Consistência das Estratégias de Instituições de Ensino Superior: Um Estudo baseado na Percepção dos Stakeholders utilizando-se do Balanced Scorecard

  • Alexsandra Barcelos Dias Coordenadora de Curso da Universidade Presidente Antônio Carlos (Unipac GV)
  • Valquíria Aparecida dos Santos Professora na Escola Superior Aberta do Brasil
  • Aziz Xavier Beiruth Professor da Fucape Business School
Palavras-chave: Consistência Estratégica, Balanced Scorecard, Stakeholders

Resumo

A orientação estratégica da empresa foi concebida como uma ferramenta de gestão conhecida como o Balanced Scorecard (BSC), que objetiva medir e monitorar a estratégia em ação. Este trabalho teve como objetivo verificar a consistência estratégica na percepção dos stakeholders nas Instituições de Ensino Superior (IES) privadas, por meio das perspectivas do Balanced Scorecard. A metodologia utilizada foi uma pesquisa descritiva, por meio de uma abordagem quantitativa e com coleta de dados por meio de questionário aplicado em quatro IES no Estado de Minas Gerais, com diretores/coordenadores, professores e alunos denominados de stakeholders, para identificar, a partir de um modelo de Balanced Scorecard com quatro indicadores em cada perspectiva (financeira, clientes, aprendizagem e crescimento e processos internos), a consistência das estratégias percebida por esses grupos. Os principais resultados apontaram para uma diferença de percepção dos gestores quanto às perspectivas, com um grau de importância maior dado à perspectiva “Aprendizagem e Crescimento” e “Processos Internos”. O grupo de professores foi o que atribuiu menos importância para a perspectiva “Clientes”. As principais inconsistências encontradas foram na perspectiva “Processos Internos”. A perspectiva “Financeira” foi a que apresentou menos gaps, quando comparada entre os grupos, o que revela uma inconsistência estratégica nas IES por meio da percepção dos stakeholders. Conclui-se que a consistência estratégica pode contribuir com a competitividade organizacional, identificando a existência de alinhamento nas ações desenvolvidas que resultam em maior eficiência para um cenário competitivo de acordo com seus interessados.

Biografia do Autor

Alexsandra Barcelos Dias, Coordenadora de Curso da Universidade Presidente Antônio Carlos (Unipac GV)
Mestre em Ciências Contábeis pela Fucape Business School
Valquíria Aparecida dos Santos, Professora na Escola Superior Aberta do Brasil
Mestre em Ciências Contábeis pela Fucape Business School
Aziz Xavier Beiruth, Professor da Fucape Business School
Doutor em Controladoria e Contabilidade pela USP

Referências

Atkinson, A. A.; Waterhouse, J. H. & Wells, R. B. (1997). A stakeholder approach to strategic performance measurement. MIT Sloan Management Review, 38(3), pp. 25-37

Chen, C. M.; Delmas, M. A. & Lieberman, M. B. (2015). Production frontier methodologies and efficiency as a performance measure in strategic management research. Strategic Management Journal, 36(1), pp. 19-36. doi: 10.1002/smj.2199.

Clarkson, M. E. (1995). A stakeholder framework for analyzing and evaluating corporate social performance. Academy of management review, 20(1), pp. 92-117. doi: 10.5465/AMR.1995.9503271994.

De Melo Santos, N.; Bronzo, M.; de Oliveira, M. P. V. & de Resende, P. T. V. (2014). Cultura organizacional, estrutura organizacional e gestão de pessoas como bases para uma gestão orientada por processos e seus impactos no desempenho organizacional. BBR-Brazilian Business Review, 11(3), pp. 106-129. doi: http://dx.doi.org/10.15728/bbr.2014.11.3.5.

Ferreira, J. M. (2013). Perspectivas do Balanced Scorecard na avaliação da consistência estratégica: um estudo baseado na percepção da direção/coordenação e dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior. Dissertação de Mestrado, Fundação Instituto Capixaba de Pesquisas em Contabilidade, Economia e Finanças, Vitória, ES, Brasil.

Freeman, R. E. (2010). Strategic management: A stakeholder approach. Cambridge University Press.

Frezatti, F.; Bido, D. S.; Cruz, A. P. C. & Machado, M. J. C. (2015). A estrutura de artefatos de controle gerencial no processo de inovação: existe associação com o perfil estratégico?. BBR-Brazilian Business Review, 12(1), pp. 129-156. doi: http://dx.doi.org/10.15728/bbr.2015.12.6.

Hair Jr, J. F., Babin, B., Money, A. H., & Samouel, P. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Bookman.

Harrison, J. S.; Hall, E. H. & Nargundkar, R. (1993). Resource allocation as an outcropping of strategic consistency: Performance implications. Academy of Management Journal, 36(5), pp. 1026-1051. doi: 10.2307/256644.

