sobre a retenção de alunos no ensino superior. Revista Gestão Universitária na América Latina-GUAL, 12(1), 249-269.
Haydt, R. C. C. (2011). Curso de didática geral. São Paulo: Ática.
Hassler, R. H. (1950). The case method of teaching accounting. The Accounting Review, 25(2), 170-172.
Hessen, J. (2003). Teoria do conhecimento. Tradução de João Vergílio Gallerani Cuter. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes.
Hussain, S., Jabbar, M., Hussain,, Z., Rehman, Z., & Saghir, A. (2014). The Students’ Satisfaction in Higher Education and its Important Factors: A Comparative Study between Punjab and AJ&K, Pakistan. Research Journal of Applied Sciences, Engineering and Technology, 7(1), 4343-4348.
Krathwohl, D. R. (2002). A revision of Bloom's taxonomy: An overview. Theory into practice, 41(4), 212-218.
Krathwohl, D. R., & Anderson, L. W. M. C. (2010). Wittrock and the revision of Bloom's Taxonomy. Educational psychologist, 45(1), 64-65.
Knowles, M. S., Holton III, E. F., & Swanson, R. A. (2012). The adult learner. Routledge.
Leal, E. A., Medeiros, C. R. O., & Ferreira, L. V. (2017). In: O uso do método do caso de ensino na educação na área de negócios. Leal, E. A., Miranda, G. J., & Casa Nova, S. P. C. Revolucionando a sala de aula: como envolver o estudante aplicando as técnicas de metodologias ativas de aprendizagem. São Paulo: Atlas, 93-104.
Leal, E. A., Miranda, G. J., & Casa Nova, S. P. C. (2017). Revolucionando a sala de aula: como envolver o estudante aplicando as técnicas de metodologias ativas de aprendizagem. São Paulo: Atlas.
Leal, E. A., & Oliveira, R. L. (2018). O método de estudo de caso aplicado no ensino em cursos de pós-graduação em ciências contábeis. Revista Contemporânea de Contabilidade, 15(35), 69-87.
Lefrançois, G. R. (2016). Teorias da aprendizagem: o que o professor disse. Tradução Solange A. Visconte. São Paulo: Cengage Learning.
Lens, W., Matos, L., & Vansteenkiste, M. (2008). Professores como fontes de motivação dos alunos: o quê e o porquê da aprendizagem do aluno. Educação, 31(1), 17-20.
Lopes, E. S., & Carvalho, A. C. F. (2017). Avaliação da Aprendizagem: um Desafio para o Docente. Id on Line Revista de Psicologia, 10(33), 304-319.
Luckesi, C. C. (2014). Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. São Paulo: Cortez.
Martins, G. A., & Theóphilo, C. R. (2016). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. (3 ed.), São Paulo: Atlas.
Moreira, M. A. (2011). Teorias da aprendizagem. (2 ed.) São Paulo: EPU.
Morshead, R. W. (1965). Taxonomy of educational objectives Handbook II: Affective domain. Studies in Philosophy and Education, 4(1), 164-170.
Morozini, J. F., Cambruzzi, D., & Longo, L. (2007). Fatores que influenciam o processo de ensino-aprendizagem no curso de Ciências Contábeis do ponto de vista acadêmico. Revista Capital Científico, 5(1), 87-102.
Oliveira, A. S. B., Pontes, J. N. A. & Marques, M. A. (2016). O Uso da Taxonomia de Bloom no Contexto da Avaliação por Competência. Revista Pleiade, 10(20), 12-22.
Parellada, I. L., & Rufini, S. E. (2013). O uso do computador como estratégia educacional: relações com a motivação e aprendizado de alunos do ensino fundamental. Psicologia: Reflexão e crítica, 26(4), 743-751.
Pavione, S. N. C. S., Avelino, B. C., & Francisco, J. R. S. (2016). Fatores que influenciam o Processo de Ensino-Aprendizagem sob a Perspectiva de Estudantes do Curso de Ciências Contábeis: Análise em uma Instituição de Ensino Superior de Minas Gerais. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 10(2), 196-219.
Piaget, J. A. (1955). The Construction of Reality in the Child. Translated by Margaret Cook, Routledge.
Piaget, J. A. (1970). Psicologia e pedagogia: a resposta do grande psicólogo aos problemas do ensino. São Paulo: Forense.
Piletti, N., & Rossato, S. M. (2018). Psicologia da Aprendizagem: da teoria do condicionamento ao construtivismo. São Paulo: Contexto.
Prince, M. (2004). Does active learning work? A review of the research. Journal of engineering education, 93(3), 223-231.
Rios, R. P. (2011). Aplicação do método de casos no curso de Ciências Contábeis: um estudo empírico (Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo), 209.
Souza Gil, E., Garcia, E. Y. A, Lino, F. M. A, & Gil, J. L. V. (2012). Estratégias de ensino e motivação de estudantes no ensino superior. Vita et Sanitas, 6(1), 57-81.
Publicado
20-12-2019
Como Citar
Urrutia Heinz, M., Costa Quintana, A., & Capuano da Cruz, A. P. (2019). Desenvolvimento Cognitivo e Afetivo dos estudantes de Contabilidade – influência do Método de Caso à luz da Taxonomia de Bloom. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 13(4). https://doi.org/10.17524/repec.v13i4.2363