Teorias da Firma como fundamento para formulação de teorias contábeis

  • José Glauber Cavalcante dos Santos Mestrando/Pesquisador na Universidade Federal do Ceará
  • Thalita Silva Calíope Mestrando/Pesquisador na Universidade Federal do Ceará
  • Antonio Carlos Coelho Professor Associado da Universidade Federal do Ceará
Palavras-chave: Teoria da Contabilidade, Teoria Neoclássica da Firma, Teoria Contratual da Firma, Nova Economia Institucional, Informação Contábil.

Resumo

Este artigo desenvolve ensaio acerca da extensão conceitual derivada da teoria da Firma e seu relacionamento com teorias contábeis vigentes, sumarizando as principais correntes que buscam explicar a firma, procurando estabelecer relacionamento com mudanças de rumo no objeto e objetivo da contabilidade, expressos pela pesquisa contábil atual. Argumenta-se que o conceito vigente de “firma” acaba direcionando a lógica informacional arraigada à contabilidade, por meio das acepções absorvidas pela teoria Contábil. O fulcro das ponderações considera o objeto da teoria contábil (registro e divulgação de agregados econômicos) direcionado aos usuários da informação contábil. A discussão é subsidiada pelas abordagens da teoria Neoclássica da Firma, da teoria contratual da firma e da Nova Economia Institucional (NEI), com enfoques em custos de transação, direitos de propriedade e custos de mensuração. Conceitos de economia de empresas direcionam a lógica conceitual vigente à teoria Contábil, com o sentido precípuo de fornecer informações eficientes aos stakeholders. Observa-se que a teoria da Contabilidade tem seus pilares fincados na teoria neoclássica da firma; e que através da teoria Contratual da Firma, que discute o monitoramento de agentes e de contratos, ela ultrapassa a limitada visão de função do controle patrimonial (stewardship), ampliando o foco do fornecimento de informações, além da função restrita de accountability. E, por fim, que, embora nem todos os elementos da nova economia institucional sejam apreendidos pela teoria Contábil, a NEI detém elementos de suma importância à consolidação das teorias contábeis quanto à sua institucionalização.

Biografia do Autor

José Glauber Cavalcante dos Santos, Mestrando/Pesquisador na Universidade Federal do Ceará
Mestrando em Administração e Controladoria (UFC) na Universidade Federal do Ceará - UFC
Thalita Silva Calíope, Mestrando/Pesquisador na Universidade Federal do Ceará
Bacharel em Administração (UFC); Mestranda em Administração e Controladoria (UFC) na Universidade Federal do Ceará – UFC
Antonio Carlos Coelho, Professor Associado da Universidade Federal do Ceará
Pós-doutorado em Ciências Contábeis (PPGCC-FEA-USP) pela Universidade de São Paulo (USP)

Referências

Aguilar, H. A., Filho, & Silva, E. B., Filho. (2010). A crítica novo-institucionalista ao pensamento da Cepal: a dimensão institucional e o papel da ideologia no desenvolvimento econômico. Economia e Sociedade, 19(2), pp. 211-232. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-06182010000200001.

Aquino, A. C. B. (2005). Economia dos arranjos híbridos: o caso da coordenação de serviços em uma usina siderúrgica. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Branco, M. C. (2006). Uma abordagem institucionalizada da contabilidade. Revista de Contabilidade & Finanças, 17(42), pp. 104-112. doi: http//dx.doi.org/10.1590/S1519-70772006000300009.

Bresser-Pereira, L. C. (2009). Os dois métodos e o núcleo duro da teoria econômica. Revista de Economia Política, 29(2), pp. 163-190.

Bueno, N. P. (2004). Possíveis contribuições da nova economia institucional à pesquisa em

história econômica brasileira: uma releitura das três obras clássicas sobre o período colonial. Estudos Econômicos, 34(4), pp. 777-804.

Caballero, G. (2004). Instituiciones e historia económica: enfoques y teorías institucionales. Revisa de Economia Institucional, 6(10), pp. 135-157.

Caleman, S. M. Q., & Zylbersztajn, D. (2013). Falhas organizacionais; tipologia, determinantes e proposta de modelo teórico. Organizações & Sociedade, 20(65), pp. 261-282.

Cardoso, R. L. (2005). Regulação econômica e escolhas de práticas contábeis: evidências no mercado de saúde suplementar brasileiro. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Carlini R., Junior, & Dantas, C. (2004). Análise contratual sob a ótica da economia dos custos de transação: a relação entre uma cooperativa hortícola e uma rede de supermercados no estado de Pernambuco. Revista de Administração Mackenzie, 5(2), pp. 105-122.

