Influências da socialização acadêmica no desenvolvimento das publicações científicas em contabilidade no Brasil: uma análise dos programas de pós-graduação stricto sensu

  • Flaviano Costa Professor do Departamento de Contabilidade na Universidade Federal do Paraná - UFPR
  • Gilberto de Andrade Martins Professor Titular do Departamento de Contabilidade na FEA/USP
Palavras-chave: Contabilidade Ensino e Pesquisa, Produção Científica, Socialização Acadêmica

Resumo

A presente investigação dedicou-se a responder a seguinte questão de pesquisa: quais as influências da socialização acadêmica, promovida pelos cursos de pós-graduação stricto sensu da área contábil no Brasil, no desenvolvimento da produção científica do campo? Para tanto, foi realizada entrevista com 9 agentes do campo científico contábil, sendo 8 doutores e 1 pós-doutor em contabilidade, de diversas regiões do Brasil e vinculados a diferentes PPG, no período de 2014 a 2015. Para tratamento dos dados foi utilizada a análise de conteúdo das entrevistas. Diante dessa problemática, os entrevistados defenderam que a maior parte dos PPG utiliza como critério de avaliação nas disciplinas, a publicação de um manuscrito ou artigo, no qual exista a participação do docente, ao menos na coautoria, visto que esse é um dos critérios avaliativos para que os PPG continuem credenciados e recomendados pela CAPES. Também foi evidenciado que o aluno é preparado para atender a qualidade formal nas publicações, deixando em segundo plano a qualidade política de criticar, debater e se opor, por meio da argumentação científica, às temáticas já consagradas como verdades quase inquestionáveis no campo contábil.

Biografia do Autor

Flaviano Costa, Professor do Departamento de Contabilidade na Universidade Federal do Paraná - UFPR
Doutor em Controladoria e Contabilidade pela FEA/USP
Gilberto de Andrade Martins, Professor Titular do Departamento de Contabilidade na FEA/USP
Doutor em Administração pela FEA/USP

Referências

Alcadipani, R. (2011). Resistir ao produtivismo: uma ode à perturbação acadêmica. Caderno EBAPE.BR, 9(4), opinião 3, pp. 1174-1178. http://dx.doi.org/10.1590/S1679- 39512011000400015.

Andrade, J. X. (2011). Má conduta na pesquisa em Ciências Contábeis. Tese de Doutorado em Ciências Contábeis, Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil.

Baggs, J. G. (2008). Issues and rules for authors concerning authorship versus acknowledgements, dual publication, self plagiarism and salami publishing [Editorial]. Research in Nursing & Health, 31, pp. 295-297. doi: 10.1002/nur.20280.

Bardin, L. (2009). Análise de Conteúdo. 4ª ed. Lisboa: Edições 70.

Berger, P. L., & Luckmann, T. (2008). A construção social da realidade. 28ª ed. Petrópolis: Vozes.

Bertero, C. O., Caldas, M. P., & Wood Jr., T. (1999). Produção científica em administração de empresas: provocações, insinuações e contribuições para um debate local. RAC - Revista de Administração Contemporânea, 3(1), pp. 147-178. http://dx.doi.org/10.1590 /S1415-65551999000100009.

Bianchi, A. (2014). Avaliação acadêmica: muito além do jardim. Blog Convergência. Recuperado em 19 março, 2014, de <http://blogconvergencia.org/blogconvergencia/?p= 1915>.

Bourdieu, P. (2004). Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Editora Unesp.

Broome, M. E. (2004). Self-plagiarism: Oxymoron, fair use, or scientific misconduct? [Editorial]. Nursing Outlook, 52(6), pp. 273-274. http://dx.doi.org/10.1016/j.outlook. 2004.10.001

Camí, J. (1997). Impactolatría: diagnóstico y tratamiento. Medicina Clínica, 109(13), pp. 515-524.

CAPES (2004). Portaria nº 068, de 03 de agosto de 2004. Brasília.

CAPES. (2016). Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Recuperado em 7 junho, 2016 de http://www.capes.gov.br/.

Castiel, L. D., & Sanz-Valero, J. (2007). Entre fetichismo e sobrevivência: o artigo científico é uma mercadoria acadêmica? Caderno de Saúde Pública, 23(12), pp. 3041-3050. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007001200026.

Chow, C. W., & Harrison, P. D. (1998). Factors contributing to success in research and publications: insights of 'influential' accounting authors. Journal of Accounting Education, 16, pp. 463-472. doi:10.1016/S0748-5751(98)00030-X.

Chow, C. W., & Harrison, P. D. (2002). Identifying meaningful and significant topics for research and publication: a sharing of experiences and insights by 'influential' accounting authors. Journal of Accounting Education, 20, pp. 183-203. doi:10.1016/S0748-5751(02)00008-8.

Cunha, J. V. A. (2007). Doutores de Ciências Contábeis da FEA/USP: Análise sob a Óptica da Teoria do Capital Humano. Tese de Doutorado em Ciências Contábeis, Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil.

Costa, F. (2016). A presença do homo academicus na contabilidade: um olhar bourdieusiano sobre o contexto social do desenvolvimento da produção científica contábil brasileira. Tese de Doutorado em Ciências Contábeis, Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil.

Demo, P. (1995). Metodologia Científica em Ciências Sociais. 3ª. ed. São Paulo: Atlas.

Domingues, I. (2014). O sistema de comunicação da ciência e o taylorismo acadêmico: questionamentos e alternativas. Estudos Avançados, 28(81), pp. 225-250. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142014000300014.

Duarte Jr., J. F. (2008). O que é realidade? São Paulo: Brasiliense.

Harzing, A-W. (2005). Australian Research Output in Economics & Business: high volume, low impact? The Australian Journal of Management, 30(2), pp. 183-200.

