Argumentação: criticidade e contribuição no discurso científico

  • Iracema Raimunda Brito Neves Aragão UEFS
Palavras-chave: Argumentação; Discurso Científico; Contribuição Social

Biografia do Autor

Iracema Raimunda Brito Neves Aragão, UEFS

Professora adjunta da UEFS. Doutora em Controladoria e Contabilidade pela FEA/USP.

Referências

Referências

André, A. P., Henriques, M. J. R., & Alves, P. (2005). Reflexões sobre pesquisa científica e ideologia em ciências sociais. Seminário Nacional Estado e Políticas Sociais no Brasil.
Barros, D. E. C. (2012). Argumentação e linguagem: da retórica à concepção de discurso como prática social. Revista Desenredo, 8(2).

Campos, J. F. D. S. (2012). A natureza ideológica e política do conhecimento geográfico: o papel da pesquisa e dos conceitos na questão agrária espanhola e brasileira. GeoGraphos. Revista Digital para Estudiantes de Geografía y Ciencias Sociales, 1-9.
Cardoso, A. (2006). Linguagem, discurso e ideologia. Linguagens e diálogos, 122–127. Retrieved from http://linguagensedialogos.com.br/2010.1/textos/09ens-AnaCarolina.pdf.
Coracini, M. J. R. F. (1991). Um fazer persuasivo: o discurso subjetivo da ciência. EDUC-Editora da PUC-SP.
Ducrot, O. (1987). O dizer e o dito. Campinas: Pontes.
Ducrot, O. (2009). Argumentação retórica e argumentação linguística Rhetoric argumentation and linguistic argumentation. Letras de Hoje, 44(1), 20–25.
Fiorin, J. L. (1993). Linguagem e ideologia. Editora Ática.
Fuller, S. (2003). Is Science Governable after the Kuhnian Paradigm? Safeguarding Organized Inquiry in the Emerging Bioliberal Era. Socialiniai Mokslai, 3(3), 9–15.
Franco, M. L. P. B. (2004). Representações sociais, ideologia e desenvolvimento da consciência. Cadernos de Pesquisa, 34(121), 169–186.
Hendges, G. (2002). Citando na internet: um estudo de gênero da Revisão da literatura em artigos acadêmicos eletrônicos. MEURER, JL; MOTTA-ROTH, D. Gêneros textuais e práticas discursivas. Bauru, SP: EDUSC.
Ivanič, R. (1998). Writing and identity: The discoursal construction of identity in academic writing (Vol. 5). John Benjamins.
Jiménez-Aleixandre, M. P.; Erduran, S. Argumentation in Science Education: An Overview. In: Erduran, S.; Jiménez-Aleixandre, M. P. (Eds.). Argumentation in Science Education. New York: Springer, 2007. p. 3–27.
Latour, B. (2005). Reassembling the social: an introduction to actor network theory.
Oxford: Oxford University Press.
Koch, I. G. V. (2002). Argumentação e linguagem. 7. ed. São Paulo: Cortez Editora.
Koch, I. G. V. (2010). O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto.
Kuhn, T. S. (2011). A Estrutura das Revoluções Científicas. São Paulo: Perspectiva.
Mazière, F. (2007). A análise do discurso: história e práticas. Trad. Marcos Marcionílio. São Paulo: parábola Editorial.
Miller, J. D. (1983). Scientific Literacy: A Conceptual and Empirical Review. Daedalus, 112(2), 29 - 48. https://doi.org/10.2307/20024852.
Minayo, M. C. S. (2002). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petropoles: Vozes.
Morin, E. (2005). Ciência com consciência. (M. D. Alexandre, & M. A. Dória, Trads.) Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.
Pêcheux, M. (1990). Análise automática do discurso. Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Unicamp, 2, 61-151.
Targino, M. D. G. (2010). Divulgação científica e discurso. Comunicação & Inovação, 8(15). 19-28.
Van Dijk, T. A. (2008). Discurso e poder. São Paulo: Contexto.
Publicado
01-10-2020
Como Citar
Brito Neves Aragão, I. R. (2020). Argumentação: criticidade e contribuição no discurso científico . Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 14(3). https://doi.org/10.17524/repec.v14i3.2745
Seção
Editorial