Fatores Determinantes da Divulgação de Informações Voluntária Social: Evidências Empíricas no Brasil

  • Maria Audenôra Rufino Professora do Centro Universitário de João Pessoa – Unipê
  • Márcia Reis Machado Professora da Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Palavras-chave: Fatores Determinantes, Divulgação Voluntária Social, Empresas Brasileiras

Resumo

A responsabilidade social corporativa se refere às preocupações sociais relacionadas ao meio ambiente, aos recursos humanos e ao envolvimento com a comunidade. A divulgação voluntária de informações sociais ocorre de forma heterogênea e algumas empresas optam por evidenciar uma quantidade maior de informações e com maior riqueza de detalhes. Ciente disso, esta pesquisa teve como objetivo identificar os fatores determinantes da divulgação voluntária de informações de caráter social das empresas brasileiras, no período de 2010 a 2012. A partir das teorias (stakeholders e divulgação voluntária) e dos estudos anteriores, construíram-se seis hipóteses sobre os possíveis fatores determinantes da divulgação voluntária social (tamanho, concentração acionária, rentabilidade, leverage, setor regulado e reputação). O universo desta pesquisa foram as empresas de capital aberto listadas na BM&FBOVESPA, no período de 2010 a 2012. A amostra foi composta pelas 100 empresas listadas na BM&FBovespa com ações mais negociadas durante os 12 meses do ano de 2012. Quanto aos modelos econométricos, utilizou-se painel com efeitos aleatório estimado por OLS, sendo a variável dependente os índices de divulgação social e as variáveis independentes, os prováveis fatores determinantes. Os resultados sugeriram que o tamanho da empresa, a rentabilidade, a reputação e o setor regulado foram fatores considerados determinantes da divulgação voluntária social. Constatou-se que os stakeholders, o governo e a sociedade podem influenciar a divulgação voluntária social. A variável “rentabilidade” aponta que as empresas menos rentáveis divulgaram mais informações voluntárias sociais, o que pode ser indício de uma tentativa da empresa de desviar a atenção dos stakeholders do desempenho financeiro.

Biografia do Autor

Maria Audenôra Rufino, Professora do Centro Universitário de João Pessoa – Unipê
Mestre em Ciências Contábeis pelo Programa Multiinstitucional e Interregional de Pós-graduação em Ciências Contábeis UnB/UFPB/UFRN
Márcia Reis Machado, Professora da Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Doutora em Controladoria e Contabilidade pela USP

Referências

Ameer, R. & Othman, R (2012). Sustainability practices and corporate financial performance: a study based on the top global corporations. Journal of Business Ethics, 108(1), pp. 61-79. doi: 10.1007/s10551-011-1063-y

Belkaoui, A. & Karpik, P. G. (1989). Determinants of the corporate decision to disclose social information. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 2(1), pp. 36-51. doi:.org/10.1108/09513578910132240

Braga, J. P., Oliveira, J. R. S. & Salotti, B. M. (2009). Determinantes do nível de divulgação ambiental nas demonstrações contábeis de empresas brasileiras. Revista Contabilidade UFBA, Salvador, 3(3), pp. 81-95.

Brammer, S. & Pavelin, S. (2008).Factors influencing the quality of corporate environmental disclosure. Business Strategy and the Environment, 17(2), pp. 120-136. doi: 10.1002/bse.506

Branco, M. C. & Rodrigues, L. L. (2008). Factors influencing social responsibility disclosure by portuguese companies. Journal of Business Ethics, 83(4), pp. 685-701. doi: 10.1007/s10551-007-9658-z

Ceretta, P. S., Barba, F. G.; Kruel, F. C. M. & Milani, B. (2009). Desempenho financeiro e a questão dos investimentos socioambientais. RGSA – Revista de Gestão Social e Ambiental, Salvador, 3(3), pp.72-84. doi:.org/10.5773/rgsa.v3i3.177

Chang, D. & Kou, L. R. (2008).The effects of sustainable development on firms’ financial performance – an empirical approach. Sustainable Development, 16(6), pp. 365-380. doi: 10.1002/sd.351

Chih, H. & Chih, H. & Chen, T. (2010). On the determinants of corporate social responsibility: international evidence on the financial industry. Journal of Business Ethics, 93(1), pp. 115-135. doi: 10.1007/s10551-009-0186-x

Choi, J. S. (1999). An investigation of the initial voluntary environmental disclosures made in Korean semi-annual financial reports. Pacific Accounting Review, 11(1), pp. 73-102.

