INVESTIMENTOS SOCIOAMBIENTAIS: UMA ANÁLISE DAS ORGANIZAÇÕES DE SETORES DE DIFERENTES IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS

  • Nverson da Cruz Oliveira Faculdade Anísio Teixeira
  • Neylane dos Santos Oliveira Faculdade Anísio Teixeira
  • Sonia Maria da Silva Gomes Professora da Universidade Federal da Bahia (UFBA)
  • José Maria Dias Filho Professor-Adjunto da Universidade Federal da Bahia (UFBA).
  • Mirian Gomes Conceição Professora da Faculdade Anísio Teixeira.
Palavras-chave: Teoria da Legitimidade. Investimentos Socioambientais. Balanço Social.

Resumo

Este estudo teve como objetivo verificar se existe diferença significativa entre os indicadores de investimentos socioambientais gerados por organizações de setores de diferentes impactos socioambientais. A expectativa inicial era que organizações de setores distintos que geram impactos com potenciais diferenciados se comportassem de maneira diferenciada com relação ao nível de investimento realizado em ações socioambientais. Essa foi a hipótese geral sob a qual se realizou este estudo. Para alcançar esse objetivo, realizou-se uma pesquisa descritiva e documental, por meio dos Balanços Sociais de 68 empresas, que o publicaram no modelo Ibase, em 2011, a fim de identificar os investimentos sociais e ambientais. Os dados foram analisados mediante dois testes estatísticos – o teste t e o teste Kruskal Wallis. Os resultados apontaram para a inexistência de diferença significativa entre o nível de investimentos ambientais para empresas consideradas como potencialmente poluidoras e potencialmente não poluidoras, classificadas de acordo com a Lei n.º 10.165 (2000). Quanto aos investimentos sociais (internos e externos), também não foram identificadas diferenças significativas entre empresas de setores distintos. Esses resultados não podem ser explicados pela Teoria da Legitimidade e não corroboram com estudos anteriores.

Biografia do Autor

Nverson da Cruz Oliveira, Faculdade Anísio Teixeira
Mestrando em Contabilidade pela Universidade Federal da Bahia (UFBA)
Neylane dos Santos Oliveira, Faculdade Anísio Teixeira
Mestrando em Contabilidade pela Universidade Federal da Bahia (UFBA)
Sonia Maria da Silva Gomes, Professora da Universidade Federal da Bahia (UFBA)
Doutora em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
José Maria Dias Filho, Professor-Adjunto da Universidade Federal da Bahia (UFBA).
Doutor em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo (USP)
Mirian Gomes Conceição, Professora da Faculdade Anísio Teixeira.
Mestre em Contabilidade pela Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Referências

Brammer, S., Brooks, C. & Pavelin, S. (2006). Corporate social performance and stock returns: UK evidence from disaggregate measures. Financial Management, 35(3), pp. 97-116.

Bruni, A.L. (2010). PASW Aplicada à Pesquisa Acadêmica. 2 ed. São Paulo: Atlas.

Chen, J.C. & Roberts, R.W. (2010). Toward a More Coherent Understanding of the Organization–Society Relationship: A Theoretical Consideration for Social and Environmental Accounting Research. Journal of Business Ethics, 97, pp. 651–665.

Crisóstomo, V.L., Souza, J.L. & Parente, P.H.N. (2012). Possível efeito regulatório na responsabilidade socioambiental da empresa brasileira em função da Lei n.º 10.165/2000. Revista de Gestão Social e Ambiental, 6(3), pp. 154-167.

Deegan, C. (2002). The legitimizing effect of social and environmental disclosure: a theorical foundation. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 15(3), pp. 282-311.

Deegan, C., Rankin, M. & Tobin, J. (2002). An examination of the corporate social and environmental disclosure of BHP from 1983-1997: test of legitimacy theory. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 15(3), pp. 12-343.

Dias Filho, J.M. (2009). Novos Delineamentos Teóricos em Contabilidade. In: Ribeiro Filho, J.F, Lopes,J. & Pederneiras,M. Estudando Teoria da Contabilidade. São Paulo:Atlas.

Fujii, H., Iwata, Kazuyuki, Kaneko, S. & Managi, S. (2013) Corporate Environmental and Economic Performance of Japanese Manufacturing Firms: Empirical Study for Sustainable Development. Business Strategy and the Environment, 22(3), pp.187–201. doi: 10.1002/bse.1747.

Hartman, L. P., Rubin, R. S. & Dhanda, K. K. (2007). The Communication of Corporate Social Responsibility: United States and European Union Multinational Corporations. Journal of Business Ethics, 74, 373–389. doi: 10.1007/s10551-007-9513-2.

Hassan A, Ibrahim E. (2012). Corporate environmental information disclosure: factors influencing companies’ success in attaining environmental awards. Corporate Social Responsibility and Environmental Management, 19(1), pp. 32–46.

INSTITUTO Brasileiro de Análise Sociais e Econômicas (Ibase). www. Ibase.br. Recuperado em 15 janeiro, 2013, de http://www.ibase.br/pt/

Islam, M. A. & Deegan, C. (2008). Motivations for an organisation within a developing country to report social responsibility information: evidence from Bangladesh. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 21(6), pp. 850-868.

