Relação entre Lócus de Controle e resiliência de acordo com as características sociais dos estudantes de Contabilidade

  • Juçara Haveroth Universidade Regional de Blumenau
  • Alyne Cecilia Serpa Ganz Universidade Federal do Paraná
  • Ângela Bilk Universidade Regional de Blumenau
  • Marcia Zanievicz Silva Universidade Regional de Blumenau
Palavras-chave: Lócus de Controle, Resiliência, Estudantes de Contabilidade

Resumo

Objetivo: Analisar a relação entre as características sociais de estudantes de contabilidade, lócus de controle e resiliência.

Método: Pesquisa descritiva, quantitativa com coleta de dados por survey. O estudo foi realizado com 449 estudantes de contabilidade, de todas as regiões do Brasil, onde 31,63% eram homens e 68,37% mulheres.

Resultados: Os resultados demonstram que existem diferenças entre homens e mulheres frente aos lócus de controle e resiliência. Mulheres possuem níveis mais baixos de lócus de controle interno em relação aos homens. As mulheres possuem maiores níveis de resiliência, comparativamente aos homens. Estudantes de contabilidade, de maneira geral, possuem altos níveis de resiliência, bem como de lócus de controle interno, o que faz com que tenham um perfil de pessoas determinadas, autoconfiantes e perseverantes frente às dificuldades oferecidas durante o processo de formação no curso de graduação em ciências contábeis.

Contribuições: O estudo contribui com a literatura, ao estudar o comportamento de indivíduos ligados à contabilidade, bem como por investigar estudantes, teoricamente enquadrados nas novas gerações de contadores, sendo que ainda existem relativamente poucas pesquisas que estudem ambos.

Referências

Angst, R. (2013). Habilidades sociais e resiliência em acadêmicos de licenciaturas. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil.

Barreira, D. D., & Nakamura, A. P. (2006). Resiliência e a auto-eficácia percebida: articulação entre conceitos. Aletheia, 23, pp. 75-80.

Callado, M. C., Gomes, J. A. & Tavares, L. E. (2006). Lócus de controle interno: uma característica de empreendedores. Revista de Administração Mackenzie, 11(2), pp. 168-188.

Calvo, J. C. A. & García, G. M. (2010). Established Business Owners' success: Influencing Factors. Journal of developmental entrepreneurship, 15(03), pp. 263-286.

Dela Coleta, M. F. (1987). Escala multidimensional de locus de controle de Levenson. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 39(2), pp. 79-97.

Cowen, E. L., Wyman, P. A. & Work, W. C. (1996). Resilience in highly stressed urban children: concepts and findings. Bulletin of the New York Academy of Medicine, 73(2), p. 267.

Cunha, J., Nascimento, E. & Durso, S. (2014). Razões e influências para a evasão universitária nos cursos de Ciências Contábeis de instituições públicas federais da região Sudeste. Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil, 14.

Damascena, L. G., França, R. D. & Silva, J. D. G. (2016). Relação entre locus de controle e resiliência: um estudo com profissionais contábeis. Revista Contemporânea de Contabilidade, 13(29), pp. 69-90.

Dela Coleta, J. A. (1982). Atribuição de causalidade: teoria e pesquisa. FGV-Instituto de Documentação, Editora da Fundação Getúlio Vargas.

Díaz, S. C. P., Giraldo, A. F. R. & Buitrago, H. C. (2011). Factores resilientes asociados al rendimiento académico en estudiantes pertenecientes a la Universidad de Sucre (Colombia). Psicología desde el Caribe, pp. 196-219.

Farag, M. S. & Elias, R. Z. (2016). The relationship between accounting students’ personality, professional skepticism and anticipatory socialization. Accounting Education, 25(2), pp. 124-138. doi: http://dx.doi.org/10.1080/09639284.2015.1118639.

Fávero, L. P., Belfiore, P., Silva, F. L. & Chan, B. L. (2009). Análise de Dados: Modelagem Multivariada para tomada de Decisões. Rio de Janeiro, Elsevier.

Fortes, T. F. R., Portuguez, M. W. & Argimon, I. I. D. L. (2009). A resiliência em idosos e sua relação com variáveis sociodemográficas e funções cognitivas. Estud. psicol.(Campinas), 26(4), pp. 455-463. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2009000400006.

Grotberg, E. H. (Ed.). (2003). Resilience for today: Gaining strength from adversity. Greenwood Publishing Group.

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E. & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. Bookman Editora.

Hasin, H., & Omar, N. (2007). An empirical study on job satisfaction, job-related stress and intention to leave among audit staff in public accounting firms in Melaka. Journal of Financial Reporting and Accounting, 5(1), pp. 21-39. doi: 10.1108/19852510780001575

Infante, F. (2005). A resiliência como processo: uma revisão da literatura recente. Resiliência: descobrindo as próprias fortalezas, pp. 23-38.

