Ensino Embasado na Estrutura Conceitual: a escolha da metodologia ativa para aplicação de casos para ensino importa?

  • Gleison de Abreu Pontes Universidade Federal de Uberlândia
  • Kellma Bianca Cardoso Fonseca
  • Ariane Caruline Fernandes
  • Patrícia de Souza Costa
Palavras-chave: Metodologias ativas; EEEC; casos para ensino; competências.

Resumo

Objetivo: Identificar quais competências são desenvolvidas na aplicação de casos para ensino com a utilização de técnicas de ensino diferentes, à luz do Ensino Embasado na Estrutura Conceitual (EEEC) e da Taxonomia de Bloom.

Método: Foram testadas três técnicas de ensino: Grupo de Verbalização e de Observação (GVGO), Júri Simulado e Problem-Based Learning (PBL). A percepção dos discentes foi coletada por meio de questionário e grupo focal.

Resultados: Na percepção dos estudantes, o emprego das técnicas, desenvolveu habilidades e competências distintas. Assim, a escolha da metodologia para aplicação de casos deve estar alinhada com os objetivos educacionais estabelecidos pelo docente. Além disso, apesar de terem sido desenvolvidas competências de todos os estágios do EEEC, GVGO e PBL desenvolveram mais aquelas do estágio 3, enquanto o Júri Simulado aquelas do estágio 2.

Contribuições: Os resultados podem ser úteis para o International Accounting Standard Board (IASB) ir além do desenvolvimento de casos para ensino no EEEC, incorporando na agenda reflexões sobre quais metodologias utilizar na aplicação desses materiais no instituto de alcançar o objetivo aplicação coerente das International Financial Reporting Standards (IFRS). Essas reflexões também podem ser realizadas por pesquisadores e docentes a fim de contribuírem com o EEEC.

