Disclosure Frente à Crescente Intangibilização das Empresas: Valor Contábil x Valor de Mercado

  • Veronica Andrea Lima Gouveia Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
  • Tatiane Gomes Silva UFRJ
  • Natan Szuster Professor na Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Fortunée Szuster Fundação Getúlio Vargas/RJ
Palavras-chave: Intangibilização, Disclosure, Valor de Mercado

Resumo

Objetivo: Verificar se, com a progressiva “intangibilização” das empresas, a Contabilidade tem procurado desenvolver maneiras de manter a utilidade das informações contábeis para a tomada de decisão de investimentos.

Método: Trata-se de estudo exploratório com abordagem qualitativa. A pesquisa tem como base a lista das maiores empresas em valor de mercado, divulgada pela Visual Capitalist, em 2016. Analisou-se a evolução dos últimos 15 anos nas principais bolsas de valores do mercado norte-americano e constatou-se que, de 2001 até 2016, houve uma mudança no ranking das maiores empresas em valor de mercado de outros setores da economia para o setor de tecnologia, onde as cinco maiores empresas do mundo, em 2016, foram: Apple, Alphabet (holding da Google), Microsoft, Amazon e Facebook.

Resultado: Evidenciam que o valor do patrimônio líquido das empresas é inferior ao valor de mercado. O mercado considera que parte da diferença seja decorrente do não reconhecimento contábil dos intangíveis das empresas, principalmente no novo cenário da economia digital.

Contribuições: Como a solução não será atingida no curto prazo e a Contabilidade não pode deixar de manter sua característica informacional, defende-se a divulgação de seus itens intangíveis mesmo que em Notas Explicativas.

Biografia do Autor

Veronica Andrea Lima Gouveia, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
Doutoranda na UFRJ em Ciências Contábeis.
Tatiane Gomes Silva, UFRJ
Doutoranda na UFRJ em Ciências Contábeis.
Natan Szuster, Professor na Universidade Federal do Rio de Janeiro
nathan.nszuster@gmail.com

Referências

Aboody, D. & Lev, B. (1998). The value relevance of intangibles: The case of software capitalization. Journal of Accounting Research, 36, pp. 161-191.

Basso, L.F.C.; Oliveira, J. A. S.; Kimura, H. & Braune, E. S. (2015). The impact of intangibles on value creation: Comparative analysis of the Gu and Lev methodology for the United States software and hardware sector. Investigaciones Europeas de Dirección y Economía de la Empresa, 21 (2), pp. 73-83.

Beyer, A.; Cohen, D. A.; Lyz, T. Z. & Walther, B. R. (2010). The financial reporting environment: Review of recent literature. Journal of Accounting and Economics, 50.

Botosan, C. A. (2006). Disclosure and the cost of capital: what do we know? Accounting and Business Research, International Accounting Policy Forum.

BrandZ. (2016). Top Global BrandZ. Recuperado em 11 junho, 2017, de http://www.millwardbrown.com/brandz/top-global-brands/.

BrandZ. (2017). Top Global BrandZ. Recuperado em 6 junho, 2017, de http://www.millwardbrown.com/brandz/top-global-brands/

Castro, W. B. (2015). O impacto das restrições para registro dos ativos intangíveis na diferença entre o valor de mercado e o valor contábil. Revista Brasileira de Contabilidade, 215, pp. 69-81.

Chehab, A.; Liu, J. & Xiao, Y. (2016). More on intangibles: Do stockholders benefit from brand values? Global Finance Journal, 30, pp. 1-9.

Clausen, S. & Hirth, S. (2016). Measuring the value of intangibles. Journal of Corporate Finance, 40, pp. 110-127.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis – CPC. (2010). Pronunciamento Técnico CPC 04(R1): Ativos Intangíveis. Recuperado em: 7, junho, 2017, de http://static.cpc.mediagroup.com.br/Documentos/187_CPC_04_R1_rev%2008.pdf.

Core, J. E. (2001). A review of the empirical disclosure literature: discussion. Journal of Accounting and Economics, 31.