Lefcourt, H. M. (1976). Locus of control and the response to aversive events. Canadian Psychological Review/Psychologie Canadienne, 17(3), p. 202. doi http://dx.doi.org/10.1037/h0077149;

Levenson, H. (1973). Multidimensional locus of control in psychiatric patients. Journal of consulting and clinical psychology, 41(3), p. 397. doi.apa.org/journals/ccp/41/3/397

Lucena, W. G. L., Fernandes, M. S. A. & Silva, J. D. G. (2011). A contabilidade comportamental e os efeitos cognitivos no processo decisório: uma amostra com operadores da contabilidade. Revista Universo Contábil, 7(3).

MacDonald, J. R. (1973). Theory of space‐charge polarization and electrode‐discharge effects. The Journal of Chemical Physics, 58(11), pp. 4982-5001. doi:

https://aip.scitation.org/doi/10.1063/1.1679086

Maciel, C. D. O. & Camargo, C. (2010). Lócus de controle, comportamento empreendedor e desempenho de pequenas empresas. RAM. Revista de Administração Mackenzie, 11(2), pp. 168-188. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1678-69712010000200008.

Magalhães, M. D. O. (2005). Personalidades vocacionais e desenvolvimento na vida adulta: generatividade e carreira profissional. Dissertação de pós-graduação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil

Minello, I. F. & Scherer, I. B. (2014). Características resilientes do empreendedor associadas ao insucesso empresarial. Revista de Ciências da Administração, 16(38). doi: https://doi.org/10.5007/2175-8077.2014v16n38p228

Oliveira, M. A., Reis, V. L., Zanelato, L. S. & Neme, C. M. B. (2008). Resiliência: análise das publicações no período de 2000 a 2006. Psicologia ciência e profissão, 28(4). doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932008000400008

Pesce, R. P., Assis, S. G., Avanci, J. Q., Santos, N. C., Malaquias, J. V. & Carvalhaes, R. (2005). Adaptação transcultural, confiabilidade e validade da escala de resiliência. Cadernos de Saúde pública, 21(2), pp. 436-448.

Pesce, R. P., Assis, S. G., Santos, N. & Oliveira, R. D. (2004). Risco e proteção: em busca de um equilíbrio promotor de resiliência. Psicologia: teoria e pesquisa, 20(2), pp. 135-143.

Rodrigues, D. M. (2007). Os aspectos cognitivos da qualidade de vida: um estudo entre as variáveis do lócus de controle e as do bem-estar subjetivo (Doctoral dissertation). Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Rogge, J. F. N. & Lourenço, M. L. (2015). A resiliência humana no ambiente acadêmico de cursos stricto sensu. Revista de Administração IMED, 5(3), pp. 291-301.

Rotter, J. B. (1966). Generalized expectancies for internal versus external control of reinforcement. Psychological monographs: General and applied, 80(1), p. 1. doi http://dx.doi.org/10.1037/h0092976

Rutter, M. (1987). Psychosocial resilience and protective mechanisms. American journal of orthopsychiatry, 57(3), p. 316. doi: https://doi.org/10.1111/j.1939-0025.1987.tb03541.x.

Rutter, M. (2012). Resiliência como um conceito dinâmico. Development and Psychopathology. Cambridge University Press, 24, pp. 335-344. doi: 10.1017/S0954579412000028,

Savoia, M. G. (1999). Escalas de eventos vitais e de estratégias de enfrentamento (coping). Revista de Psiquiatria Clínica, 26(2), pp. 57-67.

Selye, H. (1974). Stress without distress. New York, pp. 26-39.

Siegel, G. & Ramanauskas-Marconi, H. (1989). Behavioral accounting. South-Western Publishing Company.

Spector, P. E. & O'Connell, B. J. (1994). The contribution of personality traits, negative affectivity, locus of control and Type A to the subsequent reports of job stressors and job strains. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 67(1), pp. 1-12. doi: https://doi.org/10.1111/j.2044-8325.1994.tb00545.x

Tamayo, Á. (2012). Validade fatorial da escala Levenson de locus de controle. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 5(1), 111-122.

Wagnild, G., & Young, H. (1993). Development and psychometric. Journal of nursing measurement, 1(2), pp. 165-17847. doi: 10.4236/psych.2018.97107

Yunes, M. A. M. (2003). Psicologia positiva e resiliência: o foco no indivíduo e na família.

Yunes, M. A. M., & Szymanski, H. (2001). Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. Resiliência e educação, 2, pp. 13-43.

Publicado
29-03-2019
Como Citar
Haveroth, J., Ganz, A. C. S., Bilk, Ângela, & Silva, M. Z. (2019). Relação entre Lócus de Controle e resiliência de acordo com as características sociais dos estudantes de Contabilidade. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 13(1). https://doi.org/10.17524/repec.v13i1.1845
Seção
Artigos