Percepção de Transparência nas Instituições de Ensino

proposição e validação de instrumento

  • Kelmara Mendes Vieira Universidade Federal de Santa Maria
  • Daniela Pegoraro Instituto Federal do Rio Grande do Sul
  • Monize Sâmara Visentini Universidade Federal da Fronteira Sul
Palavras-chave: transparência ativa, transparência passiva, escala, Lei de Acesso à Informação

Resumo

Objetivo: Muito se avançou na construção de indicadores que analisam a transparência das instituições públicas e governos tendo como base os aspectos legais. Entretanto, ainda há uma carência de estudos que avaliem a transparência a partir da percepção dos atores sociais, ou seja, da sociedade para a qual os esforços de transparência são praticados. Assim, este trabalho propõe um instrumento de avaliação da transparência ativa e passiva em instituições de ensino, na percepção dos atores sociais.

Método: A validação do modelo teórico proposto, aplicado com 1070 atores de uma instituição federal de ensino, foi conduzida a partir da utilização de técnicas para a análise da validade convergente e discriminante, da confiabilidade e da unidimensionalidade do instrumento.

Resultado: Os resultados indicaram a adequação dos três construtos propostos (Gestão Institucional, Acesso à Informação e Transparência Passiva) e confirmaram as três hipóteses.

Contribuições: Uma metodologia de aplicação e uma classificação são sugeridas, visando permitir que qualquer instituição de ensino possa avaliar a percepção de transparência Ativa e Passiva dos seus atores sociais.