Coase, R. (1937). The nature of the firm. Economica, 4(16), pp. 386-405.

_______. (1960). The problem of social cost. The Journal of Law and Economics, 3, pp. 1-44.

_______. (1978). Economics and contiguous disciplines. Journal of Legal Studies, 7(2), pp. 201-211.

Coelho, A. C. (2007). Qualidade informacional e conservadorismo nos resultados contábeis publicados no Brasil. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Crowley, G. R., & Sobel, R. S. (2010). Adam Smith: managerial insights from the father of economics. Journal of Management History, 16(4), pp. 504-508. doi: http://dx.doi.org/10.1108/17511341011073979.

Dantas, J. A., Paulo, E., & Medeiros, O. R. (2013). Conservadorismo condicional na indústria bancária brasileira em situações de maior percepção de risco. Revista Universo Contábil, 9(2), pp. 83-103. doi: 10.4270/RUC.2013214.

Demsetz, H. (1988). The theory of the firm revisited. Journal of Law, Economics, & Organization, 4(1), pp. 141-161.

Dias, J. M., Filho, & Machado, L. H. B. (2012). Abordagens da pesquisa em contabilidade. In A. B. Lopes, & S. Iudícibus (Orgs.). Teoria Avançada da Contabilidade. pp. 17-71. São Paulo. Atlas..

Fagundes, J. (1997). Economia Institucional: Custos de Transação e Impactos sobre Política de Defesa da Concorrência [Texto para Discussão, N˚ 407], Universidade Federal do Rio Janeiro, Rio de Janeiro, RJ.

Farina, E. M., Azevedo, P. F., & Saes, M. S. (1997). Competitividade: Mercado, Estado e Organizações. São Paulo: Ed. Singular.

Gonçalves C., Junior, Alves, Y., Rocha W., Jr., & Staduto, J. (2007). A formação de redes horizontais à luz da Nova Economia Institucional: um estudo de caso. Anais do Encontro de Economia Paranaense, Curitiba, PR, Brasil, 5.

Guerreiro, R. (Ed.) (2006). A abordagem institucional na contabilidade gerencial. Revista de Contabilidade & Finanças, 17(40), pp. 3-6. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-70772006000100001.

Hendriksen, E. S., & Van Breda, M. F. (1999). Teoria da contabilidade. São Paulo: Atlas.

Iudícibus, S. (2013). Rumo à contabilidade econômica ou à nobre origem? Revista de Contabilidade & Finanças, 24(61), pp. 1-10. doi: http://dx.doi.org/101590/S1519-70772013000100002.

Iudícibus, S., Martins, E., & Carvalho, L. N. (2005). Contabilidade: aspectos relevantes da epopeia de sua evolução. Revista Contabilidade & Finanças, 16(38), pp. 7-19. doi: http;//dx.doi.org/10.1590/S1519-70772005000200002.

Kam, V. (1990). Accounting Theory. New York: John Wiley & Sons.

Lopes, A. B. (2012). Teoria dos contratos, governança corporativa e contabilidade. In A. B.

Lopes, & S. Iudícibus (Orgs.). Teoria Avançada da Contabilidade. São Paulo: Atlas. pp. 173-187.

Lopes, A. B., & Martins, E. (2012). Teoria da contabilidade: uma nova abordagem. São Paulo: Atlas.

Machado, D. G., Silva, T. P., Moura, G. D., Benetti, J. E., Rocha, I., & Bezerra, F. A. (2012). Informações no processo gerencial: um estudo das escolhas contábeis nas empresas de energia elétrica da BM&FBovespa. Anais do Congresso Virtual Brasileiro de Administração, Distrito Federal, Brasília, Brasil, 9.

Major, M. J., & Ribeiro, J. (2008). A teoria institucional na investigação em Contabilidade. In: M. J. Major, & R. Vieira (Org.). Contabilidade e controlo de gestão: teoria, metodologia e prática. (Cap. 2, pp. 37-59). Lisboa: Escolar Editora.

Maragno, R., Kalatzis, A., & Paulillo, L. (2006, novembro). A nova economia institucional: aspectos que influenciam na relação comercial Brasil - União Europeia. Simpósio de Engenharia da Produção, Bauru, SP, Brasil, 8.

Mizumoto, F. M., & Machado, C. P., Filho. (2007). Práticas de governança corporativa em empresa familiar de capital fechado: um estudo de caso. Revista de Negócios, 12(2), pp. 3-17. doi: http://dx.doi.org/10.7867/1980-4431.2007v12n2p03%20-%2017.