Kitahara, J. R.(2007). Responsabilidade Social e desempenho financeiro de empresas: Um estudo empírico utilizando o Balanço Social padrão Ibase. Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. Recuperado em 15 janeiro, 2013, de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-21082007-154003/pt-br.php.

Kong, D., Liu, S. & Dai,Y. (2012). Environmental Policy, Company Environment Protection, and Stock Market Performance: Evidence from China. Corporate Social Responsibility and Environmental Management. DOI: 10.1002/csr.1306.

Lei n. 9.638, de 31 de agosto de 1981. (1981). Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Diário Oficial da União, edição extra, Poder Executivo, Brasília, DF, 02 setembro 1981.

Lei n. 10.165, de 27 de dezembro de 2000. (2000). Altera a Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Diário Oficial da União, edição extra, Poder Executivo, Brasília, DF, 28 dezembro 2000.

Lopes, Alexsandro Broedel. (2004). Aspectos Fundamentais da Linha de Pesquisa em Administração Estratégica do Mestrado Profissionalizante em Ciências Contábeis da FUCAPE. Trabalho preparado para aula inaugural da linha de administração estratégica do Mestrado Profissionalizante em Ciências Contábeis da Fundação Instituto capixaba de Pesquisa em Contabilidade, Economia e Finanças – FUCAPE. Vitória, ES, Brasil.

Machado, M.R., Machado, M.A. V. & Santos, A. (2010). A relação entre setor econômico e investimentos sociais e ambientais. Contabilidade, Gestão e Governança,13(3), pp.102 – 115.

Machado, M.R., Machado, M. A. V. & Murcia, F. D. R. (2011). Em busca da Legitimidade Social: Relação entre o impacto ambiental da atividade econômica das empresas brasileiras e os investimentos no meio ambiente. Revista Universo Contábil, 7(1), pp. 20-35.

Machado, R. T. M., Bernardo, D. C. R., Pereira, N. C., Pessanha, G. R. G. (2006). Investimentos ambientais e sociais externos: um estudo comparativo das companhias de capital aberto no Brasil. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Salvador, BA, 30

Martins, G. A. (2000). Manual para elaboração de monografias e dissertações. 2. ed.. São Paulo: Atlas.

Nichols, A. (2010).The Legitimacy of Social Entrepreneurship: Reflexive Isomorphism in a Pre-Paradigmatic Field. Entrepreneurship Theory and Practice, 1042(2587), pp. 611-633.

Ott, E., Alves, T. W., & Flores, G. S. da S. (2009) Investimentos ambientais e o desempenho econômico das empresas: um estudo utilizando dados em painel. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, São Paulo, SP, 33.

Pellegrino, C. & Lodhia, S. (2012). Climate change accounting and the Australian mining industry: exploring the links between corporate disclosure and the generation of legitimacy. Journal of Cleaner Production, 36, pp. 68-82.

Pereira, A. G.,Bruni, A. L. & Dias Filho, J. M. (2010). Legitimidade Corporativa em Empresas Pertencentes a Indústrias Ambientalmente Sensíveis: um Estudo Empírico com Empresas que negociam ações na Bovespa. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 5(2), pp.69-86.

Rezende, A.J., Dalmácio, F.Z. & Ribeiro, M.S. (2012). Práticas de governança ambiental corporativa: uma análise das relações estruturais. Anais do Congresso Anpcont. Florianópolis, SC, Brasil, 6.

Rizk, R., Dixon, R. & Woodhead, A. (2008). Corporate social and environmental reporting: a survey of disclosure practices in Egypt. Social Responsibility Journal, 4(3), pp. 306-323.

Rover S., Murcia F.D., Borba, J.A. & Vicente, E.F.R. (2008). Divulgação de informações ambientais das demonstrações contábeis: um estudo exploratório sobre o disclosure das empresas brasileiras pertencentes a setores de alto impacto. Revista de Contabilidade e Organizações, 3(2), pp. 53-72.

Santana, N. B., Périco, A. E. & Rebelatto, D. A. do N. (2006). Investimento em Responsabilidade Sócio-ambiental de empresas distribuidoras de energia elétrica: uma análise por envoltória de dados. Revista Gestão Industrial, 2(4), pp.124-139.

Suchman, M.C. (1995). Managing legitimacy: strategic and institutional approaches. The Academy of Management Review, 20(3), pp. 571-610.

Kilian, T. & Hennigs, N. (2014). Corporate social responsibility and environmental reporting in controversial industries. European Business Review, 26(1), pp. 79-101.

Publicado
21-05-2014
Como Citar
Oliveira, N. da C., Oliveira, N. dos S., Gomes, S. M. da S., Dias Filho, J. M., & Conceição, M. G. (2014). INVESTIMENTOS SOCIOAMBIENTAIS: UMA ANÁLISE DAS ORGANIZAÇÕES DE SETORES DE DIFERENTES IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 8(2). https://doi.org/10.17524/repec.v8i2.995
Seção
Artigos