O Que me Ensina a Ensinar? Um Estudo Sobre Fatores Explicativos das Práticas Pedagógicas no Ensino de Contabilidade

  • Uilcleides Braga da Silva Universidade Federal da Bahia Faculdade Maria Milza
  • Adriano Leal Bruni Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Práticas Pedagógicas, Ensino em Contabilidade, Ensino ativo

Resumo

Este artigo identificou as práticas pedagógicas de 164 professores de Ciências Contábeis do Estado da Bahia, segregadas em ativas ou passivas, com maior ou menor participação discente, respectivamente. Aspectos como tipo de instituição de ensino, modalidade do ensino, experiência e capacitação pedagógica do docente, conteúdo programático, quantidade de alunos e avanço no curso foram posteriormente empregadas como possíveis variáveis explicativas das práticas. O diagnóstico construído com estatísticas descritivas e testes de Mann-Whitney revelou um ensino essencialmente passivo, com reduzida participação do discente. As variáveis independentes não foram capazes de explicar as práticas pedagógicas. Contradições foram encontradas no uso de práticas que caracterizam um ensino ativo como seminários, debates e discussão de casos por professores com marcantes características de ensino passivo, o que pode indicar um uso incompleto ou inadequado dessas práticas, que poderiam estar em uso de modo essencialmente passivo, comprometendo a eficácia da aprendizagem.

Referências

Black, W. H. (2012). The Activities of the Pathways Commission and the Historical Context for Changes in Accounting Education. Issues in Accounting Education, 27(3), pp. 601-625. doi: 10.2308/iace-50091.

Coetzee, S. A. & Schmulian, A. (2012). A Critical Analysis of the Pedagogical Approach Employed in an Introductory Course to IFRS. Issues in Accounting Education, 27(1), pp. 83-100. doi: 10.2308/iace-10220.

Cunningham, Billie M. (2011). Introductory Accounting as Theater: A Look Behind the Scenes of Large-Lecture Production. Issues in Accounting Education, 26(4), pp. 815–833. doi: http://dx.doi.org/10.2308/iace-50069

Dellaportas, S. & Hassall, T. (2013). Experiential learning in accounting education: A prison visit. The British Accounting Review, 45(1), pp. 24-36. doi: 10.1016/j.bar.2012.12.005.

Freire, P. (1987). Pedagogia do oprimido (17ª ed). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Killian, L. J.; Huber, M. M & Brandon, C. D. (2012). The Financial Statement Interview: Intentional Learning in the First Accounting Course. Issues in Accounting Education, 27 (1), pp. 337–360. doi: 10.2308/iace-10220.

Kosová, B. (2014). Contemporary dilemmas in university and academic education: a central european perspective. Human Affairs, 24, pp. 68–77. doi: http://dx.doi.org/10.2478/s13374-014-0206-0

Magalhães, F. A. S; Santos, R. C. & Costa, F. M. (2010). IAS 36 – Redução ao valor recuperável de ativos. Ernst& Young. Fipecafi. Manual de normas internacionais de Contabilidade (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Maringe, F. & Sing, N. (2014). Teaching large classes in an increasingly internationalising higher education environment: pedagogical, quality and equity issues. Higher Education, 67(6), pp. 761-782. doi: http://dx.doi.org/10.1007/s10734-013-9710-0

Marion, J. C.; Garcia, E. & Cordeiro, M. (1999). Discussão sobre metodologias de ensino aplicáveis à contabilidade. Contabilidade Vista e Revista, 10 (1), pp. 28-33.

Martins, O. S.; Vasconcelos, A. F.& Monte, P. A. (2009). IES Pública X IES Privada: Uma Investigação Sobre o Mito da Influência do Tipo de IES na Atuação Profissional do Contador. Contabilidade Vista & Revista, 20 (2), 39-64.

Masetto, M. T. (2009). Formação Pedagógica dos Docentes do Ensino Superior. Revista Brasileira de Docência, Ensino e Pesquisa em Administração, 1(2), pp. 04-25.