Mueller, B. (2005). Direitos de propriedade na nova economia das instituições e em direito e economia. In D. Zylbersztajn, & R. Sztajn (Orgs.). Direito & Economia. Rio de Janeiro: Campus.

Nogueira, A. (2003). Custos de transação e arranjos institucionais alternativos: uma análise da avicultura de corte no estado de são Paulo. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Oliveira, A. A. G. (2011). Análise da eficácia do enforcement das obrigações de universalização dos serviços públicos de telecomunicações no Brasil. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil.

Penrose, E. (2006). A teoria do crescimento da firma. São Paulo: Editora da Unicamp.

Pereira, A. G., Bruni, A. L., Rocha, J. S., Lima, R. N., Filho, & Faria, J. A. (2010). Teoria dos contratos, governança corporativa e auditoria: delineamentos para a discussão em teoria da contabilidade. Anais do Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, Resende, Rio de Janeiro, Brasil, 7.

Pereira, A. N., & Vilaschi, A. (2006). Governança Corporativa e Contabilidade: explorando noções e conexões. Anais do Simpósio FUCAPE de Produção Científica, Espírito Santo, Vitória, Brasil, 4.

Pinheiro, A. S., Carrieri, A. P., & Joaquim, N. F. (2013). Esquadrinhando a governança corporativa: o comportamento dos personagens sob o ponto de vista dos discursos dos autores acadêmicos. Revista Contabilidade & Finanças, 24(63), pp. 231-242. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-70772013000300006.

Resende, A. J., Facure, C. E. F., & Dalmácio, F. Z. (2009). Práticas de governança corporativa em organizações sem fins lucrativos. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo, São Paulo, Brasil, 9.

Rocha, W. (Ed.) (2007). Da contabilidade de custos à gestão estratégica de custos. Revista de Contabilidade & Finanças, 18(43), pp. 3-8.

Rocha, I., Pereira, A. M., Bezerra, F. A., & Nascimento, S. (2012). Análise da produção científica sobre teoria da agência e assimetria da informação. Revista de Gestão, 19(2), pp. 327-340. doi: http://dx.doi.org/10.5700/issn.2177-8736.rege.2012.49903.

Santos, S. (2007, novembro). A Nova Economia Institucional. Anais do Seminário Temático Centralidade e Fronteiras das Empresas no Século XXI, São Carlos SP, Brasil, 1.

Schumpeter, J. A. (1961). Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura.

Senju, E., & Gomes, E. (2006). As novas formas de comercialização de energia: o caso dos leilões. Revista de Economia da UEG, 2(2), pp. 1-19.

Subramaniam, N. (2006). Agency theory and accounting research: an overview of some conceptual and empirical issues. In Z. Hoque (Org.). Methodological issues in accounting research: theories and methods. Londres: Spiramus. pp. 55-82.

Tigre, P. B. (1998). Inovação e teorias da firma em três paradigmas. Revista de economia contemporânea, 2(1).

__________. (2005). Paradigmas tecnológicos e teorias econômicas da firma. Revista Brasileira de Inovação, 4(1), pp. 187-223.

Vasconcelos, F. C., & Cyrino, A. B. (2000). Vantagem competitiva: os modelos teóricos atuais e a convergência entre estratégia e teoria organizacional. Revista de Administração de Empresas, 40(4), pp. 20-37.

Vesco, D. (2008). Impactos da alteração da gestão do governo estadual nos Indicadores contábeis das concessionárias de rodovias do Estado do Paraná de 1996 a 2006 – um estudo empírico. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil.

Williamson, O. (1985). The economic institutions of capitalism: firms, markets, relational contracting. New York: Free Press.

______________. (1991). Comparative economic organization: the analysis of discrete structural alternatives. Administrative Science Quarterly, 36(2), pp. 269-296.

Zylbersztajn, D. (1995). Estruturas de governança e coordenação do agrobusiness: uma aplicação da nova economia das instituições. Tese de Livre Docência, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Zylbersztajn, D., Sztajn, R., & Mueller, B. (2005). Economia dos direitos de propriedade. In D. Zylbersztajn, & R. Sztajn (Orgs.). Direito & Economia. pp. 84-101.Rio de Janeiro: Campus.

Publicado
31-03-2015
Como Citar
Santos, J. G. C. dos, Calíope, T. S., & Coelho, A. C. (2015). Teorias da Firma como fundamento para formulação de teorias contábeis. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 9(1). https://doi.org/10.17524/repec.v9i1.1182
Seção
Artigos