Os impactos da adoção de metodologias ativas no desempenho dos discentes do curso de ciências contábeis de instituição de ensino superior mineira

  • Cicero Jose Oliveira Guerra Professor da Faculdade de Ciências Gerenciais de Manhuaçu – FACIG
  • Aridelmo José Campanharo Teixeira Professor na Fucdpe Business School
Palavras-chave: Metodologias ativas, Curso de Ciências Contábeis, Desempenho dos discentes.

Resumo

Uma reformulação na educação tem sido discutida pela comunidade científica com a finalidade de atender a novos objetivos nos processos de aprendizagem. É um desafio para universidades modificar o seu papel social, agregando novas metodologias de ensino nos seus programas de graduação para se inserirem neste contexto atual. A motivação deste estudo é verificar se a adoção de metodologias ativas de ensino no Curso de Ciências Contábeis de uma Instituição de Ensino Superior privada, situada na região da Zona da Mata mineira, contribuiu para o desempenho dos seus discentes, sendo caracterizado como desempenho, nesta pesquisa, a melhoria das notas dos estudantes. As metodologias ativas, atendendo a essa reformulação educacional, estão preocupadas em formar um estudante crítico capaz de atuar no mercado atual, de constantes mudanças. O período de estudo compreende os anos entre 2011 e 2014. Buscou-se responder à seguinte questão: há impacto no desempenho dos discentes do curso de Ciências Contábeis após a implantação de metodologias ativas na IES pesquisada? Para testar a hipótese proposta, utilizou-se o teste de médias T student e métodos de regressão. Os dados analisados foram coletados a partir de documentos cedidos pelos colaboradores da Instituição. Os resultados mostram que há evidências de que a utilização das metodologias ativas no Curso de Ciências Contábeis contribuíram para o desempenho dos estudantes, no período estudado.

Biografia do Autor

Cicero Jose Oliveira Guerra, Professor da Faculdade de Ciências Gerenciais de Manhuaçu – FACIG
Mestre em Ciências Contábeis pela Fucape Business School
Aridelmo José Campanharo Teixeira, Professor na Fucdpe Business School
Doutor em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo

Referências

Barbosa, E. F. & Moura, D. G. (2014). Metodologias ativas de aprendizagem no ensino de engenharia. Anais International Conference on Engineering and Technology Education, Cairo, Egito, 13.

Berbel, N. A. N. (2011). As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, 32(1), pp. 25-40. doi: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2011v32n1p25

Bonwell, C. C. & Eison, J. A. (1991). Active learning: creating excitement in the classroom. ASHE-ERIC higher education reports. ERIC Clearinghouse on Higher Education, The George Washington University, Washington, DC.

Bzuneck, J. A. (2005). A motivação dos alunos em cursos superiores. In: Joly, M. C. R. A., Santos, A. A. A. & Sisto, F. F. (Orgs.). Questões do cotidiano universitário. São Paulo: Casa do Psicólogo, pp. 217-237.

Cornachione Junior. E. B.; Cunha, J.V.A. da; De Luca, M.M.M. & Ott, E. (2010). O bom é meu, o ruim é seu: perspectivas da teoria da atribuição sobre o desempenho acadêmico de alunos da graduação em Ciências Contábeis. Revista Contabilidade e Finanças, 21(53), pp. 1-24. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-70772010000200004

Cyrilo, E. G. & Toralles-Pereira, M. L. (2004). Trabalhando com estratégias de ensino-aprendizado por descoberta na área da saúde: a problematização e a aprendizagem baseada em problemas. Caderno de Saúde Pública, 20(3), pp. 780-788. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000300015

Dancey, C. P. & Reidy, J. (2006). Estatística sem matemática: para psicologia usando SPSS para Windows. Porto Alegre: Artmed.

Freire, P. (1996). Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra.

Gasque, K. C. G. D. (2008). O papel da experiência na aprendizagem: perspectivas na busca e no uso da informação. TransInformação, Campinas, 20(2), pp. 149-158. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-37862008000200003

Glewwe, P. W., Hanushek, E.A.; Humpage, S.D. & Ravina, R. (2011). School resources and educational outcomes in developing countries: a review of the literature from 1990 to 2010. National Bureau of Economic Research.

Goñi Zabala, J. M. (2006). El espacio europeo de educación superior, un reto para la universidad. Revista Interuniversitaria de Formación del Profesorado, 20(3), pp. 323-324.

Guimarães, S. E. R. (2003). Avaliação do estilo motivacional do professor: adaptação e validação de um instrumento. Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Gwee, M. C.-E. (2009). Problem-based learning: a strategic learning systhemdesign for the education of healthcare professionals in the 21ST Century. The Kaohsiung Journal of Medical Sciences, 25(5), pp. 231-239. doi: 10.1016/S1607-551X(09)70067-1.

Heagy, C. & Lehmann C. (2005). Is PBL an improved delivery method for the accounting curriculum? In: Schwartz, B. & Ketz, J. (Eds.). Advances in accounting education teaching and curriculum innovations. London: Elsevier. pp. 221-251.

