Influências de teorias econômicas na teoria contábil: o caso da função-objetivo da firma

  • Lineker Costa Passos Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e tecnologia do Estado do Piauí (IFPI)
  • Aline Nogueira Bezerra Analista Administrativo no Departamento Nacional de Produção Mineral
  • Antonio Carlos Coelho Professor da Universidade Federal do Ceará (UFC)
Palavras-chave: Teorias e Práticas Contábeis, Função-Objetivo da Firma, Teoria dos shareholders, Teoria dos stakeholders

Resumo

O ensaio tem por objetivo estabelecer relação entre os preceitos teóricos contábeis que orientam os procedimentos de divulgação contábil para seus públicos de interesse, tanto internos quanto externos, com as duas principais correntes teóricas que tratam da função-objetivo da firma: a teoria dos shareholders e a teoria dos stakeholders. Na perspectiva da teoria dos shareholders, a firma deve definir objetivo único, que é o de maximizar a riqueza dos acionistas. No contexto da teoria dos stakeholders, a firma deve estabelecer objetivo múltiplo, qual seja, o de atender aos interesses de todos os envolvidos com suas atividades. Discute-se em que medida teorias, padrões e práticas contábeis emanam de conceitos dos dois modelos, principalmente no que se refere à demanda pelos usuários de informações úteis e relevantes. Há predomínio da teoria dos shareholders em influenciar preceitos contábeis que direcionam a divulgação de informações, embora já se discutam e se apresentem relatórios contábeis distintos, orientados para stakeholders da firma, sem que tenha sido estabelecido conjunto de conceitos que os expliquem e justifiquem no âmbito da teoria contábil. Adicionalmente, argumenta-se que ambas as correntes da teoria econômica apontam, ao cabo e ao termo, para a mesma direção: buscar o bem-estar dos stakeholders da firma. A pesquisa contribui para a literatura contábil no sentido de clarificar os impactos advindos dos dois modelos econômicos que tratam da função-objetivo da firma na evolução da teoria contábil, ainda não captados diretamente na discussão dos fundamentos da teoria contábil.

Biografia do Autor

Lineker Costa Passos, Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e tecnologia do Estado do Piauí (IFPI)
Mestrando em Administração e Controladoria na Universidade Federal do Ceará (UFC)
Aline Nogueira Bezerra, Analista Administrativo no Departamento Nacional de Produção Mineral
Mestrando em Administração e Controladoria na Universidade Federal do Ceará (UFC)
Antonio Carlos Coelho, Professor da Universidade Federal do Ceará (UFC)
Pós-doutor em Ciências Contábeis pela PPGCC-FEA-USP

Referências

Assaf, A., Neto, & Lima, F. G. (2014). Fundamentos de administração financeira. São Paulo: Atlas.

Bainbridge, S. M. (1993). In defense of the shareholder wealth maximization norm: a reply to professor Green. Washington and Lee Law Review, 50, pp. 1423-1447.

Berle, A. A. (1931). Corporate powers as powers in trust. Harvard Law Review, 44(7), pp.1049-1074. DOI: 10.2307/1331341

Berle, A. A. & Means, G. (1932). The modern corporate and private property. New York: McMillian.

Boaventura, J. M G.; Cardoso, F. R.; Silva, E. S. da & Silva, R. S. da. (2009). Teoria dos stakeholders e teoria da firma: um estudo sobre a hierarquização das funções-objetivo em empresas brasileiras. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 11(32), pp. 289-307. DOI: http://dx.doi.org/10.7819/rbgn.v11i32.378

Brealey, R. A.; Myers, S. C. & Allen, F. (2013). Princípios de finanças corporativas (10ª ed.). Porto Alegre: AMGH.

Coase, R. H. (1937). The nature of the firm. Economica, 4(16), pp. 386-405.

Coase, R. H. (1990). Accounting and the theory of the firm. Journal of Accounting and Economics, 12(1), pp. 3-13. doi:10.1016/0165-4101(90)90038-6

Coelho, A. C. D. (2007). Qualidade informacional e conservadorismo nos resultados contábeis publicados no Brasil. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Cunha, J. V. A. D., Ribeiro, M. D. S., & Santos, A. D. (2005). A demonstração do valor adicionado como instrumento de mensuração da distribuição da riqueza. Revista Contabilidade & Finanças, 16(37), pp. 7-23. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-70772005000100001

Dias, J. M., Filho. (2010). A Contabilidade e a Ordem Social. Revista de Contabilidade da UFBA, 3(3), pp. 3-4.

Dodd, E. M. (1932). For whom are corporate managers trustees?. Harvard Law Review, 45(7), pp. 1145-1163. DOI: 10.2307/1331920

Donaldson, T. & Preston, L. E. (1995). The stakeholder theory of the corporation:concepts, evidence, and implications. Academy of Management Review, 20(1), pp. 65-91.

Fontrodona, J. & Sison, A. J. G. (2006). The nature of the firm, agency theory and shareholder theory: a critique from philosophical anthropology. Journal of Business Ethics, 66(1), pp. 33-42. doi: 10.1007/s10551-006-9052-2

Freeman, R. E. (1984). Strategic management: a stakeholder approach. Boston: Pitman.

Freeman, R. E., & McVea, J. (2000). A stakeholder approach to strategic management. In M. Hitt, E. Freeman, & J. Harrison (eds.). Handbook of strategic management. Oxford: Blackwell Publishing. Recuperado em 30 maio, 2015, de http://papers.ssrn.com/paper.taf?abstract_id=263511

Guerreiro, R.; Cornachione, E., Jr. & Soutes, D. O. (2011). Empresas que se destacam pela qualidade das informações a seus usuários externos também se destacam pela utilização de artefatos modernos de contabilidade gerencial. Revista Contabilidade e Finanças, 22(55), pp. 88-113. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-70772011000100006.