Referências

AICPA (2020). American Institute of Certified Public Accountants. Recuperado de https://www.aicpa.org/InterestAreas/AccountingEducation/
Barth, M. E. (2008). Global financial reporting: Implications for U.S. academics. The Accounting Review, 83(5), 1159-1179.
Berbel, N. A. N. (2011). As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, 32(1), 25-40.
Bloom, B. S., Engelhart, M. D., Furst, E. J., Hill, W. H., & Krathwohl, D. R. (1983). Taxonomia de objetivos educacionais: Domínio cognitivo. 8a. ed. Porto Alegre, Rio de Janeiro: Globo.
Bloom, B. S., Engelhart, M. D., Furst, E. J., Hill, W. H., & Krathwohl, D. R. (1974). Taxonomia de objetivos educacionais: Domínio afetivo. Porto Alegre: Globo.
Carvalho, L. N., & Salotti, B. M. (2013). Adoption of IFRS in Brazil and the consequences to accounting education. Issues in accounting education, 28(2), 235-242.
Coetzee, S. A., & Schmulian, A. (2013). The Effect of IFRS adoption on financial reporting pedagogy in South Africa. Issues in Accounting Education, 28(2), 243-251.
Costa, P. S., Ávila, J. R. M. S., Santos, D. V., & Cruz, F. P. (2020). Role-play: desenvolvendo habilidades e competências do Ensino Embasado na Estrutura Conceitual. Revista de Contabilidade e Organizações, 14, 2-15.
Costa, P. S., Gomes, G. S., Braunbeck, G. O., & Santana, M. E. G. (2018). Um safari no Brasil: Evidências sobre o ensino baseado na estrutura conceitual. Revista Contabilidade & Finanças, 29(76), 129-147.
Cunha, P. R., Beuren, I. M., & Guerreiro, R. (2014). Fatores preditivos à desinstitucionalização de hábitos e rotinas na controladoria: Um estudo de caso. Contabilidade, Gestão e Governança, 17(2), 60-77.
Fávero, L. P. L., Belfiore, P. P., Silva, F. L. D., & Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier.
Ferraz, A. P. C. M., & Belhot, R. V. (2010). Taxonomia de Bloom: Revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Gestão & Produção, 17(2), 421-431.
Heinz, M. U., Quintana, A. C., & Capuano, A. P. (2019). Desenvolvimento Cognitivo e Afetivo dos estudantes de Contabilidade – influência do Método de Caso à luz da Taxonomia de Bloom. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade (REPeC), 13(4), 410-428.
Jackling, B., De Lange, P. A., & Natoli, R. (2013). Transitioning to IFRS in Australian classrooms: impact on teaching approaches. Issues in Accounting Education, 28(2), 263-275.
Januário, A. H. A., Pinho, C. M. D., Gonçalves, T. J. C., & Araújo, A. O. (2020). Método do caso: um relato sobre sua efetividade e aplicabilidade no ensino de contabilidade. Revista Ambiente Contábil, 12(1), 317-338.
Leal, E. A., & Borges, M. P. P. (2016). Estratégias de ensino aplicadas na área de contabilidade gerencial: um estudo com discentes do curso de ciências contábeis. Revista Ambiente Contábil, 8(2), ISSN 2176-9036.
Marion, J. C., Garcia, E., & Cordeiro, M. (1999). Discussão sobre metodologias de ensino aplicáveis à Contabilidade. Contabilidade Vista e Revista, 10(1), 28-33.
Masetto, M. T. (2003). Competência pedagógica do professor universitário. São Paulo: Summus.
Moura, M. F., Pereira, N. A., Souza, S. T. (2017). Debate: uma técnica de ensino voltada a pluraridade de pontos de vista In: Leal, E. A., Miranda, G. J., & Casa Nova, S. P. C. Revolucionando a sala de aula: como envolver o estudante aplicando as técnicas de metodologias ativas de aprendizagem (Cap. 5, pp. 53-64). São Paulo: Atlas.
Nagib, L. R. C. (2018). Relação entre metodologias ativas, ciclo de vida docente e qualificação docente no ensino de graduação em contabilidade (Dissertação). Universidade Federal de Uberlândia – UFU, Minas Gerais, MG, Brasil.
Nagib, L. R. C., & Silva, D. M. (2020). Adoção de metodologias ativas e sua relação com o ciclo de vida e a qualificação docente no ensino de graduação em ciências contábeis. Revista Contabilidade & Finanças, 31(82), 145-164.
Oliveira, A. S., & Campos, L. C. (2017). Grupo de Verbalização/Grupo de Observação (GV-GO). In: Leal, E. A., Miranda, G. J., & Casa Nova, S. P. C. Revolucionando a sala de aula: como envolver o estudante aplicando as técnicas de metodologias ativas de aprendizagem (Cap. 4, pp. 43-52). São Paulo: Atlas.
Sauaia, A. C. A. (2006). Conhecimento versus desempenho das organizações: Um estudo empírico com jogos de empresas. Revista Eletrônica de Administração, 12(1),1-12.
Soares, M. A., Botinha, R. A., Casa Nova, S. P. C., Soares, S. V., Bulaon, C. (2017). Aprendizagem Baseada em Problemas (ABP) ou Problem-Based Learning (PBL): podemos contar com essa alternativa? In: Leal, E. A., Miranda, G. J., & Casa Nova, S. P. C. Revolucionando a sala de aula: como envolver o estudante aplicando as técnicas de metodologias ativas de aprendizagem (Cap. 9, pp. 105-123). São Paulo: Atlas.
Ott, E., Cunha, J. V. A., Júnior, E. B. C., & Luca, M. M. M. (2011). Relevância dos conhecimentos, habilidades e métodos instrucionais na perspectiva de estudantes e profissionais da área contábil: estudo comparativo internacional. Revista Contabilidade Financeira, 22(57),338-356.
Thiesen, G. C., Giovanaz, M. P., Rieger, A., & Bernhard, T. (2017). O júri simulado como estratégica de ensino: trabalhando evolução com turmas do sétimo ano do ensino fundamental. Sala de Ensino e de Extensão: Inovação na Aprendizagem, ISSN 22379193.
Weil, S., Oyelere, P., Yeoh, J., & Firer, C. (2001). A study of students’ perceptions of the usefulness of case studies for the development of finance and accounting-related skills and knowledge. Accounting Education, 10(2), 123-146.
Wells, M. J. C. (2011). Framework-based approach to teaching principles-based accounting standards. Accounting Education: An International Journal, 20(4), 303-316.
Wells, M. J. C., & Tarca, A. (2014). Estágio 3 – Ativos não financeiros: estudo de caso da Open Safari. London: IFRSF Publications Department, 2014.
Publicado
24-12-2020
Como Citar
de Abreu Pontes, G., Cardoso Fonseca, K. B. ., Caruline Fernandes, A., & de Souza Costa, P. . (2020). Ensino Embasado na Estrutura Conceitual: a escolha da metodologia ativa para aplicação de casos para ensino importa?. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 14(4). https://doi.org/10.17524/repec.v14i4.2676
Seção
Artigos