Lapina, G. & Slaidins, I. (2014). Teaching open innovation at the universities in Latvia. Journal of Business Management, (8), pp. 198-207.

Madruga, A. et al. (1996). Aprendizagem pela descoberta frente à aprendizagem pela recepção: a teoria da aprendizagem verbal significativa. In: Coll, C., Palácios, J. & Marchesi, A. (Orgs.). Desenvolvimento psicológico e educação. Porto Alegre: Artes Médicas. pp. 68-78.

Mainardes, E. W. & Domingues, M. J. C. S. (2010). Atração de alunos para a graduação em Administração em Joinville–SC: estudo multicaso sobre os fatores relacionados ao mercado de trabalho. FACEF Pesquisa-Desenvolvimento e Gestão, 13(1), pp. 32-47.

Mamede, S. P. N., Marques, A. V. C. & Rogers, P. (2015). Psychological determinants of academic achievement in accounting: evidence from Brazil. BBR – Brazilian Business Review, Vitória, 12(5), pp. 50-71. DOI: http://dx.doi.org/10.15728/bbrconf.2015.3

Meyers, C. & Jones, T. B. (1993). Promoting active learning: strategies for the college classroom. Jossey-Bass. Inc.

Miranda, G. J.; Lemos, K.C. S.; Oliveira, A.S. de & Ferreira, M. A. (2015). Determinantes do desempenho acadêmico na área de negócios. Revista Meta: Avaliação, 7(20), pp. 175-209.

Mitre, S. M.; Siqueira-Batista, R.; Girardi-de-Mendonça, J.M.; Moaris-Pinto, N.M. de; Meirelles, C.A.B.; Pinto-Porto, C.; Moreira, T. & Hoffmann, L.M.A. (2008). Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciência & Saúde Coletiva, 13(2), pp. 2133-2144. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232008000900018.

Neves Junior, I. J. & Rocha, H. M. (2010). Metodologias de ensino em Contabilidade: uma análise sob a ótica dos estilos de aprendizagem. Anais Encontro da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 34.

Nihalani, M. & Shah, S. (2012). Stress free environment in classroom: impact of humor in student satisfaction. Recuperado em 20 junho, 2014, de .

Ruiz, V. M. (2005). Aprendizagem em universitários: variáveis motivacionais. Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica, Campinas, SP, Brasil.

Setton, M. G. J. (1999). A divisão interna do campo universitário: uma tentativa de classificação. Revista brasileira de estudos pedagógicos, 80(196), pp. 451-471.

Silberman, M. (1996). Active learning: 101 strategies to teach any subject. Boston: Prentice-Hall.

Silva Souza, C., Iglesias, A. G. & Pazin-Filho, A. (2014). Estratégias inovadoras para métodos de ensino tradicionais–aspectos gerais. Medicina (Ribeirao Preto. Online), 47(3), pp. 284-292.

Soares, M. A. (2008). Aplicação do método de ensino problem based learning (PBL) no curso de ciências contábeis: um estudo empírico. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Soares, M. A., Araújo, A. M. P. & Leal, E. (2008). A. Evidências empíricas da aplicação do método Problem-Based Learning (PBL) na disciplina de contabilidade intermediária do curso de Ciências Contábeis. Anaias do Encontro da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 32.

Souza, R. R. (2000). Aprendizagem colaborativa em comunidades virtuais. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Stanley, T. A. & Marsden, S. J. (2012). Problem-based learning: does accounting education need it? Journal of Accounting Education, 30(3-4), pp. 267–289. doi:10.1016/j.jaccedu.2012.08.005

Sthem Brasil (2015). O consórcio. Recuperado 7 setembro, 2015 de .

Wall, M. L., Prado, M. L. & Carraro, T. E. (2008). A experiência de realizar um estágio docência aplicando metodologias ativas. Acta Paul Enferm, 21(3), pp. 515-9. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002008000300022

Weiner, B. (1982). An attributional approach for educational psychology. Review of research in education, 4(1), pp. 179-209. doi:10.3102/0091732X004001179

Zenorini, R. P. C. & Santos, A. A. A. (2003). A motivação e a utilização de estratégias de aprendizagem em universitários. In: Mercuri, E. & Polydoro, S. A. J. (Orgs.). Estudante universitário: característica e experiências de formação. Taubaté: Cabral Editora e Livraria Universitária.

Zenorini, R. P. C., Santos, A. A. A. & Monteiro, R. M. (2011). Motivação para aprender: relação com o desempenho de estudantes. Paidéia, 21(49), pp. 157-164. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2011000200003

Publicado
11-10-2016
Como Citar
Guerra, C. J. O., & Teixeira, A. J. C. (2016). Os impactos da adoção de metodologias ativas no desempenho dos discentes do curso de ciências contábeis de instituição de ensino superior mineira. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 10(4). https://doi.org/10.17524/repec.v10i4.1437
Seção
Artigos