Miranda, G. J.; Casa Nova, S. P. C. & Cornacchione Junior, E. B. (2012). Os saberes dos professores-referência no ensino de Contabilidade. Revista de Contabilidade e Finanças, 23(59), pp. 142-153. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-70772012000200006

Nóvoa, A. (2009) Para uma formação de professores construída dentro da profissão. Educación. 350, pp. 203-18.

Oliveira, C. B. (2009). Uma análise das evidências da aplicação do proceder sóciointeracionista de Vygotsky nos cursos de graduação de Ciências Contábeis, nos Estados da Paraíba e Pernambuco. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Peléias, I. R.; Petrucci, V.B.C.; Garcia, M.N. & Silva, Dirceu. (2008). Pesquisa sobre a percepção dos alunos do 1º ano de Ciências Contábeis na cidade de São Paulo em relação às dificuldades por eles percebidas no período noturno. Revista Universo Contábil, 4(1), pp. 81-94.

Pereira, E. M.; Niyama, J. K. & Freire, F. S. (2012). Uma análise a luz das teorias da educação de Paulo Freire e Libaneo nas Instituições de Ensino do Distrito Federal. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade. São Paulo, SP, Brasil, 12.

Petrucci, V. B. C.I & Batiston, R. R. (2006). Estratégias de ensino e avaliação de aprendizagem em Contabilidade. Peléias, Ivan Ricardo (Org.). Didática do ensino da Contabilidade. São Paulo: Saraiva.

Premuroso, R. F.; Tong, L. & Beed, T. K. (2011). Does Using Clickers in the Classroom Matterto Student Performance and Satisfaction When Taking the Introductory FinancialAccounting Course? Issues in Accounting Education, 26(4), pp. 701-723, doi: http://dx.doi.org/10.2308/iace-50069

Silva, F. L. (2001). Reflexões sobre o conceito e a função da universidade pública. Estudos avançados, 15(42), pp. 295-304. doi: 10.1590/S0103-40142001000200015.

Silva, U. B.; Bruni, A.L. & Baqueiro, A.G.M. (2013) Concepções Pedagógicas e mudanças nas Práticas Contábeis: um estudo sobre o Modelo Educacional adotado em uma universidade pública e a formação crítico-reflexiva do Contador. Anais do Congresso Anpcont, Fortaleza, CE, Brasil, 7.

Silva, U. B. (2014). Aprenda o que eu ensino, mas não ensine o que eu aprendo: percepções e constatações no ensino de contabilidade da Bahia. Dissertação de mestrado, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Slomski, V. G. (2007). Saberes e competências do professor universitário: contribuições para o estudo da prática pedagógica do professor de Ciências Contábeis do Brasil. Revista de Contabilidade e Organizações, 1(1), p. 89.

Slomski, V. G. & Martins, G. A. (2008). O conceito de professor investigador: os saberes e as competências necessárias à docência reflexiva na área contábil. Revista Universo Contábil, 4(4), pp. 06-21.

Stanley, T. & Marsden, S. (2012). Problem-based learning: Does accounting education need it?. Journal of Accounting. Education, 30(2), pp. 267-289. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.jaccedu.2012.08.010

Tozetto, S. S.& Gomes, T.S. (2009). A prática pedagógica na formação docente. Revista Reflexão e Ação. 17(2).

Veiga, I. P.A. (2008) A prática pedagógica do professor de didática (11ª ed.). Campinas: Papirus.

Zanon, D. P. & Althaus, M. T. M. (2010). Possibilidades didáticas do trabalho com o seminário na aula universitária. Anais do Encontro de Pesquisa em Educação da Região Sul – Anpedsul. Londrina, PR, Brasil, 8.

Publicado
25-05-2017
Como Citar
Silva, U. B. da, & Bruni, A. L. (2017). O Que me Ensina a Ensinar? Um Estudo Sobre Fatores Explicativos das Práticas Pedagógicas no Ensino de Contabilidade. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 11(2). https://doi.org/10.17524/repec.v11i2.1531
Seção
Artigos