Mecanismos Disciplinadores da Gestão de Custos Interorganizacionais e Economia dos Custos de Transação: um ensaio teórico

  • Rosimeire Pimentel Gonzaga Professora Adjunta da Universidade Federal de Minas Gerais
  • Humberto Silva Aillón Diretor de Finanças e Controladoria da Linx S.A
  • Lara Cristina Francisco de Almeida Fehr Professora Assistente na Universidade Federal de Uberlândia
  • Márcio Luiz Borinelli Professor Doutor da Universidade de São Paulo - FEA/USP
  • Wellington Rocha Professor Doutor da Universidade de São Paulo- FEA/USP
Palavras-chave: Gestão de Custos Interorganizacionais, Mecanismos Disciplinadores, Economia dos Custos de Transação

Resumo

O presente artigo buscou verificar se os mecanismos disciplinadores presentes na estrutura conceitual da Gestão de Custos Interorganizacionais (GCI) estão relacionados aos mecanismos de governança previstos pela Economia dos Custos de Transação (ECT), enquanto instrumentos para salvaguardar relações contratuais. O trabalho foi desenvolvido por meio de um ensaio teórico, com base em pesquisa bibliográfica, tendo como contribuição principal para a literatura, a identificação da existência de relacionamentos entre mecanismos já consolidados da ECT, a qual busca verificar a forma como ocorrem as transações, e os mecanismos recentes da GCI, que busca por meio do gerenciamento de custos, a otimização do retorno total da cadeia de valor além dos limites da própria empresa. Como conclusão do trabalho constatou-se que, mesmo sendo recente a literatura acerca da GCI, os mecanismos disciplinadores utilizados por este artefato da Gestão Estratégica de Custos vão ao encontro dos mecanismos de governança utilizados pela ECT, ao apresentarem relação e sinergia em diversos dos mecanismos analisados.

Biografia do Autor

Rosimeire Pimentel Gonzaga, Professora Adjunta da Universidade Federal de Minas Gerais
Doutorado em Controladoria e Contabilidade pela FEA/USP
Humberto Silva Aillón, Diretor de Finanças e Controladoria da Linx S.A
Mestre em Controladoria e Contabilidade pela FEA/USP
Lara Cristina Francisco de Almeida Fehr, Professora Assistente na Universidade Federal de Uberlândia
Mestre em Administração pela Universidade Federal de Uberlândia – UFU
Márcio Luiz Borinelli, Professor Doutor da Universidade de São Paulo - FEA/USP
Doutorado em Controladoria e Contabilidade pela FEA/USP
Wellington Rocha, Professor Doutor da Universidade de São Paulo- FEA/USP
Doutorado em Controladoria e Contabilidade pela FEA/USP

Referências

Agndal, H., & Nilsson, U. (2010). Different open book accounting practices for different purchasing strategies. Management Accounting Research, 21(3), pp. 147-166. doi:10.1016/j.mar.2010.04.001

Aguiar, A. B., Rezende, A. J. & Rocha, W. (2008). Uma Análise da Complementariedade entre Gestão Interorganizacional de Custos e Open-Book Accounting. Base – Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 5(1), pp. 66-76.

Arrow, K. J. (1974). The limits of organization. New York. Norton & Company.

Arrow, K. J. (1969). The Organization of economic activity: issues pertinent to the choice of market versus nonmarket allocation. In: The Analysis and evaluation of public expenditure. Cambridge: Harvard University Press.

Arruda, A. G. S. (2014). Estruturas de governança em redes de cooperativas de crédito sob a ótica da teoria dos custos de transação: um estudo comparativo entre cooperativas brasileiras e canadenses. Tese de Doutorado, Universidade Municipal de Caetano do Sul, São Caetano do Sul, SP, Brasil. Recuperado de http: http://www.uscs.edu.br/posstricto/administracao/teses/2014/pdf/TESE_PPGA_ALESSANDRO_G_S_ARRUDA.pdf

Bhimani, A., Souza, B. C., & Rocha, W. (2011). Inter-organizational cost management in a Brazilian context. Cost Management, 25(6), pp. 5-16.