Clarkson, M. E. (1995). A stakeholder framework for analyzing and evaluating corporate social performance. The Academy of Management Review, 20(1), pp. 92-117. doi: 10.5465/AMR.1995.9503271994

Costa, R. S. & Marion, J. C. (2007) A uniformidade na evidenciarão das informações ambientais. Revista de Contabilidade e Finanças – USP, São Paulo, 43, pp. 20-33.

Cullen, L. & Christopher, T. (2002). Governance disclosures and firm characteristics of listed Australian mining companies. International Journal of Business Studies, 10(1), pp. 37-58.

Cunha, J. V. A. & Ribeiro, M. S. (2008). Divulgação voluntária de informações de natureza social: um estudo nas empresas brasileiras. Revista de Administração – Eletrônica, São Paulo, 1(1), art.6.

Dahlsrud, A. (2008). How corporate social responsibility is defined: an analysis of 37 definitions. Corporate social responsibility and environmental management, 15(1), pp. 1-13. doi: 10.1002/csr.132

Deegan, C., Rankin, M., & Tobin, J. (2002). An examination of the corporate social and environmental disclosures of BHP from 1983-1997: A test of legitimacy theory. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 15(3), 312-343. doi: org/10.1108/09513570210435861

Dye, R. A. (2001).An evaluation of essays on disclosure and the disclosure literature in accounting. Journal of Accounting and Economics, 32(1), pp. 181-235. doi:10.1016/S0165-4101(01)00024-6

Eugénio, T. (2010). Avanços na divulgação de informação social e ambiental pelas empresas e a teoria da legitimidade. Revista Universo Contábil, Blumenal: FURB, 6(1), pp. 102-118. doi:10.4270/ruc.2010106

Freeman, R. E. (1999).Divergent stakeholder theory.Academy of Management Review, 24(2), pp. 233-236. doi: 10.5465/AMR.1999.1893932

Gamerschlag, R., Möller, K. &Verbeeten, F. (2011). Determinants of voluntary CSR disclosure: empirical evidence from Germany. Review of Managerial Science, 5(2-3), pp. 233-262. doi: 10.1007/s11846-010-0052-3

Hackston, D. & Milne, M. J. (1996).Some determinants of social and environmental disclosures in New Zealand companies. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 9(1), pp.77-108. DOI: org/10.1108/09513579610109987

Huang, C. & Kung, F. (2010). Drivers of environmental disclosure and stakeholder expectation: evidence from Taiwan. Journal of Business Ethics, 96(3), pp. 435-451. doi: 10.1007/s10551-010-0476-3

Jennifer Ho, L. & Taylor, M. E. (2007). An empirical analysis of triple bottom‐line reporting and its determinants: evidence from the United States and Japan. Journal of International Financial Management & Accounting, 18(2), pp. 123-150. DOI: 10.1111/j.1467-646X.2007.01010.x

Kirch, G., Lima, J. B. N. & Terra, P. R. S. (2012). Determinantes da defasagem na divulgação das demonstrações contábeis das companhias abertas brasileiras. Revista Contabilidade & Finanças, 23(60), pp. 173-186.

Liu, X. & Anbumozhi, V. (2009). Determinant factors of corporate environmental information disclosure: an empirical study of Chinese listed companies. Journal of Cleaner Production, 17(6), pp. 593-600. doi:10.1016/j.jclepro.2008.10.001

Lu, Y. & Abeysekera, I. (2014). Stakeholders power, corporate characteristics, and social and environmental disclosure: evidence from China. Journal of Cleaner Production, 64, pp.426-436. doi:10.1016/j.jclepro.2013.10.005

Magness, V. (2006). Strategic posture, financial performance and environmental disclosure: an empirical test of legitimacy theory. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 19(4), pp.540-563. doi: .org/10.1108/09513570610679128

Martins, G. A.; Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

Murcia, F. D. & Santos, A. (2009).Fatores determinantes do nível de disclosure voluntário das companhias abertas no Brasil. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade. 3(2), pp. 72-95.doi: .org/10.17524/repec.v3i2.68

Nascimento, A. R., Santos, A., Salotti, B. & Murcia, F. D. (2009). Disclosure social e ambiental: análise das pesquisas científicas veiculadas em periódicos de língua inglesa. Revista Contabilidade Vista & Revista, Belo Horizonte: UFMG, 20(1), pp. 15-40.