Lei n. 5.540, de 28 de novembro de 1968 (1968). Fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média, e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado em 17 junho, 2016, de http://www.planalto.gov. br/ ccivil_03/leis/L5540.htm

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (1996). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF. Recuperado em 17 junho, 2016, de http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/leis/L9394.htm

Lowe, N. K. (2003). Publication ethics: copyright and self-plagiarism [Editorial]. Journal of Obstetric, Gynecologic and Neonatal Nursing, 32(2), pp. 145-146. doi: 10.1111/j.1552-6909.2003.tb00137.x.

Martins, G. A. (2007). Avaliação das avaliações de textos científicos sobre contabilidade e controladoria. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 1(1), pp. 1-13. http://dx.doi.org/10.17524/repec.v1i1.1.

Martins, G. A., & Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da Investigação Científica para Ciências Sociais Aplicadas. 2ª ed. São Paulo: Atlas.

Martins, O. S., & Lucena, W. G. L. (2014). Produtivismo acadêmico: as práticas dos docentes dos Programas de Pós-Graduação em Contabilidade. Advances in Scientific and Applied Accounting, 7(1), pp. 66-96. http://dx.doi.org/10.14392/asaa.v7i1.123.

McKneally, M. (2006). Put my name in that paper: Reflections on the ethics of authorship [Editorial]. The Journal of Thoracic and Cardiovascular Surgery, 131(3), pp. 517-519. http://dx.doi.org/10.1016/j.jtcvs.2005.09.060.

Moizer, P. (2009). Publishing in accounting journals: A fair game? Accounting, Organizations and Society, 34(2), pp. 285-304. doi:10.1016/j.aos.2008.08.003.

Peleias, I. R., Silva, G. P., Segreti, J. B., & Chirotto, A. R. (2007). Evolução do ensino da contabilidade no Brasil: Uma análise histórica. Revista Contabilidade & Finanças, Edição 30 anos de Doutorado, pp. 19-32. doi: 10.1590/S1519-70772007000300003.

Reinach, F. (27 de abril de 2013). Darwin e a prática da 'Salami Science'. O Estado de São Paulo. Recuperado em 5 fevereiro, 2014 de <http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,darwin-e-a-pratica-da-salami-science,1026037,0.htm>.

Righetti, S. (22 de abril de 2013). Brasil cresce em produção científica, mas índice de qualidade cai. Folha de São Paulo. Recuperado em 5 fevereiro, 2014 de <http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/ 2013/04/1266521-brasil-cresce-em-producao-cientifica-mas-indice-de-qualidade-cai.shtml>.

Samuelson, P. (Agosto de 1994). Self-plagiarism or fair use? Communications of the ACM, 37(8), pp. 21-25.

Schekman, R. (9 de dezembro de 2013). How journals like Nature, Cell and Science are damaging science. The Guardian. Recuperado em 10 março, 2014, de <http://www.theguardian.com/ commentisfree/2013/dec/09/how-journals-nature-science-cell-damage-science>.

Souza, T. A. S. (2007). O inato e o apreendido: A noção de habitus na sociologia de Pierre Bourdieu. Dissertação de Mestrado em Sociologia da Universidade de Brasília. Brasília,DF, Brasil.

Theóphilo, C. R. (2000). Uma Abordagem Epistemológica da Pesquisa em Contabilidade. Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis, Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil.

Theóphilo, C. R. (2004). Pesquisa em Contabilidade no Brasil: Uma Análise Crítico-Epistemológica. Tese de Doutorado em Ciências Contábeis, Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil.

Thomaz, P. G., & Muramoto, G. (2012). Avaliação da qualidade da produção científica brasileira: Devemos criar uma política de cotas? [Carta ao Editor]. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, 39(2), pp. 168-170. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-69912012000200017.

Trigueiro, M. G. S. (2001). A formação de cientistas: necessidades e soluções. In M. Baumgarten [organizadora]. A era do conhecimento: Matrix ou Ágora? (pp. 61-70). Porto Alegre / Brasília: Editora da Universidade UFRGS / Editora UnB.

Wood Jr., T. (31 de janeiro de 2014). A favor da sociedade: As instituições de ensino e pesquisa deveriam orientar mais explicitamente suas ações e políticas, de modo a gerar benefícios tangíveis. Revista Carta Capital. Recuperado em 5 fevereiro, 2014, de < http://www.cartacapital.com.br /revista/784/a-favor-da-sociedade-1229.html>.

Wood Jr., T. (24 de maio de 2016). Produtivismo e alienação. Revista Carta Capital. Recuperado em 17 junho, 2016 de < http://www.cartacapital.com.br/revista/901/produtivismo-e-alienacao>. Acesso em: 17. jun. 2016.

Wreszinsky, W. F. (Outubro de 2012). O mito da excelência acadêmica e a curiosidade científica. Jornal da USP, pp. 12-13.

Yamamoto, O. H., Tourinho, E. Z., Bastos, A. V. B., & Menandro, P. R. M. (2012). Produção científica e "produtivismo": há alguma luz no final do túnel? RBPG - Revista Brasileira de Pós-Graduação, 9(18), pp 727-750.

Zago, M. A. (2011). Perfil da produção científica brasileira. In Mesa de Discussão Tecnológica. São Paulo: FAPESP. Recuperado em 5 fevereiro, 2014, de <http://www.fapesp.br/eventos /2011/06/Marco_Antonio.pdf>.

Publicado
02-08-2016
Como Citar
Costa, F., & Martins, G. de A. (2016). Influências da socialização acadêmica no desenvolvimento das publicações científicas em contabilidade no Brasil: uma análise dos programas de pós-graduação stricto sensu. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 10(3). https://doi.org/10.17524/repec.v10i3.1393
Seção
Artigos