Brito, J. (1994). Redes de firmas e eficiência técnico-produtiva: uma análise crítica da abordagem dos custos de transação. Anais do Encontro Nacional de Economia da Anpec, Florianópolis, SC, Brasil, 22.

Camacho, R. R. (2010). Fatores condicionantes da gestão de custos interorganizacionais na cadeia de valor de hospitais privados no Brasil: uma abordagem à luz da Teoria da Contingência. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, SP, Brasil. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12136/tde-22012011-164307/pt-br.php

Coad, A. F., & Cullen, J. (2006). Inter-organisational cost management: Towards an evolutionary perspective. Management Accounting Research, 17(4), pp. 342-369. doi:10.1016/j.mar.2006.02.003

Coase, R. H. (1937). The nature of the firm. Economica, 4(16), pp. 386-405. DOI: 10.1111/j.1468-0335.1937.tb00002.x

Coase, R. H. (1959). The federal communications commission. Journal of law and economics, 2, pp. 1-40.

Cooper, R. & Slagmulder, R. (1997). Target costing and value engineering. Portland: Productivity Press, IMA Foundation for Applied Research.

Cooper, R., & Slagmulder, R. (1999). Develop profitable new products with target costing. Sloan Management Review, 40(4), pp. 22-33.

Cooper, R., & Slagmulder, R. (2003). Interorganizational costing. Part II. Cost Management. 17(5), pp. 12-24.

Dekker, H. C. (2003). Value chain analysis in interfirm relationships: a field study. Management accounting research, 14(1), pp.1-23. doi:10.1016/S1044-5005(02)00067-7

Donada, C., & Nogatchewsky, G. (2006). Vassal or lord buyers: How to exert management control in asymmetric interfirm transactional relationships?. Management Accounting Research, 17(3), pp.259-287. doi:10.1016/j.mar.2006.06.002

Faria, A., Soares, I., Rocha, W., & Rossi, G. (2013). A prática da gestão de custos interorganizacionais em uma montadora de veículos na Região do Grande ABC. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 15(49), 617-638.

Farina, E. M. M. Q. (1999). Competitividade e coordenação de sistemas agroindustriais: um ensaio conceitual. Gestão & Produção, 6(3), pp. 147-161.

Hoffjan, A., & Kruse, H. (2006). Open book accounting in supply chains-When and how is it used in practice? Journal of cost management, 20(6), pp. 40-47.

Iudícibus, S. D., & Lopes, A. B. (2004). Teoria avançada da contabilidade. São Paulo: Atlas.

Kajüter, P., & Kulmala, H. I. (2005). Open-book accounting in networks: Potential achievements and reasons for failures. Management Accounting Research, 16(2), pp. 179-204. doi:10.1016/j.mar.2005.01.003

Martins, G. A. (2000). Manual para elaboração de monografias e dissertações. São Paulo: Atlas.

Menard, C. (2004). The economics of hybrid organizations. Journal of Institutional and Theoretical Economics, pp.345-376. doi: http://dx.doi.org/10.1628/0932456041960605

Miller, G. J. (1992). Managerial dilemmas: The political economy of hierarchy. Cambridge – UK: Cambridge University Press.

Miranda, W. F., Mendes, A. C. A., Souza, G. J. P., & Zuccolotto, R. (2010). A economia dos custos de transação através do desenvolvimento da reputação favorável. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil, 10.

Mouritsen, J., Hansen, A., & Hansen, C. Ø. (2001). Inter-organizational controls and organizational competencies: episodes around target cost management/functional analysis and open book accounting. Management Accounting Research, 12(2), pp.221-244. doi:10.1006/mare.2001.0160

Muniz, G. P., Aquino, A. C. B., & Pagliarussi, M. S. (2007). Mecanismos de governança na terceirização dos serviços de tecnologia da informação: uma survey em empresas do Espírito Santo. Anais do Encontro de Estudos em Estratégia, São Paulo, SP, Brasil, 3.

Peres, U. D. (2007). Custos de transação e estrutura de governança no setor público. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 9(24), pp. 15-30.

