INVESTIMENTO EM MEIO AMBIENTE E O DESEMPENHO ECONÔMICO DAS EMPRESAS ADERIDAS AO ÍNDICE CARBONO EFICIENTE – ICO²

  • Elizio Marcos dos Reis Universidade Federal de Minas Gerais
  • Márcia Athayde Matias Professora da Universidade Federal de Minas Gerais
  • Renata Soares França Professora da Faculdade Novos Horizontes
Palavras-chave: Meio ambiente, investimentos, desempenho, Índice Carbono Eficiente.

Resumo

A sociedade contemporânea, detentora de uma maior consciência ambiental, tornou-se mais exigente quando da avaliação das empresas, dos produtos, fazendo com que os gestores se sintam cada vez mais responsáveis e pressionados a investir na questão ambiental. Nesse sentido, este trabalho procurou evidenciar, por meio de uma amostra de nove empresas pertencentes ao Índice Carbono Eficiente da BM&F Bovespa, no período de 2007 a 2011, se existe relação entre os investimentos em meio ambiente e o desempenho econômico, bem como se esses investimentos impactam positivamente o desempenho em longo prazo das empresas, conforme ressaltam Bonifant, Arnold e Long (1995), Klassen e McLaughlin (1996) e Alberton (2003). Para isso, utilizaram-se a análise de correlação e o modelo de regressão com dados em painel (pooled). Os resultados apontaram haver uma relação positiva entre os investimentos em meio ambiente em termos de ativos totais e o desempenho econômico das empresas. No entanto, esses investimentos não impactam positivamente o desempenho econômico em longo prazo das empresas nesse período; ao contrário, impactam positivamente o desempenho econômico em curto prazo.

Biografia do Autor

Elizio Marcos dos Reis, Universidade Federal de Minas Gerais
Mestrando em Ciências Contábeis (UFMG)
Márcia Athayde Matias, Professora da Universidade Federal de Minas Gerais
Doutora em Controladoria e Contabilidade (USP)
Renata Soares França, Professora da Faculdade Novos Horizontes
Especialista em Finanças e Especialista em Auditoria Externa (UFMG)

Referências

Alberton, A. (2003). Meio ambiente e desempenho econômico-financeiro: o impacto da ISO 14001 nas empresas brasileiras, 2003. 307 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Alberton, A., Costa Jr., N. C. A. (2007). Meio Ambiente e Desempenho Econômico-Financeiro: Benefícios dos Sistemas de Gestão Ambiental (SGAs) e o Impacto da ISO 14001 nas Empresas Brasileiras. RAC-Eletrônica, 1(2), pp. 153-171.

Alves, J. F. V., De Luca, M. M. M., Cardoso, V. I. C., Gallon, A. V., Cunha, J. V. A. (2012). Relação entre Desempenho Ambiental e Desempenho Econômico de Empresas no Brasil e na Espanha. Anais do Congresso Nacional de Administração e Ciências Contábeis - AdCont, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 3.

Beuren, I. M., Theiss, V., Carli, S. B. (2012). Influência do Eco-Controle do Desempenho Ambiental e Econômico de Empresas. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo. SP, Brasil, 12.

Bonifant, B. C., Arnold, M. B., Long, F. J. (1995). Gaining competitive advantage through environmental investments. Business Horizons, 38(4), pp. 37-47.

Cardoso, R. L., Mário, P. C., Aquino, A. C. (2007). Contabilidade Gerencial – Mensuração, Monitoramento e Incentivos. São Paulo: Altas.

Cohen, M. A., Fenn, S. A., Konar, S. (1997). Environmental and financial performance: are they related? [Working paper]. Vanderbilt University, Vanderbilt Center for Environmental Management Studies (VCEMS), Nashville, TN.

Dancey, C. P., Reidy, J. (2006). Estatística sem matemática para psicologia. (3. ed.) Porto Alegre: Artmed.

Drucker, P. (2001). A Administração. São Paulo: Nobel.