Hart, O. (1989). An Economist's Perspective on the Theory of the Firm. Columbia Law Review, 89(7), pp. 1757-1774. doi: 10.2307/1122818

Hendriksen, E. S. & Breda, M. F. Van. (1999). Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas.

Hill, C. W. L. & Jones, T. M. (1992). Stakeholder‐agency theory. Journal of Management Studies, 29(2), pp. 131-154. DOI: 10.1111/j.1467-6486.1992.tb00657.x

Iudícibus, S. de, Martins, E., & Carvalho, L. N. (2005). Contabilidade: aspectos relevantes da epopeia de sua evolução. Revista Contabilidade e Finanças, 16(38), pp. 7-19. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-70772005000200002

Jensen, M. C. (2001). Value maximization, stakeholder theory, and the corporate objective function. Journal of Applied Corporate Finance, 14(3), pp. 8-21. DOI: 10.1111/j.1745-6622.2001.tb00434.x

Lopes, A. B. (2001). A relevância da informação contábil para o mercado de capitais: o modelo de Ohlson aplicado à BOVESPA. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Lopes, A. B. (2012). A teoria dos contratos, Governança Corporativa e Contabilidade. In A. B. Lopes, & S. de Iudícibus (Coord.). Teoria avançada da contabilidade (2ª ed.). São Paulo: Atlas.

Lopes, A. B., & Martins, E. (2005). Teoria da contabilidade. São Paulo: Atlas.

Macêdo, J.; Cordeiro, J.; Pereira, L.; Ribeiro, J., Filho; Torres, U. & Lopes, J. (2011). Responsabilidade social e reputação corporativa: uma investigação sobre a percepção dos stakeholders numa concessionária de energia elétrica nordestina . Revista de Contabilidade e Organizações, 5(11), pp. 69-86.

doi: http://dx.doi.org/10.11606/rco.v5i11.34786

Macey, J. (1991). An Economic Analysis of the Various Rationales for Making Shares the Exclusive Beneficiaries of Corporate Fiduciary Duties. Stetson Law Review, 21. pp. 23-40.

Martins, E. (2012). Contabilidade das Companhias Abertas no Brasil: Uma Agenda para o Futuro. In A. B. Lopes (Org.). Contabilidade e finanças no Brasil: estudos em homenagem ao professor Eliseu Martins. São Paulo: Atlas.

Reis, S. G.; Cintra, Y. C.; Ribeiro, M. S. & Dibbern, B. R. S. (2015). Qualidade da divulgação socioambiental: um estudo sobre a acurácia das informações contábeis nos relatórios de sustentabilidade. Revista Contemporânea de Contabilidade, 12(25), pp. 67-94. http://dx.doi.org/10.5007/2175-8069.2015v12n25p67

Sá, A. L. de. (1997). História geral e das doutrinas da contabilidade. São Paulo: Atlas.

Sá, A. L. de. (2002). Teoria da contabilidade (3ª ed.). São Paulo: Atlas.

Santana, L. M. de, Góis, A. D., De Luca, M. M. M., & de Vasconcelos, A. C. (2015). Relação entre disclosure socioambiental, práticas de governança corporativa e desempenho empresarial. Revista Organizações em Contexto-online, 11(21), pp. 49-72. doi: 10.15603/1982-8756

Santos, J. G. C., Calíope, T. S., & Coelho, A. C. (2015). Teorias da Firma como fundamento para formulação de teorias contábeis. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade (REPeC), 9(1), pp.101-116. doi: http://dx.doi.org/10.17524/repec.v9i1.1182

Silveira, A. Di M. da, Yoshinaga, C. E., & Borba, P. da R. F. (2005). Crítica à teoria dos stakeholders como função-objetivo corporativa. REGE-Revista de Gestão, 12(1), pp. 33-42.

Smith, D. G. (1998). The Shareholder Primacy Norm. Journal of Corporate Law, 23(2), pp. 276-323.

Sternberg, E. (1999). The stakeholder concept: a mistaken doctrine. Foundation for Business Responsibilities, Issue Paper, (4). Recuperado em 22 julho, 2015 de < http://papers.ssrn.com/sol3/Papers.cfm?abstract_id=263144>

Sundaram, A. K., & Inkpen, A. C. (2004). The corporate objective revisited. Organization Science, 15(3), pp. 350-363. http://dx.doi.org/10.1287/orsc.1040.0067

Sunder, S. (2009). Extensive income and value of the firm: who gets what?. CLPE Research Paper, 5(3).

Sunder, S. (2014). Teoria da contabilidade e do controle. São Paulo: Atlas.

Tigre, P. B. (2009). Paradigmas tecnológicos e teorias econômicas da firma. Revista Brasileira de Inovação, 4(1), pp. 187-223.

Vellani, C., & Ribeiro, M. (2009). Sistema contábil para gestão da ecoeficiência empresarial. Revista Contabilidade & Finanças, 20(49), pp. 25-43. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-70772009000100003.

Publicado
11-10-2016
Como Citar
Passos, L. C., Bezerra, A. N., & Coelho, A. C. (2016). Influências de teorias econômicas na teoria contábil: o caso da função-objetivo da firma. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 10(4). https://doi.org/10.17524/repec.v10i4.1430
Seção
Artigos