Práticas da Contabilidade Gerencial, Qualidade e Desempenho no Contexto de um Monopólio Natural

  • Eliane Evangelista Correia Universidade de Fortaleza
  • Afonso Lima Universidade de Fortaleza
  • Hong Yuh Ching Centro Universitário da FEI (UNIFEI)
Palavras-chave: Contabilidade gerencial. Artefatos modernos. Empresas de energia elétrica.

Resumo

Objetivo: Este artigo tem como objetivo analisar a relação entre o uso de artefatos da contabilidade gerencial e porte, desempenho e qualidade dos serviços prestados por empresas brasileiras concessionárias de distribuição de energia elétrica, setor configurado como monopólio natural, marcado por um grande número de regulações e restrito a um número limitado de estratégias orientadas ao desempenho.

Método: A pesquisa envolveu 22 concessionárias de um universo de 63; utilizou-se para a análise das relações os testes não-paramétricos Qui-quadrado, Kruskal-Wallis, U de Mann-Whitney e τ de Kendall.

Resultados: Resultados evidenciam maior frequência da utilização dos artefatos tradicionais e sugerem uma relação entre a utilização dos artefatos e o porte da empresa. Porém, não se verificou uma relação entre a utilização desses artefatos e o desempenho nas organizações investigadas (diferenciando-se de outras pesquisas), nem com a qualidade dos serviços. Pode-se concluir que, nesse contexto de monopólio natural, informações obtidas por meio de artefatos não se prestam ao aperfeiçoamento das operações, apesar das iniciativas de um pequeno número de organizações.

Contribuições: Diversos estudos têm investigado a relação entre práticas da contabilidade gerencial (artefatos) e o desempenho organizacional em diferentes contextos, porém, pouco se sabe acerca dessa relação no contexto de setores altamente regulados.