Ferreira, A. C. S. (1995). Contabilidade de custos para gestão do meio ambiente. Caderno de Estudos FIPECAFI, 12, pp. 14-22.

Freedman, M., Jaggi, B. (1982). Pollution disclosures, pollution performance and economic performance. Omega The Internation Journal of Management Science, 10 (2), pp. 167-176.

Freeman, R. E., Mcvea, J. (2001). A stakeholder approach to strategic management. [Working paper]. The Darden School, University of Virginia, Virginia – EUA.

Friedman, M. (1970. The social responsibility of business is increase its profits. The New York Times Magazine, 33, p. 122-126.

Gil, A. C. (1996). Como elaborar projetos de pesquisa. (3ª Ed.) São Paulo: Atlas.

Guesser, J. M., Beuren, I. M. (1998). Caracterização e mensuração dos custos ambientais. Contabilidade Vista & Revista, 9 (3), p. 25-31

Gujarati, D. (2006). Econometria Básica. (4ª ed.) Rio de Janeiro: Elsevier.

Henri, J, Journeault, M. (2010). Eco-control: the influence of management control systems on environmental and economic performance. Accounting, Organizations and Society, 35(1), p. 63-80.

Jacques, F. V. S., Rasia, K. A., Pires, V. M., Ott, E. (2012). Influência dos investimentos e gastos ambientais no desempenho econômico das maiores empresas brasileiras do agronegócio. Revista Espacios Digital, Caracas, Venezuela, 33(3), p. 18.

Klassen, R. D., Mclaughlin, C. P. (1996). The impact of environmental management on firm performance. Management Science, 42(8), pp. 1199-1214.

Machado, M. A. V., Macedo, M. A. S., Machado, M. R., Siqueira, J. R. M. (2010). Análise da relação entre investimentos socioambientais e a inclusão de empresas no Índice de Sustentabilidade Empresarial - (ISE) da BM&F Bovespa. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo. SP, Brasil, 10.

Maimon, D. (1994). Eco-estratégia nas empresas brasileiras: realidade ou discurso? Revista de Administração de Empresas – São Paulo, 34(4), pp. 119-130.

Martins, G. A. (2007). Manual para elaboração de monografias e dissertações. (3ª ed.) São Paulo: Atlas.

Martins, G. A.; Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. (3ª ed.). São Paulo: Atlas.

Miles, M. P., Covin, J. G. (2000). Environmental Marketing: A Source of Reputational, Competitive and Financial Advantage. Journal of Business Ethics 23(3), pp. 299-311.

North, K. (1992) Environmental business management: an introduction. Genebra: International Labor Office (ILO).

Reis, H. L. (2002) Os Impactos de um sistema de gerenciamento ambiental no desempenho financeiro das empresas: um estudo de caso. Anais do Enanpad, Salvador, BA, Brasil, 26.

Richardson, R. J. (2012). Pesquisa social: métodos e técnicas. (3. ed.) São Paulo: Atlas.

Sharma, S., Vredenburg, H. (1998). Proactive corporate environmental strategy and the development of competitively valuable organizational capabilities. Strategic Management Journal 19(8), p. 729-753.

Tinoco, J. E. P., Kraemer, M. E. P. (2008). Contabilidade e Gestão Ambiental. (2ª ed.) São Paulo: Atlas.

Valle, C. E. (2000). Como se preparar para as Normas ISO 14000: qualidade ambiental: o desafio de ser competitivo protegendo o meio ambiente. (3ª ed.) São Paulo: Pioneira.

Vergara, S. C. (2003). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. (4ª ed.). São Paulo: Atlas.

Publicado
21-09-2013
Como Citar
dos Reis, E., Matias, M., & França, R. (2013). INVESTIMENTO EM MEIO AMBIENTE E O DESEMPENHO ECONÔMICO DAS EMPRESAS ADERIDAS AO ÍNDICE CARBONO EFICIENTE – ICO². Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 7(4). https://doi.org/10.17524/repec.v7i4.986
Seção
Artigos