O’Dwyer, B. (2003). Conceptions of corporate social responsibility: the nature of managerial capture. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 16(4), pp. 523-557. doi: .org/10.1108/09513570310492290

Oliveira, J. A. P. (2005). Uma avaliação dos balanços sociais das 500 maiores. RAE-eletrônica, 4(1), art. 2.

Phillips, R., Freeman, R. E. & Wicks, A. C. (2003). What stakeholder theory is not. Business Ethics Quarterly, p. 479-502. doi:.org/10.5840/beq200313434

Reverte, Carmelo. (2009). Determinants of corporate social responsibility disclosure ratings by spanish listed firms. Journal of Business Ethics, 88(2), pp. 351-366. doi:10.1007/s10551-008-9968-9

Roberts, R. W. (1992). Determinants of corporate social responsibility disclosure: an application of stakeholder theory. Accounting Organizations and Society, 17(6), pp. 595-612. doi:10.1016/0361-3682(92)90015-K

Rover, S., Borba, J. A. & Murcia, F. D. (2009).Características do disclosure ambiental de empresas brasileiras potencialmente poluidoras: análise das demonstrações financeiras e dos relatórios de sustentabilidade do período de 2005 a 2007. Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 7(1), pp.23-36.

Rover, S. & Santos, A. (2013). Disclosure socioambiental e custo de capital próprio de companhias abertas no Brasil. Anais da Conferência Interamericana de Contabilidade Socioambiental, Belém, PA, Brasil, 3.

Rover, S., Tomazzia, E. C., Murcia, F. D. R., & Borba, J. A. (2012). Explicações para a divulgação voluntária ambiental no Brasil utilizando análise de regressão em painel. Revista de Administração, São Paulo, 47(2), pp. 217-230. doi: 10.5700/rausp1035

Salotti, B. M.; Yamamoto, M. M. (2005). Ensaio sobre a teoria da divulgação. BBR – Brazilian Business Review, v. 2, n. 1, p. 53-70, jan./jun. 2005. doi: .org/10.15728/bbr.2005.2.1.4

Silva, F. A. & Pinheiro, L. E. T. (2012). Estágio atual de evidenciação e fatores que influenciam o disclosure de informações por segmentos por empresas brasileiras. Revista de Contabilidade e Controladoria, Curitiba: UFPR, 4(3), pp. 78-94. doi: .org/10.5380/rcc.v4i3.29897

Verrecchia, R. (2001). Essays on disclosure. Journal of Accountingand Economics, Amsterdam, 32(1-3), pp..97-180. doi:10.1016/S0165-4101(01)00025-8

Villiers, C. & Staden; C. J. V. (2006). Can less environmental disclosure have a legitimising effect? Evidence from Africa.Accounting, Organizations and Society, 31(8), pp. 763-78. doi:10.1016/j.aos.2006.03.001

Wang, K. & Sewon, O. & Claiborne, M. C. (2008).Determinants and consequences of voluntary disclosure in an emerging market: evidence from China. Journal of International Accounting, Auditing and Taxation, 17(1), pp. 14-30. doi:10.1016/j.intaccaudtax.2008.01.001

Watson, A., Shrives, P. & Marston, C. (2002). Voluntary disclosure of accounting ratios in the UK.The British Accounting Review, 34(4), pp. 289-313. : doi:10.1006/bare.2002.0213

Wilmshurst, T. D. & Frost, G. R. (2000). Corporate environmental reporting: a test of legitimacy theory. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 13(1), pp. 10-26. doi.org/10.1108/09513570010316126

Publicado
26-01-2016
Como Citar
Rufino, M. A., & Machado, M. R. (2016). Fatores Determinantes da Divulgação de Informações Voluntária Social: Evidências Empíricas no Brasil. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 9(4). https://doi.org/10.17524/repec.v9i4.1300
Seção
Artigos