Hoque, Z. (2014). 20 years of studies on the balanced scorecard: Trends, accomplishments, gaps and opportunities for future research. The British accounting review, 46(1), pp. 33-59. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.bar.2013.10.003.

Kaplan, R. S.; & Norton, D. P. (1997). A estratégia em ação: Balanced Scorecard. Rio de Janeiro: Campus.

Kettunem, Juha. (2003). Strategic evaluation of institutions by students in higher education. Perspectives, 7(1), 14-18. DOI: 10.1080/1360310022000056687.

Kettunem, J. (2003). Strategic evaluation of institutions by students in higher education. Perspectives, 7(1), pp. 14-18. doi: 10.1080/1360310022000056687.

Lamberg, J. A.; Tikkanen, H.; Nokelainen, T. & Suur‐Inkeroinen, H. (2009). Competitive dynamics, strategic consistency, and organizational survival. Strategic Management Journal, 30(1), pp. 45-60. doi: 10.1002/smj.726.

Lima Júnior, G. F. de. (2008). Balanced Scorecard como ferramenta de avaliação da consistência estratégica: um estudo em instituição de ensino superior privada. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, Brasil.

Lira, M.; Gonçalves, M. & Marques, M. D. C. D. C. (2015). Instituições de ensino superior públicas em Portugal: sua administração sob as premissas da new public management e da crise econômica global. Revista Brasileira de Educação, 20(60), pp. 99-119. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782015206006.

Meneghetti, C.; De Beni, R. & Cornoldi, C. (2007). Strategic knowledge and consistency in students with good and poor study skills. European Journal of Cognitive Psychology, 19(4-5), pp. 628-649. doi: http://dx.doi.org/10.1080/09541440701325990.

Moore, G. (1999). Tinged Shareholders theory: or what´s so special about stakeholders? Busines Ethics: A European Review, 8(2). doi: 10.1111/1467-8608.00136.

Porter, M. E. (1992). Vantagem competitiva (3ª ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Rocha, D. J. A. (2000). Desenvolvimento do Balanced Scorecard para instituição de ensino superior privada: estudo de caso da unidade 4 da Universidade Gama. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Rocha, J. M. & de Oliveira Casartelli, A. (2014). Análise do processo de implantação do Balanced Scorecard (BSC) em uma instituição de ensino superior. Revista Gestão Universitária na América Latina-GUAL, 7(3), pp. 268-290. doi http://dx.doi.org/10.5007/1983-4535.2014v7n3p268.

Rüdell Boligon, J. A., Pentiado Godoy, L., & Souto Bolzan Medeiros, F. (2014). Balanced Scorecard: Estratégia de Gestão Vinculada à Melhoria da Qualidade Organizacional. GEINTEC-Gestão, Inovação e Tecnologias, 4(3), pp. 1228-1243. doi: 10.7198/S2237-0722201400030017.

Serdar Asan, Ş. & Tanyaş, M. (2007). Integrating Hoshin Kanri and the balanced scorecard for strategic management: The case of higher education. Total Quality Management, 18(9), pp. 999-1014. doi: 10.1080/14783360701592604.

SPSS Inc. (2003). Advanced Statistical Analysis Using SPSS.

Silva, R. (2009). Balanced Scorecard–BSC–Gestão do Ensino Superior–Gestão profissionalizada e qualidade de ensino para instituições de ensino superior privado. Curitiba: Juruá.

Starik, M. (1994). The Toronto conference: reflections on stakeholders theory. Business and Society, California, 33(1), pp. 82-131. doi: 10.1177/000765039403300105.

Teixeira, J. F. & de Castro, L. M. (2015). Questões de governança e os papéis dos stakeholders no ambiente do ensino superior brasileiro. Revista Gestão Universitária na América Latina-GUAL, 8(2), pp. 237-257. doi: http://dx.doi.org/10.5007/1983-4535.2015v8n2p237

Venkatraman, N. & Camillus, J. C. (1984). Exploring the concepts of ‘fit’ in strategic management. Academy of Management Review, 9(3), pp. 513-525.

Werkema, M. C. C, Aguiar, S. (1996). Planejamento e Análise de Experimentos: como identificar e avaliar os principais indicadores influentes em um processo. Belo Horizonte, MG: Fundação Christiano Otoni, Escola de Engenharia da UFMG.

Publicado
11-10-2016
Como Citar
Dias, A. B., Santos, V. A. dos, & Beiruth, A. X. (2016). Consistência das Estratégias de Instituições de Ensino Superior: Um Estudo baseado na Percepção dos Stakeholders utilizando-se do Balanced Scorecard. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 10(4). https://doi.org/10.17524/repec.v10i4.1445
Seção
Artigos