Porter, M. E. (1989). Vantagem competitiva - criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus.

Rocha, W. F. D., Jr.; Carvalheiro, E. M., Staduto, J. A., & Opazo, M. A. U. (2008). Avaliação de contratos: uma abordagem utilizando a Análise Fatorial de Correspondência. Revista de Economia e Sociologia Rural, 46(2), pp. 455-480.

Rocha, W., & Borinelli, M. L. (2007). Análise estratégica de cadeia de valor: um estudo exploratório do segmento indústria-varejo. Revista Contemporânea de Contabilidade, 4(7), pp. 145-165.

Santos, A. R. (1999). Metodologia Científica: a construção do conhecimento. (6ª ed.). Rio de Janeiro: DP&A Editora.

Severino, A. J. (2007). Metodologia do trabalho científico. (23ª ed.). São Paulo: Cortez.

Shank, J. K., & Govindarajan, V. (1993). What" drives" cost? A strategic cost management perspective. Advances in Management Accounting, 2, pp. 27-45.

Slagmulder, R. (2002). Managing costs across the supply chain. In Seuring, S. & Goldbach, M. (Eds.). Cost management in supply chains. pp. 75-88. Heidelberg, Physica-Verlag.

Souza, B. C. D. (2008). Fatores condicionantes da gestão de custos interorganizacionais. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, SP, Brasil. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12136/tde-07042008-225007/pt-br.php

Souza, B. C., & Rocha, W. (2008). Fatores Condicionantes da Gestão de Custos Interorganizacionais. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil, 8.

Souza, B. C., & Rocha, W. (2009). Gestão de custos interorganizacionais. São Paulo: Atlas.

Sunder, S. (1997). Theory of Accounting and Control. Cincinnati, OH: Thomson

Press.

Vergara, S. C. (2003). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. (4ª ed.). São Paulo: Atlas.

Vosselman, E., & Meer-Kooistra, J. V. (2009). Accounting for control and trust building in interfirm transactional relationships. Accounting, Organizations and Society, 34(2), pp.267-283. doi:10.1016/j.aos.2008.04.002

Williamson, O. E. (1975). Market and Hierarchies: Analysis and Antitrust Implications. New York: The Free Press.

Williamson, O. E. (1981). The modern corporation: origins, evolution, attributes. Journal of economic literature, 19(4), pp. 1537-1568.

Williamson, O. E. (1985). The Economic institutions of capitalism: firms, markets, relational contracting. London: Macmillan Free Press.

Williamson, O. E. (1996). The mechanisms of governance. New York: Oxford University Press.

Windolph, M., & Möller, K. (2012). Open-book accounting: Reason for failure of inter-firm cooperation? Management Accounting Research, 23(1), pp. 47-60. doi:10.1016/j.mar.2011.07.001

Xu, C. (2011). The Implementation Framework and Path Research of Interorganizational Cost Management in Supply Chain. Anais Annual International Conference on Management Science & Engineering, Roma, Itália, 18.

Zylbersztajn, D. (1995). Estruturas de governança e coordenação do agribusiness: uma aplicação da nova economia das instituições. Tese de Livre Docência, Universidade de São Paulo, SP, Brasil. Recuperado de http://200.144.188.9/PortalFEA/Repositorio/616/Documentos/Tese_Livre_Docencia_DZ.pdf

Zylbersztajn, D. (2000). Economia das Organizações. In Zylbersztajn, D. & Neves, M. F. (Org.) Economia e gestão dos negócios agroalimentares: indústria de alimentos, indústria de insumos, produção agropecuária, distribuição. Cap. 2, pp. 23-38. São Paulo: Pioneira.

Publicado
30-09-2015
Como Citar
Gonzaga, R. P., Aillón, H. S., Fehr, L. C. F. de A., Borinelli, M. L., & Rocha, W. (2015). Mecanismos Disciplinadores da Gestão de Custos Interorganizacionais e Economia dos Custos de Transação: um ensaio teórico. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 9(3). https://doi.org/10.17524/repec.v9i3.1236
Seção
Artigos