Referências

Agência Nacional de Energia Elétrica . (2016). Instituição de Indicadores Públicos de Sustentabilidade Econômico-Financeira. Nota Técnica No 111/2016 - SRD/ANEEL., Brasília, DF. Acesso em 25 de Agosto de 2017, disponível em http://www2.aneel.gov.br/aplicacoes/consulta_publica/documentos/Nota&%20T%C3%A9cnica%202016%20067.pdf
Agência Nacional de Energia Elétrica. (2013). Indicador de Desempenho Global de Continuidade de 2012 e Variação Anual dos Indicadores DEC e FEC de 2012. Brasília, DF: ANEEL. Acesso em 2 de Setembro de 2017, disponível em http://www2.aneel.gov.br/arquivos/PDF/Nota_Tecnica_0038_Ranking.pdf
Agência Nacional de Energia Elétrica. (2016). ANEEL Divulga Ranking de Qualidade das Distribuidoras de Energia. Brasília, DF: ANEEL. Acesso em 22 de 03 de 2017, disponível em http://www.aneel.gov.br/sala-de-imprensa-exibicao-2/-/asset_publisher/zWQREz8EV1Z6/content/aneel-divulga-rankin-de-qualidade-das-distribuidoras-de-energia/656877
Agência Nacional de Energia Elétrica. (2017). Índice ANEEL de Satisfação do Consumidor (IASC). ANEEL, Brasília. Acesso em 22 de Março de 2017, disponível em http://www.aneel.gov.br/indice-aneel-satisfacao-consumidor
Agência Nacional de Energia Elétrica. (s.d.). Central de Informações Econômico-Financeiras. Acesso em 13 de Agosto de 2017, disponível em Site da Central de Informações Econômico-Financeiras: http://www.aneel.gov.br/central-de-informacoes-economico-financeiras
Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica. (s.d.). A Distribuição de Energia. Acesso em 2 de Dezembro de 2016, disponível em Site da ABRADEE: http://www.abradee.com.br/setor-de-distribuicao/a-distribuicao-de-energia
Atkinson, A. A., Kaplan, R. S., Matsumura, E. M., & Young, S. M. (2015). Contabilidade Gerencial: Informação para Tomada de Decisão e Execução da Estratégia. São Paulo: Atlas.
Augusto, M. G., Lisboa, J. V., & Yasin, M. M. (2014). Organizational Performance and Innovation in the Context of a Total Quality Management Philosophy: An Empirical Investigation. Total Quality Management & Business Excellence, 25, 1141-1155. doi:10.1080/14783363.2014.886372
Bjoornenak, T., & Olson, O. (1999). Unbundling Management Accounting Innovations. Management Accounting Research, 10(4), 325-338. doi:10.1006/mare.1999.0110
Bruni, A. L. (2012). SPSS: Guia Prático para Pesquisadores. São Paulo: Atlas.
Cochran, W. G. (2007). Sampling Techniques. New York: Wiley.
Crepaldi, S. A., & Crepaldi, G. S. (2014). Contabilidade Gerencial: Teoria e Prática. São Paulo: Atlas.
Curwin, J., & Slater, R. (2008). Quantitative Methods for Business Decisions. London: Thomson.
Espejo, M. M., Portulhak, H., & Martins, D. B. (2015). Práticas de Controle Gerencial em Hospitais Universitários Federais. Gestão e Regionalidade, 31(92), 39-52. doi:10.13037/gr.vol31n92.2421
Field, A. (2009). Descobrindo a Estatística Usando o SPSS. Porto Alegre: Artmed.
Figueiredo, L. V. (2016). Lições de Direito Econômico. Rio de Janeiro: Forense.
Fonseca, J., & Martins, G. A. (2012). Curso de Estatística. São Paulo: Atlas.
Freund, J. E. (2006). Estatística Aplicada Economicamente. Porto Alegre: Bookman.
Gonzaga, R. P., Luz, A. T., Guimarães, T. N., & Valerio Junior, V. B. (2010). Associação entre Práticas de Contabilidade Gerencial e Tamanho das Empresas: Um Estudo Empírico. IV Congresso ANPCONT, (pp. 1-16). Natal. Acesso em 2017 de Outubro de 3, disponível em http://www.fucape.br/_public/producao_cientifica/2/Rosimeire%20Pimentel.pdf
Grande, J. F., & Beuren, I. M. (2011). Mudanças nas Práticas de Contabilidade Gerencial de Empresas. Revista de Administração FACES Journal, 11(3), 84-104.
Guerreiro, R., & Soutes, D. O. (2013). Time-Based Management Practices: A Study of Brazilian Companies. Revista Contabilidade & Finanças, 24(63), pp. 181-194. doi:10.1590/S1519-70772013000300002
Guerreiro, R., Cornachione Júnior, E. B., & Soutes, D. O. (2011). Do Companies who Stand out for Information Quality for External Users also Stand out for the Use of Modern Management Accounting Artifacts? Revista Contabilidade & Finanças, 22(55), 88-113. doi:10.1590/S1519-70772011000100006
Hair Jr., J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise Multivariada de Dados. Porto Alegre: Bookman.
International Federation of Accountants. (1998). International Management Accounting Practice Statement (IMAP #1): Management Accounting Concepts. Financial and Management Accounting Committee, New York.
Ittner, C. D., & Larcker, D. F. (1995). Total Quality Managemetn and The Choice of Information and Reward Systems. Journal of Accounting Research, 33, 1-34. doi:10.2307/2491371
Jansen, E. P. (2018). Bridging the Gap between Theory and Practice in Management Accounting: Reviewing the Literature to Shape Interventions. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 31(5), 1486-1509. doi:10.1108/AAAJ-10-2015-2261
Junqueira, E., Dutra, E. V., Zanquetto Filho, H., & Gonzaga, R. P. (2016). The Effect of Strategic Choices and Management Control Systems on Organizational Performance. Revista Contabilidade & Finanças, 27(72), 334-348. doi:10.1590/1808-057x201601890