Decker, F.; Ensslin, S. R.; Reina, D. R. M. & Reina, D.. (2013). A Relação entre os ativos intangíveis e a rentabilidade das ações: Um estudo com empresas listadas no índice Bovespa. REUNA, 18 (4), pp. 75-92.

Doige, C.; Karolvi, G.A. & Stulz, R. (2007). Why do countries matter so much for corporate governance? Journal of Financial Economics, 86.

Gil, A. C. (2007). Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas.

Hendriksen, E. S. & Van Breda, M. (1999). Teoria da contabilidade. São Paulo: Atlas.

Iatridis, G. E. (2011). Accounting disclosures, accounting quality and conditional and unconditional conservatism. International Review of Financial Analysis.

International Accounting Standards Board - IASB. (2011). Conceptual Framework for Financial Reporting, (IASB – BV 2011 Blue Book).

International Accounting Standards Board - IASB. (2004). IAS 38 Intangible Assets.

Iudícibus, S. (2004). Teoria da Contabilidade. 6. ed. São Paulo: Atlas.

Kaufmann, L. & Schneider, Y. (2004). Intangibles: a synthesis of current research. Journal of Intellectual Capital, 5 (3), pp. 366-388.

Lev, B. (2016). Baruch Lev on The End of Accounting. Recuperado em 9 junho, 2018, de http://www.valuewalk.com/2016/09/baruch-lev-end-accounting-qa/.

Lev, B. & Radhakrishnan, S. (2003). The measurement of firm-specific organization capital. National Bureau of Economic Research, NBER, Working Paper n. 9581, March.

Lev, B. & Zarowin, P. (1999). The Boundaries of financial reporting and how to extend them (Digest Summary). Journal of Accounting Research, 37 (2), pp. 353-385.

Lopes, A. B. (2004). Valuation properties of Accounting numbers in Brazil. Corporate Ownership & Control, 1(3), pp. 31-36.

Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. (2003). Fundamentos da metodologia científica. 5ª. ed. São Paulo: Atlas.

Oliveira, L.; Rodrigues, L. L. & Craig, R. (2010). Intangible assets and value relevance: Evidence from the Portuguese stock exchange. The British Accounting Review, 42(4), pp. 241-252.

Penman, S. H. (2009). Accounting for Intangible Assets: There is Also an Income Statement. Abacus, 45(3).

Perez, M. M. & Famá, R. (2006). Ativos intangíveis e o desempenho empresarial. Revista de Contabilidade & Finanças. São Paulo, 40, pp. 7-24.

Soares, E. (2003). Metodologia científica: lógica, epistemologia e normas. São Paulo: Atlas.

Szuster, N.; Szuster, F. R. & Szuster, Flávia R. (2005). Contabilidade: atuais desafios e alternativa para seu melhor desempenho. Revista Contabilidade e Finanças. São Paulo, 16 (38)..

Upton Jr, W. S. (2001). Business and financial reporting, challenges from the new economy. Financial Accounting Series – Special Report. FASB. USA. Recuperado em 8, junho, 2017, de http://www.fasb.org/articles&reports/sr_new_economy.pdf.

Veja (2018, novembro 28). Quatro Gigantes da Tecnologia que Nunca Deram Lucro. Recuperado em 28, novembro, 2018, de https://veja.abril.com.br/tecnologia/quatro-gigantes-da-tecnologia-que-nunca-deram-lucro/.

Visual Capitalist. (2016). The Largest Companies by Market Cap. Recuperado em 28, maio, 2017, de http://www.visualcapitalist.com/chart-largest-companies-market-cap-15-years/.

Publicado
14-12-2018
Como Citar
Gouveia, V. A. L., Silva, T. G., Szuster, N., & Szuster, F. (2018). Disclosure Frente à Crescente Intangibilização das Empresas: Valor Contábil x Valor de Mercado. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 12(4). https://doi.org/10.17524/repec.v12i4.1931
Seção
Artigos