CARACTERIZAÇÃO PROPOSTA PARA O COMITÊ DE AUDITORIA NO CÓDIGO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DO BRASIL E DE OUTROS PAÍSES

  • Ilse Maria Beuren Professora da Universidade Federal do Paraná – UFPR
  • Simone Nass Universidade Regional de Blumenau - FURB
  • Viviane Theiss Universidade Regional de Blumenau - FURB
  • Paulo Roberto da Cunha Professor da Universidade Regional de Blumenau – FURB
Palavras-chave: Governança corporativa. Conselho de administração. Comitê de auditoria.

Resumo

A governança corporativa deve zelar pela transparência das informações contábeis apresentadas ao público. Nesse sentido, os códigos de governança corporativa propõem a criação do conselho de administração e como suporte o comitê de auditoria. Este estudo objetiva comparar a caracterização proposta para o comitê de auditoria no código de governança corporativa do Brasil e de outros países. Pesquisa de natureza qualitativa foi realizada por meio de análise de conteúdo dos códigos de governança corporativa de 17 países que reportam características do comitê de auditoria. Analisou-se também a aplicação do que é proposto ao comitê de auditoria no Brasil pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) em empresas catarinenses que possuem ações negociadas na Bovespa. Os resultados mostram semelhanças nos quesitos propostos ao comitê de auditoria entre os países analisados, particularmente na composição, qualificação dos membros e atribuições. No que concerne à implementação da proposição do comitê de auditoria em empresas catarinenses, observou-se que a maioria apresenta um conselho fiscal em vez do comitê de auditoria. Conclui-se que, apesar das semelhanças na caracterização dos comitês de auditoria identificadas nos códigos de governança corporativa, ainda são necessárias pesquisas para criar um padrão que possa ser proposto pelos órgãos reguladores às empresas.

Biografia do Autor

Ilse Maria Beuren, Professora da Universidade Federal do Paraná – UFPR
Doutora em Controladoria e Contabilidade (FEAUSP)
Simone Nass, Universidade Regional de Blumenau - FURB
Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Regional de Blumenau – FURB
Viviane Theiss, Universidade Regional de Blumenau - FURB
Mestre em Ciências Contábeis pela Universidade Regional de Blumenau - FURB
Paulo Roberto da Cunha, Professor da Universidade Regional de Blumenau – FURB
Doutor em Ciências Contábeis e Administração (FURB)

Referências

Blue Ribbon Committee. (1999). Reporting and recommendations of the Blue Ribbon Committee on improving the effectiveness of corporate audit committee. New York: New York Exchange and National Association of Securities Dealers.

Lei no. 6.404, de 15 de dezembro de 1976. Dispõe sobre as Sociedades por Ações. Recuperado em 03 janeiro, 2013 de http://www.portaldecontabilidade.com.br/legislacao/lei6404_1976.htm.

Bronson, S.N., Carcello, J.V., Hollingsworth, C.W., & Neal, T.L. (2009) Are fully independent audit committees really necessary? Journal of Accounting and Public Policy, 28(4), 265-280.

Carcello, J.V., Hermanson, D.R., & Neal, T.L. (2002). Disclosures in audit committee charters and reports. Accounting Horizons, 16(4), 291-304.

Carcello, J.V., & Neal, T.L. (2000). Audit Committee composition and auditor reporting. The Accounting Review, 75(4), 453-467.

Chan, A., Liu, G. & Sun, J. (2012). Independent audit committee members’ board tenure and audit fees. Paper 22. Canadá: Odette School of Business Publications.

Chatterjee, D. (2011). Audit committee observation/recommendations versus prectices as a compliance of corporate governance in Índia. DSLU Business & Economics Review, 20(2), 67-78.

Cipullo, E. (2006). Como implementar um comitê de auditoria: sua importância na governança corporativa. São Paulo: Trevisan.

Conselho Monetário Nacional (CMN). Resolução n° 3.198, de 27 de maio de 2004, altera e consolida a regulamentação relativa à prestação de serviços de auditoria independente para as instituições financeiras, demais instituições autorizadas a funcionar pelo BACEN e para as câmaras e prestadores de serviços de compensação e de liquidação. Recuperado em 03 janeiro, 2013 de https://www3.bcb.gov.br/normativo/detalharNormativo.do?N=104080599&method=detalharNormativo.