Klein, L., & Almeida, L. B. (2017). A Influência dos Fatores Contingenciais na Adoção de Práticas de Contabilidade Gerencial nas Indústrias Paranaenses. Revista Universo Contábil, 13(3), 90-119. doi:10.4270/ruc.2017320
Leite, E. G., Diehl, C. A., & Manvailer, R. H. (2015). Práticas de Controladoria, Desempenho e Fatores Contingenciais: Um Estudo em Empresas Atuantes no Brasil. Revista Universo Contábil, 11(2), 85-107. doi:10.4270/ruc.2015213
Lunkes, R. J., Costa, C. H., Bortoluzzi, D. A., & Rosa, F. S. (2018). Study on the Adoption of Management Accounting Practices in Hotel Companies in Florianópolis, SC, Brazil. Revista Turismo em Análise, 29(2), 216-235. doi:10.11606/issn.1984-4868.v29i2p216-235
Malhotra, N. (2012). Pesquisa de Marketing: Uma Orientação Aplicada. Porto Alegre: Bookman.
Michel, M. H. (2009). Metodologia e Pesquisa Científica em Ciências Sociais. São Paulo: Atlas.
Morais, O. d., Coelho, A. C., & Holanda, A. P. (2014). Artefatos de Contabilidade Gerencial e Maximização do Valor em Firmas Brasileiras. Contabilidade e Controladoria, 6(2), pp. 128-146. doi:10.5380/rcc.v6i2.35409
Morettin, P. A. (2009). Estatística Básica. São Paulo: Saraiva.
Oliveira, M. C., C, O. B., Daher, W. M., & Ribeiro, M. S. (2006). Análise Segundo o Modelo de Hopkins das Ações de Responsabilidade Social Empresarial Evidenciadas nas Demonstrações Contábeis e Balanços Sociais: O Caso das Distribuidoras de Energia do Grupo Brasileiro Neoenergia. Brazilian Business Review, 3(1), pp. 32-45.
Padoveze, C. L. (2010). Contabilidade Gerencial: Um Enfoque em Sistema de Informação Contábil. São Paulo: Atlas.
Paulo, A. S., & Cintra, Y. C. (2018). O Uso de Artefatos de Contabilidade Gerencial no Ciclo de Vida de Empresas do Setor Têxtil: O Caso ACR Fashion. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 23(1), 1-19. doi:10.0.50.179/rcmccuerj.v23i1.39297
Pessanha, J. F., Souza, R. C., & Laurencel, L. C. (2007). Um Modelo de Análise Envoltória de Dados para o Estabelecimento de Metas de Continuidade do Fornecimento de Energia Elétrica. Pesquisa Operacional, 27(1), pp. 51-83. doi:10.1590/S0101-74382007000100004
Reis, A. M., & Teixeira, A. J. (2013). Use of Management Accounting Artifacts in Agricultural Cooperatives from Minas Gerais and its Relation with Size and Financial Performance. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 7(4), pp. 342-358.
Reis, R. M., Teixeira, A. C., & Pires, M. A. (2007). Os Benefícios da Privatização: Evidência no Setor Elétrico Brasileiro. Revista de Contabilidade e Organizações, 1, pp. 56-70. doi:10.11606/rco.v1i1.34697
Rufino, R. (2015). Energia em Foco: Estratégias e Desafios para o Futuro. Cenário e Perspectivas para o Setor Elétrico Brasileiro. FGV Energia, Brasília, DF. Acesso em 15 de Novembro de 2016, disponível em https://fgvenergia.fgv.br/sites/fgvenergia.fgv.br/files/apresentacao_cenario_perspectivas_do_setor_ee_dr_romeu_27_08_15.pdf
Russo, P. T., Parisi, C., & Pereira, C. A. (2016). Evidências das Forças Causais Críticas dos Processos de Institucionalização e Desinstitucionalização em Artefatos da Contabilidade. Revista Contemporânea de Contabilidade, 13(30), 3-33. doi:10.5007/2175-8069.2016v13n30p3
Sedevich-Fons, L. (2018). Linking Strategic Management Accounting and Quality Management Systems. Business Process Management Journal, 24(6), 1302-1320. doi:10.1108/BPMJ-02-2018-0038
Silvestre, B. H., Matos, S., & Figueira, L. A. (2010). Privatização: Bom ou Ruim? Lições do Setor de Distribuição de Energia Elétrica do Nordeste Brasileiro. Revista de Administração de Empresas, 50(1), pp. 94-111. doi:10.1590/S0034-75902010000100008
Soutes, D. O. (2006). Uma Investigação do Uso de Artefatos da Contabilidade Gerencial por Empresas Brasileiras. Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis, Universidade de São Paulo, Departamento de Contabilidade e Atuária, São Paulo.
Soutes, D. O., & Guerreiro, R. (2007). Uma Investigação do Uso de Artefatos da Contabilidade Gerencial por Empresas Brasileiras. XXXI Encontro da ANPAD, (pp. 1-16). Rio de Janeiro. Acesso em 1 de Novembro de 2017, disponível em http://www.anpad.org.br/admin/pdf/CON-B1934.pdf
Sulaiman, M., Ahmad, N. N., & Alwi, N. (2004). Management Accounting Practices in Selected Asian Countries: A Review of the Literature. Managerial Auditing Journal, 4(19), pp. 493-508. doi:10.1108/02686900410530501
Teixeira, A. J., Gonzaga, R. P., Santos, A. V., & Nossa, V. A. (2011). A Utilização de Ferramentas de Contabilidade Gerencial nas Empresas do Estado do Espírito Santo. Brazilian Business Review, 8(3), pp. 108-127.
Publicado
28-06-2020
Como Citar
Correia, E. E., Lima, A., & Ching, H. Y. (2020). Práticas da Contabilidade Gerencial, Qualidade e Desempenho no Contexto de um Monopólio Natural. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 14(2). https://doi.org/10.17524/repec.v14i2.2461
Seção
Artigos