Referências

Abello-Romero, J. B., Mancilla, C., Molina, C. & Palma, A. (2018). Relación entre divulgación de información y características de universidades latinoamericanas. Revista Venezolana de Gerencia. 23(1). 67-89.
Alvarenga, C. (2017). Ranking da Transparência das Universidades Federais 2017. Recuperado de https://cristianoalvarenga.com/pesquisa/ranking-da-transparencia-das-universidades-federais-2017/
Anderson, J. C. & Gerbing, D. W. (1988). Structural equation modeling in practice: a review and recommended two-step approach. Psychological Bulletin, 103(3), p.411-423.
Bairral, M. A. C., Silva, A. H. C. & Alves, F. J. S. (2015, abril) Transparência no setor público: uma análise dos relatórios de gestão anuais de entidades públicas federais no ano de 2010. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, 49(3), p. 642-675.
Byrne, B. M. (2010). Structural equation modeling with AMOS: Basic concepts, applications, and programming. 2a.ed. New York: Routledge.
Cheung, G.W. & Lau, R.S. (2008). Testing mediation and suppression effects of latent variables: bootstrapping with structural equation models. Organizational Research Methods, 11(2), 296-325.
Controladoria Geral da União [CGU] (2013). Manual da Lei de Acesso à Informação para Estados e Municípios. Brasília: 2013. Recuperado de https://www.cgu.gov.br/Publicacoes/transparencia-publica/brasil-transparente/arquivos/manual_lai_estadosmunicipios.pdf
Dalto, C., Nossa, V., & Martinez, A. (2014). Recursos de convênio entre fundações de apoio e universidades federais no brasil: um estudo dos acórdãos do Tribunal de Contas da União (TCU). Revista Universo Contábil, 10(2), 06-23.
De la Torre, R., & Torres, E. (2010). Transparencia y buen gobierno en la universidad pública. Reflexiones en torno al caso mexicano. Revista Online Especializada en Derecho de la Comunicación, 4, 1-13.
Decreto nº 8777, de 11 de maio de 2016. (2016). Institui A Política de Dados Abertos do Poder Executivo Federal. Brasília, DF. 11 maio 2016. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/decreto/d8777.htm
Eckel, P. (2008). Mission diversity and the tension between prestige and effectiveness: An overview of US higher education. Higher Education Policy, 21(2), 175-192.
Figueiredo, V. S. & Santos, W.J.L. (2013). Transparência e controle social na administração pública. Revista Temas de Administração Pública, 8(1), 1-20.
Flórez-Parra, J. M., López-Pérez, M. V. & López-Hernández, A. M. (2017) Transparency and its determinants at Colombian universities, Higher Education Research & Development, 36(4), 674-687.
Garver, N. S. & Mentzer, J. T. (1999). Logistics research methods: employing structural equation modeling to test for construct validity. Journal of Business Logistics, 20(1), 33-57.
Hair, J. R., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E. & Tatham, R. L. (2010). Multivariate Data Analyses. 6a.ed. New Jersey: Pearson.
Hooper, D.; Coughlan, J. & Mullen, M. R.(2008) Structural Equation Modelling: Guidelines for Determining Model Fit. The Electronic Journal of Business Research Methods, 6(1) 53–60.
Hu, L. T. & Bentler, P. M. (1999). Cutoff Criteria for Fit Indexes in Covariance Structure Analysis: Conventional Criteria Versus New Alternatives. Structural Equation Modeling, 6(1), 1-55.
Kline, R. B. (2011). Principles and practice of structural equation modeling. 3a.ed. New York: The Guilford Press.
Koufteros, X. A. (1999). Testing a model of pull production: a paradigm for manufacturing research using structural equation modeling. Journal of Operations Management, 17(4), 467-488.
Landis, R. S., Beal, D. J., & Tesluk, P. E. (2000). A comparison of approaches to forming composite measures in structural equation models. Organizational Research Methods, 3(2), 186-207.
Lara, T. (2009, 6 de Marzo). El papel de la Universidad en la construcción de su identidad digital. RUSC, Universities and Knowledge Society Journal, v.6(1), 15-21.
Lei Complementar nº 131, de 27 de maio 2009. (2009). Acrescenta dispositivos à Lei Complementar no 101, de 4 de maio de 2000. Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/lcp131.htm
Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011. (2011). Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5º, no inciso II do § 3º do art. 37 e no § 2º do art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei nº 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12527.htm
Lynn, M. R. (1986). Determination and quantification of content validity. Nursing Research, 35(6), 382-385.
Melo, D. A. (2019) Transparência da informação pública: uma avaliação de sítios eletrônicos de universidades federais brasileiras. 2019. 128 f. Dissertação (Mestrado em Administração Pública em Rede Nacional) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia.
Michener, G., Contreras, E., & Niskier, I. (2018). Da opacidade à transparência? Avaliando a Lei de Acesso à Informação no Brasil cinco anos depois. Revista De Administração Pública, 52(4), 610-629.
Monteiro, Alessandra (2014). Aferição do grau de cumprimento às obrigações de transparência ativa constantes da Lei de Acesso à Informação por Universidades Federais do Brasil. Dissertação (Mestrado Profissional em Administração Pública) - FGV - Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro.
Pedharzur, E. J. & Schmelkin, L. P. (1991). Measurement, design, and analysis: an integrated approach. New Jersey: Lawrence Erlbaum.
Pessôa. I. S., Canuto. E. S. L., Costa, J. C. & Almeida, J. E. F. (2018). Determinantes da transparência das universidades federais brasileiras: Uma Análise Empírica no ano de 2013. Revista de Gestão e Contabilidade da UFPI, 5(2), 97-114.
Relly, J. (2012). Examining a model of vertical accountability: A cross-national study of the influence of information access on the control of corruption. Government Information Quarterly, 29(3), 335-345.
Rubio, D. M., Berg-Weger, M., Tebb, S. S., Lee, E. S. & Rauch, S. (2003). Objectifying content validity: Conducting a content validity study in social work research, Social Work Research, 27(2), 94-104.
Saraite-Sariene, L., Rodríguez, M. del M. G. & Rosario, A. H. (2018). Exploring determining factors of web transparency in the world's top universities, Revista de Contabilidad, 21(1), 63-72.
Schumacker, R. E. & Lomax, R. G.A.(1996) Beginner’s Guide to Structural Equation Modeling. New Jersey: Lawrence Erlbaum, 1996.
Silva, W. A. O. & Bruni, A. L. (2019). Variáveis socioeconômicas determinantes para a transparência pública passiva nos municípios brasileiros. Revista de Administração Pública, 53(2), 415-431.
Wynd, C. A., Schmidt, B., & Schaefer, M. A. (2003). Two Quantitative Approaches for Estimating Content Validity. Western Journal of Nursing Research, 25(5), 508–518.
Publicado
31-03-2020
Como Citar
Mendes Vieira, K., Pegoraro, D., & Sâmara Visentini, M. (2020). Percepção de Transparência nas Instituições de Ensino. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 14(1). https://doi.org/10.17524/repec.v14i1.2375
Seção
Artigos