DeZoort, F.T., Hermanson, D.R., Archmbeault, D.S., & Scoot, A.R. (2002). Audit committee effectiveness: a synthesis of the empirical audit committee literature. Journal of Accounting Literature, 21(1), 38-75.

DeZoort, F.T., & Salterio, S.E. (2001). The effects of corporate governance experience and financial-reporting and audit knowledge on audit committee members' judgments. Auditing, 20(31), 18-49.

Engel, E., Hayes, R.M., & Wang, X. (2007). The Sarbanes-Oxley Act and firms’ going-private decisions. Journal of Accounting and Economics, 44 (1-2), 116-145.

European Corporate Governance Institute (ECGI). Index of codes. Recuperado em 03 janeiro, 2013 de http://www.ecgi.org/codes/all_codes.php.

Furuta, F. (2010). A relação das características das empresas com a adoção do Comitê de Auditoria X Conselho Fiscal adaptado. 2010. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis) –Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Gil, A.C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. (4. ed.) São Paulo: Atlas.

Guerra, S. (2009). Os papéis do Conselho de Administração em empresas listadas no Brasil. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC). (2007). Código das melhores práticas de governança corporativa. (4a reimpressão) São Paulo, SP: IBGC.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC). (2009). Guia de orientação para melhores práticas de comitês de auditoria. São Paulo: IBGC.

Lakatos, E.M., & Marconi, M.A. (2001). Fundamentos de metodologia científica. (4. ed.) São Paulo: Atlas.

McDaniel, L., Martin, R.D., Maines, L.A., & Peecher, M.E. (2002). Evaluating financial reporting quality: the effects of financial expertise vs financial literancy. The Accounting Review, 77(Suplement), 139-167.

Mustafa, S., & Youssef, N.B. (2010). Audit committee financial expertise and misappropriation of assets. Managerial Auditing Journal. 25(3), 208-225.

Niyama, J.K. (2005). Contabilidade internacional. São Paulo: Atlas.

Organisation for Economic Co-operation and Development (OECD). (2004). OECD Principles of Corporate Governance. Recuperado em 03 janeiro, 2013 de http://www.oecd.org/daf/corporateaffairs/corporategovernanceprinciples/31557724.pdf.

PricewaterhouseCoopers. (2007). Comitês de Auditoria no Brasil: melhores práticas de governança corporativa. (2. ed.) Recuperado em 12 setembro, 2010 de www.origin-pwc.pwc.com/br/pt/publicacoes/assets/melhores-praticas-07.pdf.

Public Company Accounting Oversight Board (PCAOB). (2013). About PCAOB. Recuperado em 10 maio, 2013 de http://pcaobus.org/About/Pages/default.aspx.

Richardson, R.J., & Peres, J.A.S. (1989). Pesquisa social: métodos e técnicas. (2. ed.) São Paulo: Atlas.

Securities and Exchange Commission (SEC). (2000). Audit committee disclosure. Recuperado em 03 janeiro, 2013 de http://www.sec.gov/rules/final/34-42266.htm.

Sharma, V., Naiker, V., & Lee, B. (2009). Determinants of audit committee meeting frequency: evidence from voluntary governance system. Accounting Horizons. 23(3), 245-263.

Silva, E.C. (2006). Governança corporativa nas empresas: guia prático de orientação para acionistas e conselho de administração. São Paulo: Atlas.

United States of America. The Sarbanes-Oxley Act. 2002, July. Recuperado em 03 janeiro, 2013 de http://www.soxlaw.com/index.htm.

Vicknair, D., Hickman, K., & Carnes, K.C. (1993). A note on audit committee independence: evidence from the NYSE on “grey” area directors. Accounting Horizons, 7(1), 53-57.

Publicado
21-09-2013
Como Citar
Beuren, I. M., Nass, S., Theiss, V., & Cunha, P. R. da. (2013). CARACTERIZAÇÃO PROPOSTA PARA O COMITÊ DE AUDITORIA NO CÓDIGO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DO BRASIL E DE OUTROS PAÍSES. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 7(4). https://doi.org/10.17524/repec.v7i4.989
Seção
Artigos